Forças de Defesa de Timor-Leste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Forças de Defesa de Timor-Leste
Forças Defesa Timor-Lorosae
F-FDTL.png
Brasão da F-FDTL
País Timor-Leste
Fundação 2 de Fevereiro de 2001
Forças armadas Exército e Contingente Naval
Sedes Díli[1]
Lideranças
Presidente José Vasconselhos - Taur Matan Ruak
Ministro da Defesa e Segurança Xanana Gusmão
Comandante Major-general Lere ana timur
Idade dos militares 16 a 49 anos de idade para o serviço militar
Disponível para o
serviço militar
Aprox. 237 000 homens, idade 15–49,
Aprox. 245 000 mulheres, idade 15–49
Chegando a idade
militar anualmente
Aprox. 12 700 homens,
Aprox. 12 400 mulheres
Pessoal ativo Aprox. 1300 militares
Orçamento $US 17.713 milhões (2010)
Artigos relacionados
história História de Timor-Leste
F-FDTL-Centro de Instrução-Metinaro-2009.JPG
Centro de Instrução Nicolau Lobato - Metinaro.

As Forças de Defesa de Timor-Leste (em tétum: Forças Defesa Timor-Lorosae ou F-FDTL) são as responsáveis pela defesa de Timor-Leste. As F-FDTL foram criadas em 2 de Fevereiro de 2001 e são atualmente compostas por dois batalhões de infantaria e um pequeno contingente naval, além de algumas unidades de apoio.

Origens[editar | editar código-fonte]

As Forças de Defesa de Timor-Leste têm as suas origens nas unidades de guerrilha da Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente. Em 2001 o recrutamento foi aberto a todos os timorenses com idade acima de dezoito anos, incluindo-se as mulheres.[2] Entretanto poucas mulheres alistaram-se na F-FDTL, e em fevereiro de 2010 apenas sete por cento do efetivo era composto pelo sexo feminino.

Missão[editar | editar código-fonte]

A principal missão das Forças de Defesa de Timor-Leste é a proteção de Timor-Leste contra ameaças externas. A F-FDTL também tem função de segurança interna, sobrepondo-se à função atribuída à Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL). Essa sobreposição já levou a tensões entre as corporações.

Crise de 2006[editar | editar código-fonte]

Em 2006 quase a metade da força foi demitida na sequência de protestos sobre discriminação e condições precárias. A crise surgiu de uma disputa dentro do exército, quando soldados do oeste do país reclamaram de que estavam sendo discriminados em favor de soldados do leste. Os do leste (em tétum, Lorosae) compunham a maior parte da Falintil, o movimento de guerrilha que resistiu à autoridade indonésia, e que, em troca, após a independência em 2002, passou a formar a maioria da FDTL.[3] Em contraste, os “Loromonu” (palavra em tétum que significa “ocidentais”) tiveram menos destaque na resistência, e foram menos favorecidos estrutura militar. Também houve tensões entre as forças militares e a polícia, composta principalmente de “Loromonu” e até mesmo por ex-membros do exército indonésio.[3]

Em 8 de fevereiro de 2006 quatrocentos soldados abandonaram seus acampamentos, acompanhados por outros cento e setenta e sete em 25 de fevereiro.[4] Os soldados receberam ordens de retornar em março, porém se recusaram e ficaram sem receber pagamento.[5] [6] Posteriormente esses militares receberam a adesão de alguns membros da polícia militar, inicialmente liderados pelo tenente Gastão Salsinha.[7]

Os rebeldes foram todos demitidos, contribuindo para o colapso geral da F-FDTL, e forçando o governo a pedir tropas estrangeiras para restaurar a segurança.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

As Forças de Defesa são compostas pelo exército, um componente naval e unidades de apoio. O exército possui dois batalhões de infantaria. As unidades de apoio incluem uma companhia de comando da F-FDTL, uma companhia de apoio logístico, uma companhia de comunicações e uma companhia de polícia militar. Timor-Leste não possui força aérea.

Exército[editar | editar código-fonte]

Treinamento das forças terrestres.

As forças terrestres são compostas de dois batalhões de infantaria leve, cada um com um efetivo aproximado de seiscentos militares. Essas unidades receberam treinamento de Portugal e Austrália.[8] Cada batalhão possui três companhias de combate, uma companhia de apoio e uma companhia de comando.[9] Embora o efetivo seja pequeno, a longa experiência do FALINTIL em guerra de guerrilhas contra os indonésios, é motivo suficiente para dissuadir possíveis invasores externos.[10] O 1º batalhão está baseado em Baucau, com abrangência sobre a região litorânea de Laga.[11] O 2.º batalhão está estacionado no Centro de Formação Nicolau Lobato, proximidades de Metinaro.[12]

Inicialmente o exército estava basicamente armado com armamento leve: fuzis/espingardas M16 (aproximadamente 1500), lançadores de granadas M203 (setenta e cinco), metralhadoras FN Minimi (setenta e cinco), além de fuzis/espingardas de tiro de precisão (cinquenta) e pistolas Colt M1911.[13]

Polícia Militar[editar | editar código-fonte]

Há ainda uma companhia de polícia militar que também executa o policiamento tradicional. Em maio de 2006, sob o comando do major Alfredo Reinado, um ex-comandante da guerrilha, a PM entrou em confronto com o exército. Em 16 de agosto de 2007 foi então nomeado o tenente Abel Ximenes em substituição como o novo comandante da polícia militar.

A Polícia Militar é também responsável, desde fevereiro de 2007, pela segurança presidencial,[14] e quando o presidente José Ramos-Horta foi baleado e gravemente ferido, em 11 de fevereiro de 2008, dois dos terroristas foram mortos e um policial militar foi gravemente ferido.

Contingente Naval[editar | editar código-fonte]

Treinamento do Contingente Naval.

O contingente naval da embrionária Marinha de Guerra de Timor-Leste se iniciou com trinta e seis integrantes.[15] Suas primeiras embarcações foram duas lanchas de patrulha, Classe Albatroz, armadas com um canhão automático Oerlikon 20 mm e duas metralhadoras 12.7 mm (.50"), as quais recebeu da Marinha Portuguesa em dezembro de 2001. Essas embarcações foram batizadas como Oecusse e Ataúro e passaram a fazer parte da Base Naval de Hera, nas proximidades de Díli.[16] A guarnição foi treinada por Portugal em Metinaro (Timor-Leste), e os barcos revisados na Indonésia, que em 2009 concordou em apoiar, com treinamento e equipamento, a Marinha do Timor-Leste.

Em outubro de 2009 o Timor-Leste adquiriu duas canhoneiras, Classe Shanghai III, Type 062 I, da República Popular da China. Os novos barcos foram entregues em Junho de 2010, batizados em novembro como Jaco (P211) e Betano (P212), constituindo-se na Classe Jaco[17] [18] A Base Naval de Hera foi expandida e uma segunda base está sendo planejada na costa sul, possivelmente em Betano.

Hierarquia[editar | editar código-fonte]

A classificação hierárquica das F-FDTL são semelhantes às classificações hierárquicas das Forças Armadas de Portugal.

Exército Contingente Naval
Oficiais
Sargentos
Praças
Oficiais
Sargentos
Praças
Major-general Sargento-mór Cabo-adjunto Capitão-tenente Sargento-mor Cabo
Brigadeiro Sargento-chefe Primeiro-cabo Primeiro-tenente Sargento-chefe Primeiro-marinheiro
Coronel Sargento-ajudante Segundo-cabo Segundo-tenente Sargento-ajudante Segundo-marinheiro
Tenente-coronel Primeiro-sargento Soldado Guarda-marinha Primeiro-sargento Grumete
Major Segundo-sargento Aspirante Segundo-sargento
Capitão Furriel Primeiro-subsargento
Tenente Segundo-Furriel Segundo-subsargento
Alferes
Aspirante

Referências[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Categoria no Commons
  1. Ligações Institucionais do Governo de Timor-Leste
  2. Jane's Sentinel Security Assessment - Southeast Asia. Issue 20 – 2007. Page 116
  3. a b Paul Kelly & Patrick Walters. "Back for good", The Australian, 2006-05-27.
  4. AFP. "Mais soldados do Timor-Leste desertam: oficial (artigo em inglês)", Australian Broadcasting Corporation, 2006-02-28.
  5. "Disputa entre as forças de defesa põe o Timor-Leste em crise. (em inglês)", Australian Broadcasting Corporation – ABC, 25 de maio de 2006.
  6. "9 unarmed police shot dead in Díli, UN confirms", Bloomberg Corporation, 26 de maio de 2006.
  7. "East Timor on violent course", The Australian, 2006-05-06.
  8. Ball (2002). Pages 179–180.
  9. Rees (2004). Pages 28–29.
  10. Wainwright (2002). Page 34.
  11. Rees (2004). Page 29.
  12. Lowry (2006), page 4 and Rees (2004), pages 29–31.
  13. Jane's Sentinel Security Assessment - Southeast Asia. Issue 20 – 2007. Pages 146 and 152.
  14. International Crisis Group (2008). Page 15.
  15. Times Online, 12-2-2008, East Timor's lesson: building a nation takes time
  16. Stephen Saunders: „Jane's Fighting Ships 2007–2008“, Vol. 110, Coulsdon 2007
  17. Gouvernment of Timor-Leste: Ceremony for the Delivery of New Patrols Vessels, Jaco Class, to the F-FDTL Naval Force
  18. Tempo Semanal: Chinese navy Trains F-FDTL Navy on Chinese built Patrol Boats

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Timor-Leste

Ligações externas[editar | editar código-fonte]