Forças Armadas de Cuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Forças Armadas Revolucionárias Cubanas
Fuerzas Armadas Revolucionarias
FAR emblem.png
País  Cuba
Forma atual 1960
Forças armadas Exército
Força Aérea
Marinha
Forças Paramilitares
Sedes Havana
Lideranças
Presidente da Síria Raúl Castro (Comandante em chefe)
Ministro da Defesa General Leopoldo Cintra Frías
Disponível para o
serviço militar
3,134,622 homens, idade 15–49,
3,022,063 mulheres, idade 15–49
Pessoal ativo ~ 85 000 (2011)
Despesas
Percentual do PIB 3,8% (2006)
Indústria
Fornecedores estrangeiros  Rússia
 China
Coreia do Norte
 União Soviética (antigamente)

As Forças Armadas Revolucionárias Cubanas (em espanhol: Fuerzas Armadas Revolucionarias — FAR) consiste de uma força militar terrestre, aérea e naval, além de milícias paramilitares (Milicias de Tropas Territoriales) e outras unidades de defesa.[1]

Ao longo da história, as forças armadas de Cuba desempenharam papeis fundamentais, não só externamente, mas também na política interna.[2] Generais e oficiais chegam a controlar cerca de 60% da economia através de vários negócios e empresas em setores chave.[3] [4] Os militares também são cruciais na manutenção do regime castrista.[4] Em vários discursos, o presidente Raúl Castro enfatizou o papel do exército para com o povo.[5]

Entre 1966 e o fim da década de 1980, o governo da União Soviética apoiou irrestritamente o regime de Cuba, mantendo suas forças armadas atualizadas e bem equipadas com armamento soviético, projetando assim um dos exércitos mais poderosos da América Latina. A primeira missão militar de Cuba no exterior foi em Gana, na África, em 1961. Outra missão aconteceu na Argélia, em 1963, com uma brigada médica.[6] Outros países também viram presença de tropas cubanas desde a década de 60, como na Síria em 1973, Etiópia em 1978, e Nicarágua e El Salvador na década de 80. A maior intervenção foi em Angola, que durou de 1975 a 1991.

O governo soviético forneceu apoio militar e financeiro a Cuba por décadas. Após a invasão da Baía dos Porcos e a crise dos mísseis, o auxílio russo aumentou consideravelmente, chegando ao seu auge nos anos 80.

Vários expurgos, por razões políticas ou criminais, aconteceram em Cuba. Notavelmente, em 1989, o governo fez uma "limpa" nas forças armadas, prendendo vários oficiais como o general Arnaldo Ochoa (figura notória no desenrolar dos eventos da Revolução Cubana), o ministro do interior, coronel Antonio de la Guardia, e o general Patricio de la Guardia, sob acusações de corrupção e tráfico de drogas. Os generais Ochoa e Antonio acabaram sendo executados. Após estas mortes, o exército foi reduzido em tamanho, e o ministério do interior passou então para o controle do então comandante-general Raúl Castro (irmão de Fidel Castro).

O poderio militar cubano caiu consideravelmente após o fim da União Soviética. As forças terrestres caíram de mais de 130 000 para 79 000 soldados.[7] Segundo agências de inteligência dos Estados Unidos, nos anos 90, as forças armadas cubanas estavam desmoralizadas, seus equipamentos não tinham peças de reposição e estavam ficando obsoletos, mas ainda tinham boa capacidade defensiva.[8] O governo de Cuba começou a investir mais em defesa civil.

Em 2012, o país estreitou seus laços militares com a China.[9]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Expedicion del Granma Defensa Nacional. Página visitada em 23 de maio de 2014.
  2. The Cuban military and transition dynamics.
  3. Challenges to a Post-Castro Cuba Harvard International Review..
  4. a b Carl Gershman and Orlando Gutierrez. . "Can Cuba Change?". Journal of Democracy January 2009 20 (1).
  5. Claudia Zilla. The Outlook for Cuba and What International Actors Should Avoid.
  6. John Williams, Cuba: Havana's Military Machine, The Atlantic, agosto de 1988
  7. International Institute for Strategic Studies Military Balance 2007, p.70
  8. Bryan Bender, 'DIA expresses cconcern over Cuban intelligence activity,' Jane's Defence Weekly, 13 de maio de 1998, p.7
  9. Cuba and China strengthen military cooperation – Armyrecognition.com, 16 de setembro de 2012