Formiga-cortadeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde maio de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Como ler uma caixa taxonómicaFormiga cortadeira
Operárias de formiga cortadeira forrageando

Operárias de formiga cortadeira forrageando
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: coreoptera
Ordem: Hymenoptera
Família: Formicidae
Subfamília: Myrmicinae
Tribo: Attini
Gêneros

Acromyrmex

Atta

As formigas cortadeiras são insetos eusociais encontrados exclusivamente nas regiões tropicais e subtropicais das Américas. Estas extraordinárias formigas desenvolveram um avançado sistema agrícola baseado num mutualismo: elas se alimentam de um fungo específico (da Família Lepiotaceae, Basidiomycota), que cresce nas câmaras subterrâneas de seus ninhos. As formigas cultivam ativamente seu fungo, fornecendo fragmentos vegetais frescos e controlando organismos indesejados, como outros tipos de fungos (competidores). Segundo alguns autores, quando as formigas trazem acidentalmente folhas tóxicas ao fungo mutualista, este secreta uma substância química que serve de aviso para quê as formigas não coletem mais este vegetal.

As formigas cortadeiras compreendem 2 gêneros; Atta e Acromyrmex; com um total de cerca de 40 espécies, alguns dos quais são sérias pragas agrícolas. Algumas espécies de Atta, por exemplo, são capazes de desfolhar uma laranjeira inteira em menos de 24 horas.[Nível trófico-consumidores de 1ºordem]

No Brasil, as formigas do gênero Atta são conhecidas popularmente como saúvas e as Acromyrmex como quenquéns.

Existem duas maneiras simples de diferenciar Atta de Acromyrmex. A primeira coisa que você deve olhar é o número de espinhos no dorso do tórax da operária. Se existirem 3 pares de espinhos, então trata-se de formiga cortadeira do gênero Atta, enquanto que se o número de pares de espinhos for 4, então, trata-se de formiga do gênero Acromyrmex. A segunda maneira de diferenciar é observar o gáster ("abdômem") da operária. A superfície do gáster de Acromyrmex são repletos de tubérculos ("pequenas protuberâncias"), enquanto que Atta tem gáster liso.

Dependendo da espécie, a população de um ninho adulto pode conter até vários milhões de formigas (exemplos: Atta laevigata, Atta texana, Atta sexdens), sendo que a maioria destas são operárias fêmeas estéreis. Elas são divididas em diferentes castas, principalmente pelo tamanho, exercendo diferentes funções. As maiores operárias (largura da cabeça > 3 mm) são soldados, cuja principal tarefa é defender o ninho de invasores, mas podem participar de outras tarefas como carregar ou cortar objetos maiores. Em Atta laevigata, os maiores soldados podem ter um comprimento corporal de até 16 mm e largura de cabeça de 7 mm! Operárias com largura de cabeça em torno de 2 mm são as forrageiras, que cortam as folhas e levam-nas até o ninho. Um pouco menores são as operárias generalistas, que realizam diversas tarefas como limpar e preparar os fragmentos vegetais para o cultivo do fungo, cuidar das larvas, limpar a colônia, e, junto com as forrageiras, ajudar os soldados na defesa da colônia. As menores operárias (largura da cabeça < 1mm), são as jardineiras, que implantam e cuidam da cultura de fungo.

Os ninhos adultos de Atta são verdadeiras maravilhas de engenharia, com centenas ou milhares de câmaras subterrâneas distribuídas em até, por exemplo, 6 ou 8 metros de profundidade (depende da espécie de formiga e do solo). Externamente, o monte principal de terra pode ter até 2 metros de altura e os montes secundários (menores) podem estar espalhados a vários metros do principal. Alguns autores sugerem que a arquitetura interna e externa do ninho é construído de tal forma que o vento entre na colônia, com a finalidade de quê o gás carbônico gerado pela respiração das fomigas e do fungo, seja dispersado; bem como para repor o oxigênio consumido. O crescimento do fungo mutualista seria influenciado pela concentração destes gases.

As colônias de formigas cortadeiras, assim como as cidades humanas, produzem grandes quantidades de lixo. Para prevenir que doenças (das formigas) ou pragas da cultura do fungo mutualista, se espalhem pela colônia, as formigas desenvolveram um dos mais avançados sistemas de manejo de lixo da natureza. Rejeitos do cultivo do fungo e indivíduos mortos são separados e carregados por operárias especializadas (só fazem estas tarefas). Estes rejeitos são depositados em câmaras específicas para lixo, aonde vivem operárias especializadas em revirar estes rejeitos (provavelmente para acelerar a decomposição). Desta forma, a especilização de operárias no manejo de lixo e o isolamento do lixo em câmaras especializadas, servem para manter a colônia saudável. Na espécie Atta colombica, diferentemente das demais, o lixo é depositado em pilhas externas (ao ar livre), a alguns metros da colônia, mas o manejo do lixo é similar.