Francisco Fernandes Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco José Fernandes Costa.

Francisco José de Meneses Fernandes Costa (Foz de Arouce, Lousã, 19 de abril de 1857Figueira da Foz, 19 de julho de 1925) foi um jurista e político do período da Primeira República Portuguesa.

Foi membro do Partido Republicano Português, tendo acompanhado as sucessivas dissidências e recomposições partidárias que deram origem ao Partido Evolucionista, ao Partido Liberal Republicano e ao Partido Republicano Nacionalista nos quais militou. Entre 1908 e 1911 foi o 1.º e único Grão-Mestre do Grande Oriente Português.[1]

Protagonizou um dos mais bizarros incidentes da Primeira República, bem demonstrativos da crónica instabilidade do tempo, quando tendo sido oficialmente nomeado para as funções de presidente do Ministério, a 15 de janeiro de 1920, foi obrigado a demitir-se no mesmo dia, sem tomar oficialmente posse, naquele que ficou conhecido como o "Governo dos Cinco Minutos".[2]

Foi governador civil do distrito de Coimbra em 1910,[3] ministro da Marinha e Colónias (1912–1913; 1915), ministro do Comércio (1921) e ministro da Agricultura (30 de agosto a 3 de setembro de 1921).[4]

Colaborou na revista Brasil-Portugal[5] (1899-1914)


Referências

  1. Dirigentes das Maçonarias Portuguesas Grémio Fenix.
  2. Francisco Costa (político) Infopédia – Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Página visitada em 15 de outubro de 2012.
  3. http://www.uc.pt/auc/fundos/ficheiros/GCC
  4. Quadro geral dos governantes de 1817 ao fim da I República Centro de Estudos do Pensamento Político do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa.
  5. Rita Correia (29 de Abril de 2009). Ficha histórica: Brasil-Portugal : revista quinzenal illustrada (1899-1914). (pdf) Hemeroteca Municipal de Lisboa. Página visitada em 26 de Junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Celestino de Almeida
Ministro da Marinha
(1.ª vez)
19121913
(IV Governo Republicano)
Sucedido por
José de Freitas Ribeiro
Precedido por
António Vicente Ferreira
Ministro das Finanças
(interino)
1912
(IV Governo Republicano)
Sucedido por
António Vicente Ferreira
Precedido por
Aurélio da Costa Ferreira
(de facto)
Joaquim Cerveira de Albuquerque
(interino)
Ministro do Fomento
(interino)
1912
(IV Governo Republicano)
Sucedido por
Joaquim Cerveira de Albuquerque
(interino)
Aurélio da Costa Ferreira
(de facto)
Precedido por
José Xavier de Brito
(de facto)
Junta Constitucional composta por:
José Norton de Matos
António Maria da Silva
José de Freitas Ribeiro
Alfredo de Sá Cardoso
Álvaro de Castro

(interina)
Ministro da Marinha
(2.ª vez)
1915
(X Governo Republicano)
Sucedido por
José de Castro
(interino)
Precedido por
José de Castro
(interino)
Ministro da Marinha
(2.ª vez cont.)
1915
(X Governo Republicano)
Sucedido por
José de Castro
(inicialmente interino)
Precedido por
António Maria da Silva
Ministro do Fomento
19161917
(XIII Governo Republicano)
Sucedido por
Herculano Galhardo
(como ministro do Comércio)
Precedido por
Alfredo de Sá Cardoso
Presidente do Ministério de Portugal
(não empossado)
1920
(XXII Governo Republicano)
Sucedido por
Alfredo de Sá Cardoso
(reconduzido)
Precedido por
António Maria da Silva
Ministro das Finanças
(não empossado)
1920
(XXII Governo Republicano)
Sucedido por
António Maria da Silva
(reconduzido)
Precedido por
João de Melo Barreto
Ministro dos Negócios Estrangeiros
(interino; não empossado)
1920
(XXII Governo Republicano)
Sucedido por
João de Melo Barreto
(reconduzido)
Precedido por
António Granjo
Ministro do Comércio (XXX)
Ministro do Comércio e Comunicações (XXXI)
1921
(XXX e XXXI Governo Republicano)
Sucedido por
António Curson
Precedido por
Manuel de Sousa da Câmara
Ministro da Agricultura
(interino)
1921
(XXXI Governo Republicano)
Sucedido por
António Aboim Inglês


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.