Força dipolo permanente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Dipolo. Por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não se esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central. (desde agosto de 2012)
Exemplo da interação dipolo-dipolo ocorrendo em uma molécula de HCl. Como a eletronegatividade do cloro é maior que a do hidrogênio, forma-se um dipolo elétrico permanente.

A força dipolo permanente, também chamada de Forças de Keesom em homenagem a Willem Hendrik Keesom, quem primeiro descreveu matematicamente a força em 1921, ocorre em moléculas polares, como, por exemplo, na molécula de HCl, em haletos de alquila e cetona.

Na molécula polar, na parte mais eletronegativa forma-se um dipolo elétrico permanente. Com a diferença de eletronegatividade, existe uma concentração de carga negativa no átomo mais eletronegativo deixando o átomo menos eletronegativo no lado positivo da molécula. Assim, a extremidade positiva de uma molécula atrai a extremidade negativa da outra molécula, e assim por diante, dando a interação.

Essas interações são fracas, sendo de cerca de 2 a 10 KJ/mol de interações, e variam de modo inversamente proporcional ao cubo da distância entre as moléculas, ou seja, se a distância entre as moléculas se multiplica por 10, a interação entre elas se divide por 1000.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.