Fototerapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A fototerapia é um dos diversos recursos da Fisioterapia no tratamento e cura de diversas patologias, como a psoríase e a icterícia. A fototerapia consiste em uma série de tratamentos à base de processos fotoquímicos que não queimam ou provocam danos à superfície da pele. Na fototerapia, o paciente é tratado através de determinados comprimentos de onda, gerados por equipamentos como lasers, diodos emissores de luz (LED) e lâmpadas fluorescentes, os quais estimulam ou mesmo inibem certas atividades das células, favorecendo o rejuvenescimento e recuperação tecidual.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Há registro de tratamento de vitiligo através da exposição ao sol pelos hindus, sendo um dos recursos mais antigos da medicina, junto à hidroterapia e à eletroterapia.

Em 1903 Niels Finsen ganhou o prêmio Nobel por tratar com sucesso a tuberculose cutânea (antigamente conhecida como lupus vulgar)com luz de arco de carbono.

Indicações[editar | editar código-fonte]

Além dessas, muitas outras patologias respondem de forma positiva ao tratamento por fototerapia.

Referências

  1. Diffey BL (1980). "Ultraviolet radiation physics and the skin". Phys. Med. Biol. 25 (3): 405–426. doi:10.1088/0031-9155/25/3/001
  2. Adauwiyah J, Suraiya HH (2010). "A retrospective study of narrowband-UVB phototherapy for treatment of vitiligo in Malaysian patients." Med J Malaysia. Dec;65(4):297-9.
  3. Newman TB, Kuzniewicz MW, Liljestrand P, Wi S, McCulloch C, Escobar GJ (May 2009). "Numbers needed to treat with phototherapy according to American Academy of Pediatrics guidelines". Pediatrics 123 (5): 1352–9. doi:10.1542/peds.2008-1635