Forte Coimbra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
BandeiradeCorumbá.jpg Forte Coimbra  
—  Distrito de Corumbá  —
19° 92' 03" S 57° 79' 49" O{{#coordinates:}}: latitude inválida
Localização Zona rural
População (2010)
 - Total 671[1]
 - Masculina 479[1]
 - Feminina 192[1]
Outras informações
Domicílios 224[1]
Rendimento R$ 935,49[1]
Fuso horário GMT −4 (UTC−4)
Fuso horário Brasília −1
Código postal 79.300-000
Código telefônico 67

Forte Coimbra é um distrito localizado no município de Corumbá, no estado de Mato Grosso do Sul, a cerca de 100 km da sede do município.

O distrito deve o seu nome ao forte colonial, erguido pela Engenharia Militar portuguesa em 1775, e que teve parte ativa em diversos momentos, na defesa da raia lindeira no rio Paraguai. Foi construído para defender o território brasileiro contra invasões espanholas e foi palco para batalhas na Guerra do Paraguai quando de acordo com lendas o milagre de Nossa Senhora do Carmo reverenciada pelo exército brasileiro, evitou que o local fosse dominado por forças inimigas.

Generalidades[editar | editar código-fonte]

Sendo um dos 6 distritos oficiais de Corumbá, tem uma população total de 671 habitantes (sendo 479 homens e 192 mulheres)[1] , o que totaliza pouco mais de 0,6% da população total do município. Com 224 domicílios, o distrito possui rendimento médio de R$ 935,49 reais[1] .

A sua população é formada por diversas etnias vindas de vários lugares e o acesso se dá por apenas por embarcação fluvial ou por avião, uma vez que não há estrada asfaltada até ali. Além do próprio forte, outra atração turística da região é o chamado Buraco do Inferno, uma gruta com estalactites e estalagmites. Tombado em 1975 por Sphan, atualmente funciona como 3ª Companhia de Fronteira da 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira do Exército.

História[editar | editar código-fonte]

Em meados do século XV o oeste brasileiro pertencia originalmente aos espanhóis conforme acordo feito entre Portugal e Espanha através do Tratado de Tordesilhas. Em consequência dessa fato, os espanhóis foram os primeiros exploradores e povoadores europeus na região. A primeira expedição a aportar na região foi a de Aleixo Garcia na região do Rio Miranda com o Paraguai no ano de 1524. Nessa época o Pantanal era povoado por tribos indígenas, especialmente Guarani. E a melhor opção para os espanhóis para adentrar o Pantanal através da região do Prata (Argentina e Paraguai) era pelo Rio Paraguai. Os Bandeirantes acessaram a região pelo caminho mais tortuoso, que foi atravessar planaltos a partir de São Paulo, atravéz dos rios Tietê e Paraná e afluentes do rio Paraguai, já em fins do século XVI.

Até meados do século XVII, os espanhóis da região do pratina uniram forças com os indios para impedir a invasão e expansão dos bandeirantes luso-brasileiros para o oeste. A partir de 1775, a Coroa Portuguesa ordenou que se construisse fortificações militares em alguns pontos do rio Paraguai, e o Forte Coimbra foi o primeiro a ser erguido. A partir dessa época, fins do séc. XVIII e também durante a Guerra do Paraguai (1864 a 1870), o Forte Coimbra foi fundamental nas batalhas que foram travadas ao longo dos tempos tendo como pano de fundo as paisagens tranquilas do Pantanal.

Na atualidade o Forte é administrado pelo Exército, que decidiu pela visitação turística. Nos últimos tempos, os turistas tem sido cada vez mais comuns. Tem como atrações: visita à parte alta do Forte com vistas panorâmicas do rio Paraguai e ao lado de antigos canhões, passeio à vila de moradores e Visita à gruta Buraco do Suturno.

Referências

  1. a b c d e f g Sidra. Corumbá IBGE. Visitado em 9 de dezembro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Corumbá é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.