Massada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Fortaleza de Massada)
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Massada *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Israel-2013-Aerial 21-Masada.jpg
Parque nacional de Massada
País Israel
Critérios (iii) (iv) (vi)
Referência 1040
Coordenadas 31º18'49"N 35º21'10"E
Histórico de inscrição
Inscrição 2001  (25ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Massada, que, provavelmente, significa "lugar seguro" ou "fortaleza", é um imponente planalto escarpado, situado no litoral sudoeste do Mar Morto. O local é uma fortaleza natural, com penhascos íngremes e terreno acidentado. Na parte leste, a face do penhasco se eleva 400 metros acima da planície circundante. O acesso só é possível através de uma difícil trilha que serpenteia pela montanha.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A primitiva ocupação do local era de uma fortaleza da Judéia. O rei Herodes, o Grande, aproveitou as características do local, naturalmente inexpugnável, para construir, na sua extremidade ocidental, um palácio, reforçando e ampliando a antiga fortaleza. De acordo com Flávio Josefo:

"Neste topo da colina, Jônatas, o grande sacerdote, construiu uma fortaleza que denominou Massada: depois disso a reconstrução do local foi realizada em grande parte pelo rei Herodes." (A Guerra dos Judeus, Livro VII, capítulo VIII)

O cerco e queda de Massada[editar | editar código-fonte]

Masada, Israel: uma das salas na fortaleza.

Após a destruição do Segundo Templo pelos romanos no ano 70, rebeldes Zelotas fugiram de Jerusalém para Massada.[1] Os romanos então construíram uma enorme rampa pelo lado oeste do platô e destruíram a muralha.[1] De acordo com o historiador Flávio Josefo, os rebeldes cometerem suicídio em massa para não serem capturados.[1]

A única fonte histórica para o episódio é a obra do judeu romanizado Flavius Josephus, "Guerra dos Judeus". Entretanto, os historiadores modernos concordam que realmente um grupo de Zelotas matou a si e às próprias famílias e incendiou algumas construções em Massada.

Quando os zelotas tomaram a fortaleza em 66, após eliminar uma coorte da Legio III Gallica ali estacionada, encontraram um bem sortido estoque de armas, bem como quantidade de ferro, bronze e chumbo para o fabrico de armas e munição. Os armazéns estavam completos com grãos, óleos, tâmaras e vinho; as hortas forneciam alimentos frescos; os canais, escavados na pedra de calcário, coletavam e conduziam as águas pluviais para grandes cisternas subterrâneas, com capacidade superior a 200 mil galões.

Na Primavera de 73, a fortaleza encontrava-se ocupada por 960 zelotas, incluindo mulheres e crianças, sob o comando de Eleazar ben Yair. Outro comandante zelota, um dos envolvidos na defesa de Jerusalém, era Judas, que havia retirado para Massada após a queda de Jerusalém. A guarnição vinha resistindo por dois anos a um assédio das legiões romanas, constituindo-se no último foco de resistência judaica.

Nesse momento, o governador romano, general Flavius Silva, reassumiu as operações militares no sul da Judéia. Em fim de março, à frente da Legio X Fretensis[nota 1] , marchou de Jerusalém para o Mar Morto.

As tropas tomaram posição diante de Massada, passando a construir oito acampamentos de campanha na planície do lado Oeste da elevação.[nota 2] Foi principada ainda uma muralha de circunvalação ao redor de Massada, com cerca de três metros de altura, que se estendia por mais de duas milhas de comprimento, amparada por fortes e torres[nota 3]

No lado Oeste, 137 metros abaixo do topo de Massada, e separado por um vale rochoso, havia um promontório chamado de Penhasco Branco. Os engenheiros militares romanos decidiram que, a partir desse promontório, seria construída uma única rampa para o topo do monte, iniciando-se a movimentação de terras.

A rampa assim construída, apresentava um gradiente de 1:3 e uma base de 210 metros. Em pouco tempo alvançou os 100 metros de altura e, em sua extremidade foi montada uma plataforma de 22 metros de altura por 22 de largura. Em seguida, uma torre de cerco de 28 metros de altura foi posicionada contra a muralha. Do seu alto, os artilheiros romanos faziam disparos com os escorpiões e balistas, enquanto que na sua base, um aríete golpeava a base da muralha.

Quando a muralha foi rompida, os legionários que penetraram pela brecha constataram a existência de uma segunda muralha, interna. Ao atacá-la, por sua vez, com o aríete, constatou-se que esta fora construída com vigas de madeira alternadas com pedra, técnica que absorvia os golpes de aríete. Desse modo, a 2 de Maio, promoveu-se o incêndio desta muralha, iniciando-se os preparativos para o assalto final no dia seguinte.

Enquanto isso, na fortaleza, os zelotas acompanhavam os preparativos romanos, constatando a iminência do assalto romano. Durante a noite, decidiram que preferiam morrer a ser escravizados ou mortos pelos romanos. Sacrificaram assim as mulheres e crianças, e depois os próprios defensores, até que restaram apenas dez e o comandante Eleazar ben Yair. Tiraram sortes para ver qual deles sacrificaria os demais. Após cumprir a sua tarefa, o último homem ateou fogo ao palácio, e lançou-se sobre a própria espada, ao lado da família morta.

Na manhã do dia 3 de Maio, os legionários ultrapassaram a brecha aberta na muralha interna, encontrando a fortaleza em silêncio. Chamando os rebeldes à luta, apresentou-se uma anciã seguida por uma mulher jovem, parente de Eleazar, e cinco crianças pequenas, que haviam se escondido em um dos condutos de água subterrâneos.

Estava encerrada assim a Primeira Revolta dos Judeus.

Do século V aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Casa-de-banhos em Massada.

No sítio de Massada foi erguida uma igreja ortodoxa no séculos V e VI. Depois disso, o local permaneceu em estado de abandono até à criação do Estado de Israel, após a Segunda Guerra Mundial.

O sítio foi objeto de uma extensa campanha arqueológica, entre os anos de 1963 e 1965, coordenada por Ygal Yadin, com a colaboração de centenas de voluntários provenientes não apenas de Israel, mas de todo o mundo.

Actualmente encontra-se aberto à visitação pública, com acesso pelo lado Sul, a partir da estrada de Bersheva. No local há estacionamento para veículos e um teleférico para acesso ao alto do monte. Para os mais aptos, a subida é gratuita pelo antigo "Caminho da Cobra", a primitiva trilha que percorre a encosta.

Características[editar | editar código-fonte]

Massada é um monte rochoso, de topo achatado, que se eleva a cerca de 520 metros acima do Mar Morto, a cerca de dois quilômetros e meio de sua margem ocidental. Esse topo apresenta uma forma ovalada, com cerca de 200 metros de comprimento por 60 metros de largura.

O cume era alcançado por apenas dois caminhos: o do lado oriental, era denominado de "Caminho da Cobra"", tinha uma extensão de cerca de seis quilómetros e meio e era tão estreito que quem o percoria tinha de colocar exatamente um pé à frente do outro; o outro, no lado ocidental, era guarnecido por um forte, a 450 metros de altura, no topo.

O conjunto edificado é composto por um complexo de muralhas e palácio em estilo clássico, erguido por Herodes, o Grande (37 a.C.4 a.C.). Os acampamentos, fortificações e rampa para ataques que circundam o monumento constituem, em nossos dias, o mais completo conjunto-testemunho de cerco romano.

  1. "Leg XF" conforme Josepho.
  2. Os vestígios de suas muralhas e arruamentos podem ser vistos atualmente, estimando-se acomodações para cerca de 15 mil homens, entre legionários, auxiliares, seguidores de acampamento e prisioneiros judeus escravizados.
  3. Os restos dessa estrutura também chegaram até aos nossos dias, embora, com os séculos, a sua altura esteja reduzida à metade.

Referências

  1. a b c The Weirdo Cult That Saved the Bible (em inglês). Slate (17 de janeiro de 2008). Página visitada em 19 de julho de 2011. "Two iconic sites stand along the western shore of the Dead Sea, Qumran and the ancient fortress of Masada, where we stop first. After the Romans destroyed the Second Temple in A.D. 70, Zealot rebels fled from Jerusalem down to Masada, a mountain palace overlooking the Dead Sea built by Herod the Great. [...] Masada was and is an incredibly daunting place, built on a plateau that rises 400 meters straight up from the seashore. [...] The Romans besieged the 900 rebels, building a huge ramp up the west side of the plateau [...] and eventually breaching the wall. It is here that Masada entered Jewish lore: According to the historian Josephus, the rebels committed mass suicide rather than be taken by the Romans."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Massada