Formas Únicas de Continuidade no Espaço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Formas Únicas de Continuidade no Espaço, 1913

Formas Únicas de Continuidade no Espaço é uma célebre escultura futurista do artista da avant-garde italiana Umberto Boccioni. A versão original é em gesso, havendo fundições póstumas em bronze, em alguns museus do mundo. Possui 111,2 cm de altura por 88,5 cm de comprimento e 40 cm de largura. O original está em São Paulo, no Museu de Arte Contemporânea da USP. Há cinco fundições posteriores em bronze, uma também no MAC-USP e as demais dispersas em museus de Nova York, Londres e Los Angeles.

Com esta escultura Boccioni tentou, muito para além da impressão de movimento, explorar a noção de velocidade e de força na escultura, pretendendo atribuir valores lumínicos à superfície esculpida. A escultura ultrapassa os limites corpórios do ser-humano, sendo que se assemelha a uma bandeira a esvoaçar com o vento. Parece que o corpo que ali se representa serpenteia, lutando contra uma força invisível. Embora o resultado (físico) seja um retrato a três dimensões, o corpo em movimento introduz uma quarta dimensão, o tempo. Na sua "luta" contra essa força invisível, o corpo vai-se deslocando, deixando para trás pedaços de si.

O gesso original feito em 1913 foi adquirido por Ciccillo Matarazzo em 1952, junto com o gesso original de outra célebre escultura de Boccioni, Desenvolvimento de uma garrafa no espaço. Ambas foram doadas por Ciccillo ao MAC-USP em 1963. Quatro exemplares foram fundidos em bronze a partir do gesso original, após a morte do artista. Um encontra-se no MoMA (1931) e outro no Metropolitan Museum of Art (1942), ambos em Nova York. O terceiro foi fundido em 1960, e também se encontra na coleção do MAC-USP. O quarto e último foi fundido pelo MAC a pedido da Tate Gallery, e trocado em permuta por uma escultura de Henry Moore, encontrando-se em Londres desde 1972. Uma outra versão foi fundida em 1972, mas não a partir do gesso original, e sim da versão de 1942 do Metropolitan. Encontra-se no Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles.

A peça em gesso é uma das poucas peças originais feitas pelo artista que se safaram da destruição ocorrida em uma exposição póstuma realizadas na Itália. As circunstâncias da destruição das outras peças permanecem obscuras.

Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Ver também[editar | editar código-fonte]