Formações de albedo clássicas em Marte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marte, visto por um pequeno telescópio, exibindo os padrões de cores conhecidos como formações de albedo.

As formações de albedo clássicas de Marte são as regiões claras e escuras em Marte que podem ser avistadas através de um telescópio baseado na Terra. Antes da era das sondas espaciais, vários astrônomos elaboraram mapas de Marte nos quais eles deram nomes às formações que eram visíveis. O sistema de nomenclatura mais popular foi definido por Giovanni Schiaparelli, que utilizou nomes inspirados na antiguidade clássica. Atualmente, o maior conhecimento sobre Marte possibilitado pelas sondas espaciais tornou vários nomes clássicos obsoletos para fins cartográficos; no entanto, alguns dos nomes antigos continuam sendo utilizados para descrever formações geográficas no planeta.

História[editar | editar código-fonte]

Mapa de Marte de Richard A. Proctor, que dá nomes de astrônomos às formações de albedo.

Os astrônomos telescópicos pioneiros, observando Marte a partir de uma grande distância através de instrumentos primitivos (apesar de avançados para a época), encontravam-se limitados ao estudo dos contrastes de albedo na superfície do planeta. Estes contrastes de albedo raramente correspondiam a formações topográficas, e em muitos casos, as escondiam. As origens dos contrastes de albedo eram um mistério. As manchas brancas nos polos foram corretamente interpretadas como sendo constituídas de uma substância congelada, seja água ou dióxido de carbono, mas a natureza das manchas escuras que se sobrepunham à superfície avermelhada de Marte permaneceu incerta por séculos. Quando Giovanni Schiaparelli iniciou suas observações de Marte em 1877, ele supôs que as formações escuras fossem mares, lagos, e pântanos, e deu a elas seu nome correspondente em latim (mare, lacus, palus, etc.). Em poucas décadas, porém, a maioria dos astrônomos já concordava que Marte não possuía grandes corpos de água superficial. Alguns acreditavam que as formações escuras fossem indicativas de uma vegetação marciana, tendo em vistas que estas variavam em forma e intensidade no curso do ano marciano. Sabe-se agora que as manchas escuras são regiões em que o vento soprou a poeira superficial, deixando à mostra uma superfície rochosa, mais escura; suas delimitações variam em resposta às tempestades de vento na superfície que carregam a poeira, alargando ou estreitando as formações.

O primeiro astrônomo a dar nomes às formações de albedo e Marte foi Richard A. Proctor, que criou um mapa em 1867, baseado em parte nas observações de William Rutter Dawes, no qual várias formações receberam nomes de astrônomos envolvidos no mapeamento de Marte; em alguns casos, alguns nomes foram utilizados em várias formações geológicas. Ele foi seguido por Giovanni Schiaparelli, cujas observações diferiam das de Proctor, e utilizou-se dessas diferenças para justificar uma revisão completa de um novo esquema de nomenclatura em latim, inspirada nos mitos e na história da antiguidade clássica, em paralelo com outras fontes. A nomenclatura de Proctor competiu com a de Schiaparelli por várias décadas, e foram utilizadas em alguns dos notáveis mapas desenhados por Camille Flammarion em 1876 e Nathaniel Green em 1877. A nomenclatura de Proctor é atualmente considerada completamente obsoleta. Em 1958, a União Astronômica Internacional criou uma lista oficial de formações de albedo de Marte, incluindo vários, mas não todos os nomes utilizados por Schiaparelli.[1]

Antigo mapa de Giovanni Schiaparelli.

O advento das sondas espaciais revolucionou o entendimento científico de Marte, e algumas das formações de albedo clássicas se tornaram obsoletas, na medida em que se verificava que elas não correspondiam claramente com as imagens detalhadas fornecidas pelas sondas espaciais. Porém, muitos dos nomes utilizados em formações topográficas em Marte ainda são baseados na nomenclatura clássica da localidade da formação; como por exemplo, a formação de albedo 'Ascraeus Lacus' empresta o nome para o vulcão Ascraeus Mons.

Além disto, como a maioria dos telescópios amadores baseados na Terra não é potente o bastante para definir as formações topográficas de Marte, os astrônomos amadores ainda utilizam vários termos da antiga nomenclatura para se orientar e registrar suas observações.

Nomes comuns de formações de albedo[editar | editar código-fonte]

Várias palavras em latim listadas abaixo são substantivos comuns. Essas palavras vem geralmente, mas nem sempre, após o nome, mas são normalmente ignoradas na ordem alfabética seguinte:

  • Campi (ˈkæmpaɪ) - campos
  • Cherso (ˈkɛrsoʊ) - península
  • Cornu (ˈkɒrnjuː) - chifre, península
  • Depressio (dɨˈprɛʃioʊ) - depressão
  • Fastigium (fæsˈtɪdʒiəm) - pico
  • Fons (ˈfɒnz) – fonte
  • Fretum (ˈfriːtəm) – estreito
  • Insula (ˈɪnsjʊlə) – ilha
  • Lacus (ˈleɪkəs) - lago
  • Lucus (ˈljuːkəs) - bosque
  • Mare (ˈmɑriː, ˈmɛəriː) – mar
  • Nix (ˈnɪks) – neve
  • Palus (ˈpeɪləs) - marisma
  • Pons (ˈpɒnz) – ponte
  • Promontorium (ˌprɒmənˈtɔəriəm) – cabo
  • Regio (ˈriːdʒioʊ) - região
  • Silva (ˈsɪlvə) – mata, selva
  • Sinus (ˈsaɪnəs) – baía

Lista de formações de albedo[editar | editar código-fonte]

Os "canais" marcianos também observados por Schiaparelli não são listados aqui, a relação dos canais pode ser vista em Anexo:Lista de canais de Marte.

A[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado Nome(s) moderno(s)
Abalos ˈæbəlɒs Uma ilha que não existe mais no Mar do Norte, a leste de Heligoland Abalos Colles, Abalos Mensa, Abalos Scopuli, Abalos Undae
Achæorum Portus ˌækiːˈɔərəm ˈpɔrtəs "Abra dos Aqueus" Obsoleto
Acherusia Palus ˌækɨˈruːʒiə ˈpeɪləs "Marisma de Aquerusia", dos pântanos lendários da mitologia grega Obsoleto
Achillis Pons əˈkɪlɨs ˈpɒnz "Ponte de Aquiles" Obsoleto
Mare Acidalium ˈmɛəriː ˌæsɨˈdeɪliəm "Mar de Acidalia", da fonte de Acidalia onde as Graças se banharam Acidalia Colles, Acidalia Mensa, Acidalia Planitia
Æolis ˈiːəlɨs Uma modificação de Aeolia, o nome das ilhas flutuantes ocidentais de Aiolos, o senhor dos ventos Aeolis Mensae, Aeolis Planum
Aëria eɪˈɪəriə De um nome poético para o Egito Aeria, formação de albedo reconhecida pela UAI
Ætheria ɨˈθɪəriə – a terra dos vivos, referida pela Eneida de Virgílio Aetheria, formação de albedo reconhecida pela UAI
Æthiopis ɨˈθaɪəpɨs Terra dos etíopes Aethiopis, formação de albedo reconhecida pela UAI
Aganippe Fons ˌæɡəˈnɪpiː ˈfɒnz Da "fonte de Aganipe", lendário lar de uma náiade grega Aganippe Fossa
Alcyonia ˌælsiːˈoʊniə Terra dos guarda-rios. Obsoleto
Amazonis əˈmæzənɨs "Terra das Amazonas", lendárias mulheres guerreiras Amazonis Mensa, Amazonis Planitia, Amazonis Sulci
Amenthes əˈmɛnθiːz Nome alternativo para Tuat, a terra dos mortos no Egito Amenthes Cavi, Amenthes Fossae, Amenthes Planum, Amenthes Rupes
Ammonium əˈmoʊniəm Antigo nome do Oásis de Siuá Obsoleto
Mare Amphitrites ˈmɛəriː ˌæmfɨˈtraɪtiːz "Mar de Amfitrite", uma deusa dos mares grega Amphitrites Patera
Lucus Angitiæ ˈljuːkəs ænˈdʒɪʃɪiː "Bosque de Angitia", em referência à deusa serpente Obsoleto
Depressiones Aoniæ dɨˌprɛʃiːˈoʊniːz eɪˈoʊniːi "Depressão das Musas", que vieram de Helicon em Aônia Obsoleto
Aonius Sinus eɪˈoʊniəs ˈsaɪnəs "Baía das Musas" Aonia Planum, Aonia Terra
Aponi Fons ˈæpənaɪ ˈfɒnz Nome romano de Albano Terme, banhos termais próximas a Pádua Obsoleto
Aquæ Apollinares ˈeɪkwiː əˌpɒlɨˈnɛəriːz "Águas de Apollo"; nome romano para os banhos de Albano Terme em Canale Monterano, Toscana Obsoleto
Aquæ Calidæ ˈeɪkwiː ˈkælɨdiː "Fontes termais" Obsoleto
Aquarii Depressio əˈkwɛəri.aɪ dɨˈprɛʃi.oʊ "Depressões de Aquário" Obsoleto
Arabia əˈreɪbiə Península Arábica Arabia Terra
Arachoti Fons ˌærəˈkoʊtaɪ ˈfɒnz "Fonte de Arachotus", um rio no Afeganistão Obsoleto
Aram ˈɛərəm Aram, a terra bíblica dos arameus Aram Chaos
Arcadia ɑrˈkeɪdiə De Arcádia, uma região do Peloponeso central Arcadia Dorsa, Arcadia Chaos
Arduenna ˌɑrdjuːˈɛnə Nome latino para as florestas de Ardenas Obsoleto
Arethusa Fons ˌærɨˈθjuːzə ˈfɒnz Fonte de "Aretusa ", em referência à ninfa grega Obsoleto
Ariadnes Depressio ˌæriˈædniːz dɨˈprɛʃioʊ " Depressão de Ariadne", uma heroína grega Ariadnes Colles
Argyre I ˈɑrdʒɨriː ˈpraɪmə "Primeira Terra da Prata", uma mítica ilha na mitologia grega Argyre Cavi, Argyre Planitia, Argyre Rupes
Argyre II ˈɑrdʒɨriː sɨˈkʌndə "Segunda Terra da Prata" (ver acima) Obsoleto
Argyroporos ˌɑrdʒɨˈrɒpərɒs "Estreito da Prata" Obsoleto
Aromatum Promontorium əˈrɒmətəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo das Especiarias Perfumadas" Aromatum Chaos
Arsia Silva ˈɑrʃiə ˈsɪlvə Arsia Silva, uma floresta a noroeste de Roma onde os tarquínios foram derrotados Arsia Chasmata, Arsia Mons, Arsia Sulci
Arsinoës Depressio ɑrˈsɪnoʊiːz dɨˈprɛʃioʊ Depressão de Arsínoe, o nome de várias figuras gregas e egípcias Arsinoes Chaos
Artynia Fons ɑrˈtɪniə fɒnz "Fonte de Artynia", se referindo ao Lago Artynia na Ásia Menor Artynia Catena
Aryn Promontorium ˈɛərɨn ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo de Aryn" Obsoleto
Fastigium Aryn fæsˈtɪdʒiəm ˈɛərɨn "Pico de Aryn" Obsoleto
Ascræus Lacus æsˈkriːəs ˈleɪkəs "Lago de Ascreu", uma paráfrase poética de "heliconiano" ou "rural" Ascraeus Chasmata, Ascraeus Mons, Ascraeus Sulci
Astræ Lacus ˈæstriː ˈleɪkəs "Lago dos Astras", deuses-astros gregos Obsoleto
Atalantes Depressio ætˈlæntiːz dɨˈprɛʃioʊ Depressão de Atalanta, uma deusa heroína Obsoleto
Nix Atlantica ˈnɪks ætˈlæntɨkə "Neves de Atlas", um Titã na mitologia grega Obsoleto
Atlantidum Sinus ætˈlæntɨdəm ˈsaɪnəs "Baía dos Atlantes" (logo a sul de Atlantis I e II, ver abaixo) Obsoleto
Atlantis I ætˈlæntɨs ˈpraɪmə "Primeira Atlantis", uma mítica terra submergida Atlantis Chaos
Atlantis II ætˈlæntɨs sɨˈkʌndə "Segunda Atlantis" (ver acima) Atlantis Chaos
Augila ˈɔːdʒɨlə Awjila, uma cidade em Cirenaica Obsoleto
Aurea Cherso ˈɔriə ˈkɛrsoʊ "Península Dourada", antigo nome da Península da Malásia Obsoleto
Aureum Cornu ˈɔriəm ˈkɔrnjuː "Chifre Dourado", angra dividindo Constantinopla Aureum Chaos
Auroræ Sinus ɒˈrɔəriː ˈsaɪnəs "Baía da Aurora" Aurorae Planum, Aurorae Chaos
Ausonia ɒˈzoʊniə De um nome poético da Itália Ausonia Cavus, Ausonia Mensa, Ausonia Montes
Mare Australe ˈmɛəriː ɒsˈtreɪliː "Mar do Sul" Chasma Australe, Australe Lingula, Australe Mensa, Australe Montes, Planum Australe, Australe Scopuli, Australe Sulci

B-E[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado
Baltia ˈbælʃiə Do nome para as regiões próximas ao Mar Báltico Baltia, formação de albedo reconhecida pela UAI
Bandusiæ Fons bænˈdjuːʒɪiː ˈfɒnz "Founte de Bandusia", título de um poema de Horácio Obsoleto
Bathys Portus ˈbeɪθɨs ˈpɔrtəs "Porto Profundo", o porto de Aulis na Beócia Bathys Planum, modificado para Icaria Planum
Benacus Lacus bɨˈneɪkəs ˈleɪkəs "Lago de Benacus" (o Lago de Garda, no norte da Itália) Obsoleto
Biblis Fons ˈbɪblɨs ˈfɒnz "Fonte de Biblis", um poço cariano próximo a Mileto Biblis Patera, Biblis Tholus
Bosporium Promontorium bɒsˈpɔəriəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo do Bósforo"
Bosporus/Bosphorus Gemmatus ˈbɒspərəs / ˈbɒsfərəs dʒɨˈmeɪtəs " Bósforo adornado" Bosporos Planum, Bosporus Regio, Bosporos Rupes
Brangæna brænˈdʒiːnə Obsoleto
Castalia Fons kæsˈteɪliə fɒnz
Cebrenia sɨˈbriːniə
Cecropia sɨˈkroʊpiə "Terra de Cécrope"
Ceraunius sɨˈrɔːniəs
Chalce ˈkælsiː
Charitum Promontorium ˈkærɨtəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo das Graças"
Chironis Fretum kaɪˈroʊnɨs ˈfriːtəm "Estreito de Quíron"
Mare Chronium ˈmɛəriː ˈkroʊniəm
Chryse ˈkraɪsiː Chryse era uma ilha rica em ouro no Extremo Oriente de Erythraeum
Chrysokeras krɨˈsɒkɨrəs O Corno de Ouro
Cimmeria Insula sɨˈmɪəriə ˈɪnsjʊlə "Ilha Cimeriana"
Mare Cimmerium ˈmɛəriː sɨˈmɪəriəm "Mar Cimeriano", em referência ao antigo povo marinheiro da Trácia.
Circaeum Promontorium sərˈsiːəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo de Circe"
Clepsydra Fons klɛpˈsaɪdrə ˈfɒnz "Fonte do relógio d’água", um poço na acrópole ateniense
Coracis Portus ˈkɒrəsɨs ˈpɔrtəs "Porto de Córax"
Cyane Fons ˈsaɪəniː ˈfɒnz "Fonte de Cyane", uma nascente na Sicília da qual o rio Cyane se originou, em referência a uma ninfa.
Cydonia saɪˈdoʊniə nome poético de Creta
Cynia Lacus
Danaïdum Depressio dəˈneɪədəm dɨˈprɛʃioʊ "Depressão das filhas de Dánao"
Daphne ˈdæfniː De Dafne ("loureiro"), uma ninfa persuadida por Apolo.
Deucalionis Regio ˌdjʊkeɪliːˈoʊnɨs ˈriːdʒioʊ "Região de Deucalião"
Dia ˈdaɪə Uma ilha a norte de Creta
Diacria daɪˈeɪkriə Uma região da Eubeia
Dioscuria ˌdaɪəsˈkjʊəriə "Terra dos Dioscuri"
Eden ˈiːdən Do Éden, o paraíso bíblico
Edom ˈiːdəm De Edom, um antigo reino no norte da Jordânia
Edom Promontorium ˈidəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo de Edom"
Electris ɨˈlɛktrɨs A principal ilha das "Electrides", ditas produtoras de âmbar.
Elysium ɨˈlɪʒiəm Dos Campos Elísios, a terra dos heróis mortos para os gregos
Eridania ˌɛrɨˈdeɪniə Terra do Rio Erídano
Mare Erythræum ˈmɛəriː ˌɛrɨˈθriːəm "Mar Vermelho"

F-L[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado
Famæ Depressio ˈfeɪmiː dɨˈprɛʃioʊ "Depressão da Fama"
Ferentinæ Lucus ˌfɛrɨnˈtaɪniː ˈljuːkəs "Bosque de Ferentina"
Lucus Feronia "Bosque das Bestas Selvagens"
Flevo Lacus ˈfliːvoʊ ˈleɪkəs
Gallinaria Silva ˌɡælɨˈnɛəriə ˈsɪlvə
Mare Hadriaticum ˈmɛəriː ˌheɪdriːˈætɨkəm "Mar Adriático" Aka Hadriaticum Mare
Hammonis Cornu həˈmoʊnɨs ˈkɔrnjuː "Corno dos Amonitas"
Hellas ˈhɛləs "Grécia"
Heræum Promontorium hɨˈriːəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo de Hera"
Hercynia Silva hɜrˈsɪniə ˈsɪlvə Floresta hernícia
Herculis Columnæ ˈhɜrkjʊlɨs kɒˈlʌmni "Pilares de Hércules"
Herculis Pons ˈhɜrkjʊlɨs ˈpɒnz "Ponte de Hércules"
Hesperia hɛsˈpɪəriə "Terra da Aurora"
Hesperidum Lacus hɛsˈpɛrɨdəm ˈleɪkəs "Lago dos Hespérides
Hibe ˈhaɪbiː
Hippocrene Fons ˌhɪpəˈkriːniː ˈfɒnz "Fonte de Hipocrene", próxima ao Monte Helicon
Hipponitis Palus
Horarum Promontorium hɒˈrɛərəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo das Horas"
Hypelaus ˌhɪpɨˈliːəs Uma fonte em Éfeso.
Iapygia ˌaɪəˈpɪdʒiə Salento na Itália, ou Japygia
Icaria aɪˈkɛəriə
Mare Icarium ˈmɛəriː aɪˈkɛəriəm
Ierne aɪ.ˈɜrniː Um nome para a Irlanda
Isidis Regio ˈɪsɨdɨs ˈriːdʒioʊ "Região de Ísis"
Ismenius Lacus ɨzˈmiːniəs ˈleɪkəs ou Lacus Ismenius
Jani Fretum ˈdʒeɪnaɪ ˈfriːtəm "Estreito de Jano"
Juventæ Fons dʒʊˈvɛntiː ˈfɒnz "Fonte da Juventude", ou Fons Juventæ
Labeatis Lacus leɪbiːˈeɪtɨs ˈleɪkəs Lago dos Labeatos, um povo da Ilíria
Lausonius Lacus
Lemuria lɨˈmjʊəriə De Lemúria, uma ilha submergida fictícia no Oceano Pacífico ou Índico
Lerne ˈlɜrniː
Libya ˈlɪbiə "Líbia"
Lucrinus Lacus O Lago Lucrino na Itália Romana
Lunæ Lacus ˈljuːniː ˈleɪkəs "Lago da Lua", ouLacus Lunæ

M-N[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado
Mæisia Silva
Mapharitis
Mareotis ˌmæriːˈoʊtɨs "Terra de Mareota", no Baixo Egito
Margaritifer Sinus ˌmarɡəˈrɪtɨfər ˈsaɪnəs "Baía das Pérolas"
Lucus Maricæ ˈljuːkəs məˈraɪsiː "Marisma de Maríca", uma ninfa do Lácio.
Memnonia mɛmˈnoʊniə "Terra de Memnon"
Meroë Insula ˈmɛroʊ.iː ˈɪnsjʊlə "Ilha de Meroé"
Messeis Fons
Lacus Mœris ˈleɪkəs ˈmɪərɨs Lago Moeris, um lago no Fayum egípcio
Mons Argenteus ˈmɒnz ɑrˈdʒɛntiəs "Montanha de prata"
Neith Regio ˈniːθ ˈriːdʒioʊ "Região de Neith"
Nepheles Depressio ˈnɛfɨliːz dɨˈprɛʃioʊ "Depressão das nuvens"
Nereïdum Promontorium nɨˈriː.ɨdəm ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo das Nereidas
Nerigos ˈnɛrɨɡɒs Nome de um país fictício, supostamente localizado próximo ou nos limites da Escandinávia.
Nessonis Lacus
Niliacus Lacus nɨˈlaɪəkəs ˈleɪkəs "Lago do Nilo"
Nitriæ ˈnaɪtrɪ.iː
Nix Atlantica ˈnɪks ætˈlæntɨkə "Neve Atântica"
Nix Olympica ˈnɪks ɒˈlɪmpɨkə "Neve Olímpica"
Noachis ˈnoʊ.əkɨs "Terra de Noé"
Nodus Gordii ˈnoʊdəs ˈɡɔrdiaɪ "Nó górdio"
Noti Sinus ˈnoʊtaɪ ˈsaɪnəs "Baía de Notus"
Novissima Thyle nɵˈvɪsɨmə ˈθaɪli "A mais nova Thule"
Nuba Lacus ˈnjuːbə ˈleɪkəs

O-S[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado
Mare Oceanidum ˈmɛəriː ˌoʊʃiːˈænɨdəm "Mar dos Oceânides"
Octantis Depressio ɒkˈtæntɨs dɨˈprɛʃioʊ "Depressão dos Octans"
Œnotria ɨˈnoʊtriə
Ogygis Regio ˈɒdʒɨdʒɨs ˈriːdʒioʊ "Região deOgiges"
Ophir ˈoʊfər De Ofir, uma terra ourífera bíblica
Ortygia ɔrˈtɪdʒiə
Oxia Palus ˈɒkʃiə ˈpeɪləs
Palicorum Lacus ˌpælɨˈkɔərəm ˈleɪkəs
Palinuri Fretum ˌpælɨˈnjʊəraɪ ˈfriːtəm "Estreito de Palinuro"
Palinuri Sinus ˌpælɨˈnjʊraɪ ˈsaɪnəs "Baía de Palinuro"
Pallas Lacus ˌpæləs ˈleɪkəs
Panchaia pænˈkeɪə Do nome de uma ilha supostamente localizada no sul da Arábia
Phaëthontis ˌfeɪ.ɨˈθɒntɨs "Terra de Faetonte"
Phlegra ˈfliːɡrə De um distrito da Macedônia
Campi Phlegræi ˈkæmpaɪ flɨˈɡriːaɪ "Campos de Flegra"
Phœnicis Lacus fɨˈnaɪsɨs ˈleɪkəs "Lago de Fênix" ou Lacus Phœnicis
Phrixi Regio ˈfrɪksaɪ ˈriːdʒioʊ "Região de Frixo"
Piscis Depressio ˈpaɪsɨs dɨˈprɛʃioʊ "Depressão do peixe"
Depressio Pontica dɨˈprɛʃi.oʊ ˈpɒntɨkə "Depressão de Ponto"
Promethei Sinus prɵˈmiːθi.aɪ ˈsaɪnəs "Baía de Prometeu"
Propontis prɵˈpɒntɨs De um nome antigo do Mar de Mármara
Protei Regio ˈproʊti.aɪ ˈriːdʒi.oʊ "Região de Proteu"
Pyrrhæ Regio ˈpɪri ˈriːdʒioʊ "Região de Pirra"
Sinus Sabæus ˈsaɪnəs səˈbiːəs "Baía de Sabá", ou Sabaeus Sinus
Scandia ˈskændiə De um nome para Skåne ou Escandinávia
Scheria Insula ˈskɪəriə ˈɪnsjʊlə "Ilha de Esquéria"
Semiramidis Lacus ˌsɛmɨˈræmɨdɨs ˈleɪkəs "Lago de Semíramis"
Serapium
Simoëntis Sinus ˌsɪmoʊˈɛntɨs ˈsaɪnəs "Baía de Simois"
Sirbonis Lacus
Mare Sirenum ˈmɛəriː saɪˈriːnəm "Mar das sereias"
Socratis Promontorium ˈsɒkrətɨs ˌprɒmənˈtɔəriəm "Cabo de Sócrates"
Solis Fons ˈsoʊlɨs ˈfɒnz "Fonte do Sol"
Solis Lacus ˈsoʊlɨs ˈleɪkəs "Lago do Sol"
Syrtis Major ˈsɜrtɨs ˈmeɪdʒər Baía da Líbia, hoje Golfo de Sidra
Syrtis Minor ˈsɜrtɨs ˈmaɪnər ou Syrtis Parva

T-Z[editar | editar código-fonte]

Nome Pronúncia Significado
Tempe ˈtɛmpiː
Tharsis ˈθɑrsɨs "Társis" (Tartessos)
Thaumasia θɔːˈmeɪʒə "Terra das maravilhas"
Thyle I ˈθaɪliː ˈpraɪmə "Primeira Thule"
Thyle II ˈθaɪliː sɨˈkʌndə "Segunda Thule"
Thyles Collis ˈθaɪliːz ˈkɒlɨs "Colina de Thule"
Thyles Mons ˈθaɪliːz ˈmɒnz "Montanha de Thule"
Thymiamata ˌθɪmiˈæmətə "Incensos"
Tiphys Fretum ˈtaɪfɨs ˈfriːtəm
Titanum Sinus taɪˈteɪnəm ˈsaɪnəs "Baía do Titãs"
Tithonius Lacus tɨˈθoʊniəs ˈleɪkəs
Trinythios
Trivii Fons ˈtrɪvi.aɪ ˈfɒnz "Fonte das encruzilhadas" (leste de Trivium Charontis)
Trivium Charontis ˈtrɪviəm kəˈrɒntɨs "Encruzilhada de Caronte"
Mare Tyrrhenum ˈmɛəriː tɨˈriːnəm "Mar Tirreno"
Uchronia jʊˈkroʊniə "em tempo algum"
Ulyxis Fretum jʊˈlɪksɨs ˈfriːtəm "Estreito de Ulisses"
Utopia jʊˈtoʊpiə "Lugar nenhum, Utopia"
Vulcani Pelagus vʌlˈkeɪnaɪ ˈpɛləɡəs "Mar de Vulcano"
Xanthi Sinus ˈzænθaɪ ˈsaɪnəs "Baía dos Santos"
Xisuthri Regio zɨˈsuːθraɪ ˈriːdʒi.oʊ "Região de Ziusudra"
Yaonis Regio ˈjeɪ.ənɨs ˈriːdʒi.oʊ "Região do imperador Yao"
Zephyria zɨˈfɪriə "Terra do Vento Oeste (Zéfiro)"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. United States Geological Survey Astrogeology Program, "Mars Nomenclature: Albedo Feature", Gazeteer of Planetary Nomenclature.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • The Origins of Martian Nomenclature, T. L. MacDonald, 1971.
  • The Planet Mars: A History of Observation and Discovery, William Sheehan.
  • (em inglês)Programa de Astrogeologia da USGS – Nomenclatura marciana