Forte de Copacabana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu Histórico do Exército e Forte Copacabana
Mhexfc.gif
Brasão
País  Brasil
Corporação Exército Brasileiro
Subordinação Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército
Sigla MHEx/FC
Criação 1914
Comando
Comandante Coronel Jefferson Lages dos Santos
Sede
Sede Rio de Janeiro -  Rio de Janeiro
Bairro Copacabana
Endereço Av Atlântica Posto 6
Forte de Copacabana
Forte e praia de Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil.
Brazilian States.PNG
Construção Afonso Pena (1908)
Conservação Bom
Aberto ao público Y

O Forte de Copacabana localiza-se na ponta de Copacabana, ao final da praia e bairro de mesmo nome, na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.

Oficialmente denominado como Museu Histórico do Exército / Forte de Copacabana (MHEx/FC), computa atualmente um fluxo de cerca de dez mil visitantes por mês, constituindo-se em um dos mais belos cartões-postais da cidade. O turista pode escolher entre a visita restrita (apenas às áreas externas) e a completa (incluindo o interior do forte e o Museu histórico-militar).

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O projeto para construção de uma fortificação na ponta da Igrejinha (Igreja de Nossa Senhora de Copacabana), ao final da então praia de Sacopenapã, remonta à época da transferência da capital do Brasil, do Salvador para o Rio de Janeiro (1763). Sob o governo do Vice-rei D. Luís de Almeida Portugal (1769-1779), foram iniciadas obras para esse fim, em 1776, na iminência de uma invasão espanhola que se materializou no ano seguinte (1777) contra a Colônia do Sacramento e a ilha de Santa Catarina, no sul do Brasil. Talvez por essa razão, as obras desse pequeno forte jamais foram concluídas.

À época da transferência da corte portuguesa para o Brasil (1808-1821), D. João VI determinou para o local o projeto de um novo forte, que principiado em data ignorada, somente foi artilhado em 1823, na conjuntura da Guerra da Independência do Brasil, quando se receava um ataque da Armada Portuguesa à capital da nação recém-emancipada. Posteriormente, à época do Período regencial brasileiro, juntamente com as demais fortificações do país, foi desarmado em 1834.

À época do Segundo Reinado, no contexto da Questão Christie, encontra-se relacionado entre as defesas do setor Sul (Fortificações de Copacabana) no Mapa das Fortificações e Fortins do Município Neutro e Província do Rio de Janeiro de 1863, no Arquivo Nacional (CASADEI, 1994/1995:70-71).

No período republicano, quando da Revolta da Armada, a antiga posição voltou a ser artilhada em 1893, embora fosse patente a sua incapacidade para impedir a saída das belonaves da Armada pela barra da baía de Guanabara. Alguns anos mais tarde, um contencioso diplomático com a República Argentina, em função de demarcação de fronteiras - a Questão de Palmas -, levou a que o Estado Maior do Exército encomendasse o projeto de uma nova fortificação para o local. O encarregado foi o Major Engenheiro Augusto Tasso Fragoso, que esboçou uma moderna fortificação, dotada de seis canhões de longo alcance. Tendo a questão chegado a bom termo por arbitramento à época (1895), o projeto da nova fortificação foi engavetado.

Em 1902 jaziam abandonadas no local, quase soterradas pela areia, sete peças remanescentes da sua antiga artilharia (Museu Histórico Forte de Copacabana).

A fortificação definitiva do local só viria a se materializar quando o Marechal Hermes da Fonseca (1855-1923) ocupou a pasta de Ministro da Guerra no governo do Presidente Afonso Pena (1906-1909) (BARRETTO, 1958:244).

A construção do forte[editar | editar código-fonte]

Diante da evolução dos meios bélicos navais na passagem do século XIX para o XX, tornou-se imperioso, no Brasil, posicionar canhões de longo alcance que evitassem a aproximação de belonaves que pudessem ameaçar a então capital do país. O ponto escolhido foi a ponta da Igrejinha, na extremidade da praia de Copacabana.

Para esse fim, foi apresentado projeto pelo então Major Tasso Fragoso, que previa originalmente a instalação de obuseiros. Entretanto, o fornecedor do equipamento, a Krupp, convenceu o então presidente da República brasileira, Marechal Hermes da Fonseca, de que seria mais adequado instalar no local canhões de tiro rápido e longo alcance, o que foi aceite.

Em 16 de dezembro de 1907, o então Major Luís Eugênio Franco Filho, adjunto da Direção de Engenharia, foi nomeado para dirigir a construção do forte, de acordo com o projeto adaptado, tendo como auxiliares o Capitão Cornélio Otto Kuhn, o 1º Tenente Wolmer Augusto da Silveira e o 2º Tenente Julião Freire Esteves. O Major Wolff, da Krupp, também contribuiu, de modo decisivo, para a adaptação do novo projeto.

Nomeada a Comissão, foi preparado o orçamento pelo Capitão Otto Kuhn, que apresentava duas cifras totais: uma, considerando a isenção de direitos aduaneiros para o material importado do estrangeiro no valor de 2.516:721$568 réis, e outra, desconsiderando tal isenção, no valor de 2.946:951$408 réis.

A Comissão iniciou os trabalhos demarcando no terreno uma linha que servisse de diretriz, e traçando os eixos para referência das coordenadas dos pontos principais da obra, demarcando o perímetro da fortificação e assinalando os locais das cúpulas e torres. Passou, em seguida, à escolha do local para lançamento da pedra fundamental. Esta foi submetida à aprovação do General de Brigada Modestino Augusto de Assis Martins, então Diretor de Engenharia, que ratificou o cruzamento da galeria central com o corredor existente entre as futuras cúpulas de l90 e 305 milímetros.

As obras da Fortaleza na Ponta da Igrejinha em Copacabana foram iniciadas em 5 de janeiro de 1908, sob a coordenação do Major Arnaldo Pais de Andrade, na presença dos então presidente da República, Afonso Pena, e do Ministro da Guerra, marechal Hermes da Fonseca. As peças vieram desmontadas da Alemanha, em cinco mil caixotes, transportadas por navios e desembarcadas num cais especialmente construído para esse fim no local, onde os seus restos podem ser vistos até hoje.

A obra foi inaugurada como Forte de Copacabana em 28 de setembro de 1914, ao custo de 2.946:951$408 réis (GARRIDO, 1940:124), pelo então presidente da República, marechal Hermes da Fonseca. Classificado como de 1ª Classe pelo Aviso nº 1.761 de 29 de setembro de 1914, foi considerado, à época, a mais moderna praça de guerra da América do Sul e um marco para a engenharia militar de seu tempo. O seu primeiro comandante, nomeado em 1912, ainda durante a construção, foi o Major Antônio Carlos Brasil.

Após a inauguração do forte, em 1919 foi adquirido à Mitra o terreno adjacente, e demolida a igrejinha que remontava à primeira metade do século XVIII, para dar lugar ao Quartel de Paz, concluído em outubro de 1920 (BARRETTO, 1958:245-246). O Pórtico de entrada à Praça Coronel Eugênio Franco, assim como a entrada da Praça de Armas, foram projeto de Wolmer da Silveira, erguidos de 1918 a 1920. O Pórtico primitivamente possuía alojamento para a guarda, banheiros e pequena reserva para munição e armamento. Na fachada, centrada encontra-se a sua designação à época: "Forte de Copabana"; pelo lado oposto (interior da fortaleza), a inscrição latina "SI VIS PACEM PARA BELLUM" ("Se queres a paz, prepara-te para a guerra") (Flávio Vegécio, Epitoma Rei Militaris, 390). Os antigos portões de ferro hoje não mais existem.

Evolução histórica[editar | editar código-fonte]

Forte de Copacabana: Membros da guarnição em 1922.
"Marcha da morte": fotografia de Zenóbio da Costa publicada em O Malho. Em primeiro plano, da esquerda para a direita: Eduardo Gomes, Mário Carpenter, Newton Prado, o civil Otávio Correia e o soldado Pedro Ferreira de Melo.
Forte de Copacabana: Portão de Armas (acesso externo).‎
Forte de Copacabana: Portão interno.‎
Forte de Copacabana: vista aérea das cúpulas dos canhões.
Forte de Copacabana: cúpula da Bateria de 190mm.
Forte de Copacabana: Câmara de tiro da segunda bateria.

O forte foi guarnecido sucessivamente pelas seguintes unidades (BARRETTO, 1958:246-247):

  • 6ª Bateria de Artilharia Independente de Posição (1912-17)
  • 5ª Bateria do 2º Batalhão de Artilharia de Posição (1917)
  • 12ª Bateria do 4º Grupo de Artilharia de Costa (1917-19)
  • 1ª Bateria Isolada de Artilharia de Costa (1919-31)
  • 1ª Bateria do 6º Grupo de Artilharia de Costa (1931-34)
  • 3º Grupo de Artilharia de Costa (3º GACos) (1934-1958)

No campo da instrução militar, foi sede da primeira Escola de Fogo a partir de 1935, bem como também foi pioneiro no Brasil em exercícios de levantamento de rota com o apoio de holofotes, a partir de 1937.

Foi palco de acontecimentos importantes da História do Brasil, como o levante dos "Dezoito do Forte" (de 2 a 6 de julho de 1922), tendo os revoltosos disparado sofre o Forte do Leme e outras fortalezas, e sofrido o bombardeio da Fortaleza de Santa Cruz.

Nele esteve detido o presidente da República deposto, Washington Luís, de 24 de outubro a 8 de novembro de 1930 (GARRIDO, 1940:125), assim como ao Prefeito do então Distrito Federal, Antônio Prado Júnior, tendo ambos dali partido rumo ao exílio na Europa.

No contexto da Segunda Guerra Mundial o forte manteve-se de prontidão.

Os últimos disparos de sua artilharia foram dados por ordem dos militares legalistas sob o comando do marechal Teixeira Lott, contra o Cruzador Tamandaré, que forçara a barra na Novembrada (11 de novembro de 1955), transportando Carlos Luz, alguns ministros e aliados rumo a Santos. Na ocasião foram feitos doze disparos durante vinte minutos, sem, no entanto, atingir a embarcação, que estava desarmada e com apenas uma hélice em funcionamento.

A guarnição do forte não aderiu ao movimento militar de 1964, tendo sido tomado por uma força de terra enviada pelo coronel César Montagna, quando teve lugar o chamado "episódio da bofetada", em que aquele oficial derrubou o sentinela do portão do forte com um golpe de mão, invadindo e tomando o forte sem o recurso às armas. Nos anos seguintes, durante o regime militar, serviu como presídio político.

Com a extinção das Baterias de Artilharia de Costa, o então Ministro do Exército, general de Exército Leônidas Pires Gonçalves, determinou que, a partir de 4 de maio de 1987 fosse criado o Museu Histórico do Exército nas instalações do forte de Copacabana (Portaria nº 61, de 19 de dezembro de 1986). Transformado em Espaço Cultural, nele destacam-se a exposição permanente, ao ar livre, na Alameda Octávio Correia, de peças de Artilharia de Costa dos séculos XIX e XX, o Museu Histórico do Exército (exposição permanente "O Exército na formação da nacionalidade" com peças dos períodos colonial, imperial e republicano), a biblioteca e o "Café do Forte", filial da tradicional Confeitaria Colombo (aberta até às 20h). O Museu conta ainda com espaços para exposições temporárias e uma loja de conveniência (onde podem ser adquiridas lembranças do museu e da cidade), e um Auditório (Auditório Santa Bárbara). As visitas, guiadas, têm lugar de 3ª feira a domingo, das 10 às 16 horas, com acesso pela Praça Coronel Eugênio Franco. O interior do forte é cortado pela ciclovia Marechal Rondon.

Em 2013, o Exército Brasileiro alugou a praia exclusiva do Forte de Copacabana por R$300 mil para a construção de um "Beach Club" com Heliponto, Banheira de Hidromassagem e DJs, sendo cobrado de R$60,00 a R$200 de entrada.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Ocupando uma área total de 114.169 m², com 40.000 m² de área construída, a edificação, em forma de casamata abobadada com paredes externas de 12 metros de espessura, empregou 2.239 operários civis, e é dotada de usina elétrica com dois grupos geradores a diesel fabricados pela empresa AEG, de Berlim (iluminação, operação das peças, ventilação), câmaras de tiro, depósitos de víveres e munição, refeitório, cozinha, alojamentos e sala de curativos/farmácia. A sua artilharia é constituída por quatro cúpulas móveis encouraçadas, com canhões Krupp:

  • uma com dois canhões de 305 mm (Cúpula "Duque de Caxias", tubos "Barroso" e "Osório", com alcance máximo de 23 km);
  • uma com dois canhões de 190 mm (Cúpula "André Vidal", com alcance máximo de 18 km)

ambas girando 360°, e ainda

  • duas com um canhão de 75 mm cada (Torre "Antônio João" a N, e Torre "Ricardo Franco" a S, com alcance máximo de 7 km), girando 180°, mais
  • uma bateria de holofotes projetores para visão noturna.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O grupo gerador do forte fornecia energia elétrica ao bairro de Copacabana;

Os tiros da artilharia do Forte eram anunciados pelo toque de uma sirene, para que os moradores das vizinhanças pudessem abrir as janelas de suas casas, para que as vidraças não quebrassem.

  • Alguns soldados da atual guarnição, envergam o uniforme histórico da época da inauguração, em 1914.
  • O museu preserva em acervo itens curiosos, como uma mecha dos cabelos de Napoleão Bonaparte e fragmentos da bandeira do Brasil, portados pelos revoltosos de 1922.
  • Eduardo Gomes, um dos sobreviventes da revolta de 1922, teve a genitália atingida por um tiro. Posteriormente, fez da bala que o castrou um chaveiro (porta-chaves).
  • Um monumento em bronze em homenagem a Siqueira Campos, de autoria de H. Bertazoni com baixos relevos de José Rangel e I. Paraná foi inaugurado em 1936. Constitui-se em uma herma sobre um pedestal revestido em granito, atrás da qual, numa placa de mármore está afixado um alto relevo, também em bronze.
  • Durante muito tempo, no espaço do Museu reservado à Força Expedicionária Brasileira, o destaque foi a figura da oficial Major-enfermeira Elza Cansanção Medeiros.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • CASADEI, Thalita de Oliveira. Paraty e a Questão Christie - 1863. RIHGRJ. Rio de Janeiro: 1994/1995. p. 68-71.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • PINTO, Odorico Pires. Da Igrejinha ao Forte de Copacabana. Rio de Janeiro, 1959.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: tomo XLVIII, parte II, 1885. p. 5-140.
  • vv.aa. Museu Histórico do Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: Art Técnica Comunicação, 2009. 200p. il. color.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Forte de Copacabana

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. G1. Praia de Copacabana terá clube fechado com vista para o mar. Visitado em 12/01/2012.