Francisco II, Duque da Bretanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nantes - cathédrale - tombeau de François II.jpg

Francisco II (em bretão: Frañsez II; em francês: François II) (23 de junho de 14359 de setembro de 1488) foi duque da Bretanha de 1458 até sua morte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Ricardo, conde de Étampes, e de Margarida de Orleães. Pelo lado paterno, era neto do duque João V da Bretanha. Pelo lado materno, era neto de Luís, duque de Orleães, e bisneto do rei Carlos V da França.

Em 1458, sucedeu seu tio Artur III como duque da Bretanha. Foi um soberano à frente de seu tempo: gostava de literatura, pintura e escultura; fundou escolas e universidades; estimulava o comércio e fez com que artistas e tapeceiros flamengos se estabelecessem na capital do ducado, Nantes, onde suas tapeçarias logo se tornaram populares.

Durante a minoridade de Carlos VIII da França, Francisco II se aliou ao Duque de Orleães e ao Conde de Angoulême contra a regência de Ana de Beaujeu. Entretanto, ao intervir na política de sua vizinha França, ele negligenciou seu próprio domínio. As ações corruptas e opressoras de seu primeiro-ministro, Pierre Landais, causaram grande revolta, a qual foi apoiada por Ana e Carlos, que ansiavam se vingar de Francisco II. Sem o auxílio de seus tradicionais aliados, os ingleses, que estavam envolvidos com a Guerra das Rosas, Francisco viu seu ducado devastado e Landais enforcado pelo povo enfurecido no que ficou conhecido como a Guerra Louca (Le Guerre Folle). Mesmo sem Landais no poder, os bretões permaneceram desconfiados de seu soberano. Todavia, em 1486, os Estados da Bretanha confirmaram a filha de Francisco, Ana, como sucessora no governo, para assegurar a independência da França.

O tratado de Chateubriant, assinado em 1487 com a França, reafirmou a independência da Bretanha, mas a França continuou a estorvar o ducado. Francisco então aliou-se a Maximiliano I, rei dos romanos, contra a França; contudo, a Bretanha foi derrotada na Batalha de Saint-Aubin-du-Cormier e Francisco foi obrigado a assinar concordar com a Paz de Verger. Sob os termos do tratado, o duque foi compelido a submeter a si e a seu ducado como vassalo do Rei da França.

Francisco morreu no ano seguinte, devido às consequências de uma queda de seu cavalo, no Castelo de Couëron, para onde se retirara com sua família fugindo da peste, que assolava Nantes. Depois de sua morte, Carlos VIII invadiu a Bretanha e forçou a herdeira Ana a casar-se com ele, ganhando assim o controle sobre o ducado.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Francisco casou duas vezes. Em 15 de novembro de 1455, em Vannes, desposou a prima Margarida da Bretanha, e eles tiveram um filho, mas este faleceu ao primeiro mês de vida:

O casamento foi infeliz e Francisco mantinha um relacionamento amoroso com Antonieta de Maignelais, outrora amante de Carlos VII da França, com quem teve dois filhos:

Em 1469, Margarida da Bretanha morreu de tuberculose.

Em 27 de junho de 1471, em Clisson, Francisco se casou com Margarida de Foix, princesa de Navarra, e eles tiveram duas filhas:

Margarida morreu dois anos antes de seu esposo.

Precedido por
Artur III
Brasão de Francisco II da Bretanha
Duque da Bretanha

1458 - 1488
Sucedido por
Ana I
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.