Francisco Canaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco Canaro

Francisco Canaro, de seu nome verdadeiro Francisco Canarozzo também conhecido por "Pirincho" Canaro (San José de Mayo, 26 de novembro de 1888Buenos Aires, 14 de dezembro de 1964) foi um violinista uruguaio e líder de orquestra de tango.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Seus pais foram Francisco Canaro, emigrante italiano e Rafaela Gatto, de cujo matrimônio nasceram dez filhos. Com os seus irmãos Rafael e Juan começaram desde muito cedo a trabalhar para poderem superar as dificuldades econômicas da família.

Desde pequeno sentia uma inclinação especial para a música, e tinha uma boa voz, tanto que, nos grupos corais do seu bairro ele era um grande solista. Porém, despertou a sua vocação musical, quando juntamente com um vizinho, sapateiro de profissão "Don Chicho" que tocava guitarra, lhe começou a ensinar os primeiros acordes musicais. Com dedicação e empenho Francisco aprendeu todos os tons de guitarra e em pouco tempo começou a poder acompanhar os amigos do bairro que tocavam bandolim e violino. Ganhou tão grande prática que começou a ser chamado para tocar serenatas e em bailes familiares, onde era proibido tocar tango.

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Em 1906, estreou-se com o seu conjunto típico composto de bandolim, violino e guitarra, numa aldeia perto de Buenos Aires. Este trio era composto de Francisco Canaro no violino, Martín Arrevillaga no bandolim e Rodolfo Duclós na guitarra.

Em 1910, integrou-se no Grupo de Vicente Greco. Logo formou um novo trio com o bandoneonista Pedro Polista e o pianista José Martinez. Com o passar do tempo este trio foi a base da sua primeira orquestra "Pirincho" e juntou-se Rafael Rinaldi como segundo violino e Leopoldo Thompson em contrabaixo.

As orquestras[editar | editar código-fonte]

Em 1915, Canaro começou a gravar. O seu nome era um dos mais importantes do gênero. Nessa época formou três orquestras e pôs os seus irmãos à frente de cada uma delas, mas sob o seu controle.

Em 1917, associou-se a Roberto Firpo para atuar no Teatro Colón de Rosário, Santa Fé.

Em 1925, fez a sua primeira viagem à Europa, e atuou com extraordinário sucesso em Paris. Desde então multiplicaram-se as atuações e estenderam-se aos Estados Unidos da América e Japão.

Comédias musicais e cinema[editar | editar código-fonte]

Francisco Canaro foi também o impulsionador das comédias musicais com o poeta Ivo Pelay.

Mesmo assim, continuou a sua carreira diversificada e tornou-se produtor de cinema. Este foi o seu ponto forte.

Em 1940 naturalizou-se argentino, segundo ele, em gratidão a tudo o que a Argentina lhe tinha dado.

Como compositor, Canaro deixou mais de trezentas obras das quais se destaca: "Nueve puntos", "Sentimento gaúcho", "El halcón negro", "El polito", "La ultima copa", "Madressilva" e "tiempos viejos" entre outros.

Francisco Canaro morreu em 14 de dezembro de 1964 em Buenos Aires.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1] Biografia do Francisco Canaro (espanhol) Todo Tango
  • [2] Biografia do Francisco Canaro (inglês) Todo Tango
  • [3] Discografia do Francisco Canaro (espanhol)
  • [4] Discografia do Francisco Canaro (inglês)
  • [5] Francisco Canaro - tracks, statistics tango.info
  • [6] Francisco Canaro na Internet Movie Database (IMDb) (inglês)