Frederick Forsyth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Setembro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Frederick Forsyth, CBE (Ashford, 25 de agosto de 1938) é um escritor inglês.

Educado na Tondridge School, e depois na Universidade de Granada, na Espanha, aos 19 anos, começou a servir a RAF (Royal Air Force) como um dos mais jovens pilotos, tendo servido até 1958. Depois começou a trabalhar no Eastern Daily Press como repórter. Em 1961, se tornou correspondente da Reuters em Paris. Trabalhou também na Alemanha Oriental e na Tchecoslováquia, países onde obteve muitas informações que seriam, posteriormente, publicadas em seus livros. Retornando a Londres em 1965, trabalhou como repórter de rádio e televisão na BBC, o que lhe proporcionou a oportunidade de conhecer a fundo os grandes dramas da política internacional. Essa experiência no jornalismo o ensinou a ser minucioso e preocupado com as verdades históricas. Como correspondente diplomático assistente, cobriu o lado biafrense da guerra entre a Nigéria e Biafra de julho a setembro de 1967, e isto forneceu a ele conhecimento de política internacional, especialmente sobre o mundo dos soldados mercenários. Foi este trabalho e a pesquisa relacionada que interessaram a ele como verdade histórica. Em 1968, deixou a BBC para retornar para Biafra e cobriu a guerra, primeiro como freelance e depois para o Daily Express e para a revista Time.

Em 1970, após nove anos de intensa carreira jornalística, Forsyth teve a idéia de escrever um livro onde poria à prova os métodos de investigação de sua atividade como repórter. Escolheu um tema romanesco e de certo modo misterioso: as tentativas da extrema direita francesa de assassinar o General Charles De Gaulle, presenciadas por Forsyth em 1962 em Paris. Nasceria assim o primeiro de sua longa lista de sucessos: O Dia do Chacal.

A lista de thrillers que escreveu após o grande sucesso deste livro o tornou um best-seller internacionalmente reconhecido. Especializou-se em romances envolvendo espionagem e política internacional. Com O Fantasma de Manhattan, flertou com romances de suspense, mas o resultado foi decepcionante para seus antigos leitores. Estão entre seus grandes livros os romances A Alternativa do Diabo, Dossiê Odessa e O Quarto Protocolo,

Frederick Forsyth fala francês, alemão e espanhol fluentes, e tem viajado por toda a Europa, Oriente Médio e África, e estas experiências podem ser vistas na autenticidade dos seus livros.

Obras[editar | editar código-fonte]

Esta é uma lista de livros publicados por Frederick Forsyth.

Título Original em inglês Lançamento ISBN
A História de Biafra (o nascimento de um mito africano) The Biafra Story: The Making of an African Legend 1969 ISBN
O Dia do Chacal The day of the jackal 1971 ISBN
O Dossiê Odessa The Odessa file 1972 ISBN
Cães de Guerra The dogs of war 1974 ISBN
O pastor The shepherd 1975 ISBN
A alternativa do diabo The devil's alternative 1979 ISBN
Sem perdão No comebacks 1982 ISBN
O quarto protocolo The fourth protocol 1984 ISBN 8511520333
O negociador The negotiator 1989 ISBN
O manipulador The deceiver 1991 ISBN
O punho de Deus The fist of God 1994 ISBN
Ícone Icon 1996 ISBN
O Fantasma de Manhatan The phantom of Manhattan 1999 ISBN
O veterano The veteran 2001 ISBN
O vingador Avenger 2003 ISBN
O afegão The afghan 2006 ISBN
O cobra The Cobra 2010 ISBN
A lista The kill list 2014 ISBN
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.