Fresno (banda)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Fresno
Informação geral
Origem Porto Alegre, Rio Grande do Sul
País  Brasil
Gênero(s) Pop rock, emocore[1] , pop punk, shoegazing, hardcore melódico, rock alternativo, rock industrial[2]
Período em atividade 1999 - atualmente
Gravadora(s) Universal Music Group
Influência(s) Anberlin, Emery, Copeland, Underoath, The Get Up Kids, Dashboard Confessional, Muse, Mineral, Radiohead, 30 Seconds To Mars
Integrantes Lucas Silveira (guitarra, e voz)
Gustavo Mantovani (guitarra)
Mário Camelo (teclado)
Thiago Guerra (bateria)
Ex-integrantes Lezo
Nego
Cuper (Pedro Cupertino)
Rodrigo Tavares
Bell Ruschel

Fresno é uma banda de rock, surgida em Porto Alegre no ano de 1999. É formada pelo cearense Lucas Silveira (vocal e guitarra), pelo gaúcho Gustavo Mantovani (guitarra) e pelos pernambucanos Mário Camelo (teclado) e Thiago Guerra (bateria).[3] [4] Atualmente, os integrantes da banda estão radicados em São Paulo. Em 2006, para substituir o baixista 'Lezo', Rodrigo Tavares foi convidado a entrar na banda. Em 2008, o baterista Rodrigo Ruschel, também conhecido como "Bell", substituiu Cuper. Em 2012, o tecladista Mario Camelo, que está com a banda desde 2010, foi efetivado na Fresno. A banda foi um quinteto por pouco tempo, pois dias depois o baixista Rodrigo Tavares saiu para dar total atenção a seu projeto solo, Esteban. A banda optou por não substituir o antigo baixista. Em agosto de 2013, a banda anunciou a troca do baterista Bell Ruschel por Thiago Guerra.

As composições da banda tratam basicamente de desilusões amorosas e sentimentos em sua fase inicial, tendo com o álbum Redenção algumas musicas voltadas para o pop. A partir de 2010, a banda começou uma nova fase. Com o lançamento do álbum Revanche e posteriormente o EP Cemitério das Boas Intenções a banda começa a ter gêneros como o hard rock e rock industrial como principais influências. Ocorre também as mudanças nos temas de suas músicas, falando mais sobre superações, realizações e assuntos sociais ao todo.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Anos iniciais (1999 - 2001)[editar | editar código-fonte]

Amigos de colégio, Lucas (guitarra), Gustavo (guitarra), Pedro (bateria) e Leandro (vocal) tiveram a ideia de montar uma banda em novembro de 1999, após uma animada reunião do Grêmio Estudantil, do qual os quatro faziam parte. A proposta inicial seria fazer versões punk de músicas consagradas, por pura diversão. No dia 4 de dezembro de 1999, houve na casa do Pedro o primeiro ensaio, e essa é tida como a data oficial da formação da banda.

Eles ensaiaram despretensiosamente por alguns meses, rapidamente deixando de lado a proposta inicial para tocar covers de sucessos da época. Em maio de 2000, convidaram Bruno, que também estudava junto, para ensaiar com a banda tocando baixo, só para que eles pudessem se apresentar no festival de bandas da escola, no mês seguinte. Foi nesse festival, no dia 16 de junho de 2000, que aconteceu o primeiro show da banda, com um repertório composto inteiramente de covers - quase todas de pop rock nacional. Depois do show, Bruno acabou decidindo permanecer na banda. A esta altura eles se chamavam Democratas, e começavam a surgir suas primeiras composições próprias, influenciadas principalmente pelo hardcore californiano. Essas canções se espalharam pela Internet em versões acústicas e logo começaram a chamar atenção.

Quarto dos Livros, O Rio, A Cidade, A Árvore e Ciano (2001 - 2006)[editar | editar código-fonte]

Em 2001, ao descobrirem que já havia uma banda nordestina chamada Democratas, os cinco rapazes decidiram mudar o nome. Após algum tempo de indecisão, se contentaram com "Fresno" - sugestão de Lucas, que achava graça na sonoridade da palavra. No final deste mesmo ano, eles gravaram sua primeira demo, O Acaso do Erro, com seis faixas. Foi durante as gravações desse EP que ocorreu a saída do vocalista Leandro da banda. Lucas, que sempre foi o principal compositor, assumiu os vocais, e desde então a Fresno é um quarteto.

Em 2003, a banda voltou para o estúdio e gravou o álbum independente Quarto dos Livros, com bastante influência de bandas emo de raiz, como The Get Up Kids. O álbum ganhou destaque com faixas como "Teu Semblante", "Desde Já" e "Stonehenge". O reconhecimento desse álbum no meio independente levou a banda a fazer turnês por diversos estados brasileiros, sem nenhum tipo de apoio da mídia tradicional.

No ano seguinte já saiu o segundo álbum, O Rio, A Cidade, A Árvore, mantendo as influências originais e adicionando novas, como Dashboard Confessional. Esse álbum consolidou ainda mais o respeito pela banda na cena musical alternativa do Brasil. A faixa "Onde Está" conquistou diversas paradas de sucesso, e foi com ela que a Fresno começou a despontar para o grande público.

Em 2006, a banda mostrou toda sua ambição ao lançar seu terceiro álbum, chamado Ciano. Com essas 14 faixas (11 inéditas e 3 regravações de Quarto dos Livros), os gaúchos elevaram seu sucesso para além do "underground", obtendo diversas aparições na MTV, alta rotação em rádios de todo país (principalmente com os singles "Quebre As Correntes" e "Alguém Que Te Faz Sorrir") e incontáveis downloads pela Internet. Durante esse processo, Bruno desligou-se da Fresno por motivos pessoais, conforme anunciado no site oficial da banda em 26 de outubro de 2006. Em seu lugar entrou Tavares, que já era amigo dos integrantes, tendo inclusive participado da produção de discos anteriores.

Redenção, Revanche e sucesso nacional (2006 - 2011)[editar | editar código-fonte]

Para o álbum Redenção a Fresno abraçou o pop, deixando um pouco de lado o hardcore. O álbum foi lançado em 15 de Abril de 2008, e já conquistou um Disco de Ouro, entregue pessoalmente por seu empresário Rick Bonadio ao vivo em um show no Espaço das Américas em 14 de Dezembro de 2008.

Ainda em 2008, a Fresno participou do programa Estúdio Coca-Cola Zero com Chitãozinho e Xororó. Ambos ainda se apresentaram no Show da Virada, da Rede Globo, exibido no dia 31 de Dezembro.

Em 2009 a banda continuou em ascensão conquistando importantes prêmios em nível nacional como: Artista do Ano no Prêmio Multishow,[6] Melhor Banda Pop e Artista do Ano no Video Music Brasil (VMB) da MTV. Além disso, houve também coroações individuais no Video Music Brasil para Lucas, como melhor vocalista e para Tavares, como melhor baixista.[7]

Lucas e Cuper durante concerto da banda.

Em maio de 2010 a banda lançou um novo disco chamado Revanche. Com um som já bem mais pesado que o antigo álbum, com faixas com grandes distorções nas guitarras como "Revanche" , "Die Lüge", "A Minha História Não Acaba Aqui" e "Relato de Um Homem de Bom Coração" com letras já mais maduras. E também lançaram a música "Porto Alegre" falando da saudade que sentiam de sua terra natal. O álbum tem sido considerado por muitos como o melhor entre todos os já lançados pela banda.

Em julho de 2010 a banda foi convidada a participar do CD e DVD de comemoração dos 30 anos de uma das bandas mais clássicas da MPB, o Roupa Nova. Fãs assumidos do sexteto carioca o Fresno entrou no palco ao lado de Serginho Herval, Paulinho, Ricardo Feghali, Kiko, Cleberson Horsth e Nando para tocar um grande hit do Roupa Nova, "Show de rock'n roll", que está presente no álbum Roupa Nova 30 anos. Já em 2011, gravaram o clipe musical de "Eu Sei" e de "Porto Alegre", falando dos antigos lugares de shows, familiares e lugares que já passaram.

Saída da Universal e Infinito (2011 - 2013)[editar | editar código-fonte]

A banda saiu da Universal, que havia sido sua gravadora desde 2008, e voltou a ser independente em 2011.[8] Em novembro de 2011 a banda anunciou o lançamento de um EP com quatro faixas, para o dia 12/12/2011, intitulado "Cemitério das Boas Intenções", na fanpage da banda no Facebook. Segundo os integrantes, as faixas são as melhores já feitas pela banda.

Em 29 de março de 2012 a banda anunciou a saída do baixista Rodrigo Tavares por meio de sua página no Facebook, declarando que ele estaria focado na carreira solo, Esteban, de agora em diante. Ainda no início de 2012, a banda anunciou seu novo álbum, Infinito, para o segundo semestre de 2012, e lançaram os primeiros singles deste, "Infinito" e "Maior Que As Muralhas"

O álbum Infinito foi lançado na iTunes Store dia 1° de novembro, e as músicas foram disponibilizadas na íntegra no canal da banda no YouTube.[9] O álbum foi lançado fisicamente dia 23.[10]

.Em 2013 a banda ainda teve sua participação no EMA da MTV na Europa. O evento aconteceu em Amsterdã, na Holanda. A banda foi escolhida para representar a América Latina, venceu a votação nacional, e a segunda fase do concurso e representou no prêmio.[11]

Eu Sou a Maré Viva - EP (2014 - atualmente)[editar | editar código-fonte]

Dois anos após o lançamento do último álbum, Infinito (2012), a Fresno apresenta o EP Eu Sou a Maré Viva. Depois de tocar na edição deste ano do festival SXSW, nos Estados Unidos, onde fez cinco shows, a banda volta ao Brasil para lançar sua nova turnê de divulgação do novo álbum. Se no CD anterior eles flertavam com um som mais pesado, dessa vez o quarteto aposta em um som firme e grandioso, apostando em um som mais "pesado" com letras impactantes.

O trabalho traz cinco faixas, entre elas estão: "A prova de balas", "Manifesto ( feat. Lenine e Emicida)", "Eu sou a maré viva", "O único a perder" e "Icarus", todas gravadas durante quatro dias em um sítio no interior de São Paulo.

Em destaque, a canção Manifesto, em que Lucas divide os vocais com Lenine e com o rapper Emicida. [12]

Lançado oficialmente no dia 31 de março de 2014, Eu Sou a Maré Viva ficou entre os mais vendidos do iTunes durante a sua pré-venda.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Músico contratado[editar | editar código-fonte]

  • Tom Vicentini - baixo (2013-presente)

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

  • Rodrigo Ruschel (Bell) - bateria (2008-2013)
  • Rodrigo Tavares - baixo e vocal de apoio (2006-2012)
  • Pedro Cupertino (Cuper) - bateria (1999-2008)
  • Bruno Teixeira (Lezo) - baixo e vocal de apoio (1999-2006)
  • Leandro Pereira - vocal (1999-2001)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio
EPs

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Individuais
Ano Prêmio Categoria Recebido por Resultado
2009 VMB 2009 Vocalista do Ano[13] Lucas Silveira Venceu
2009 VMB 2009 Baixista do Ano[13] Tavares Venceu
2010 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2010 Melhor instrumentista[14] Tavares Venceu
2013 Prêmio Rock Show 2013 Vocalista do Ano[13] Lucas Silveira Venceu
Conjuntos
Ano Prêmio Categoria Resultado
2006 VMB 2006 Escolha da Audiência[15] Indicado
2007 VMB 2007 Banda Revelação[16] Venceu
2008 VMB 2008 Artista do ano[17] Indicado
2009 VMB 2009 Artista do ano[13] Venceu
2009 VMB 2009 Melhor Artista Pop[13] Venceu
2009 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2009 Melhor Grupo[18] Venceu
2009 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2009 Melhor Clipe[19] Indicado
2010 VMB 2010 Artista do Ano[13] Indicado
2010 VMB 2010 Melhor Artista Pop[13] Indicado
2010 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2010 Melhor Grupo[20] Indicado
2010 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2010 Melhor DVD[20] Indicado
2010 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2010 Melhor Show[20] Indicado
2011 VMB 2011 Hit do Ano[21] Indicado
2011 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2011 Melhor Grupo[22] Indicado
2011 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2011 Melhor Clipe[22] Indicado
2011 Prêmio Multishow de Música Brasileira 2011 Melhor Álbum[22] Indicado
2011 Grammy Latino 2011 Melhor Álbum de Rock Brasileiro[23] Indicado
2012 VMB 2012 Clipe do Ano[24] Indicado
2012 Prêmio Rock Show 2012 Clipe do Ano[25] Venceu
2013 EMA 2013 Best Brazilian Act[26] Venceu
2013 EMA 2013 Latin American Act[27] Venceu
2013 EMA 2013 Worldwide Act[28] Indicado


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. Ana Paula Manzalli (28 de dezembro de 2009). Fresno e NX Zero são os ícones do emo no Brasil (em português). R7. Página visitada em 03 de julho de 2013.
  2. http://rollingstone.com.br/noticia/avesso-ao-pop-radiofonico-fresno-se-reinventa-em-icemiterio-das-boas-intencoesi/
  3. Banda Fresno apresenta novo baterista, Thiago Pessoa Guerra. Página visitada em 13 de fevereiro de 2014.
  4. Fresno encanta público no Clube Internacional. Página visitada em 13 de fevereiro de 2014.
  5. http://www.rollingstone.com.br/secoes/novas/noticias/o-novo-fresno/
  6. http://imirante.globo.com/noticias/pagina211148.shtml
  7. http://mtv.uol.com.br/blogdovmb/blog/vmb-2009-fresno-foi-o-maior-vencedor-da-noite-saiba-quem-levou-os-outros-pr%C3%AAmios
  8. Rolling Stone - Distanciando-se do pop radiofônico, Fresno se reinventa em Cemitério das Boas Intenções Rolling Stone. Página visitada em 06 de outubro de 2012.
  9. Rolling Stone - Fresno libera novo disco para audição em streaming Rolling Stone. Página visitada em 01 de novembro de 2012.
  10. Rolling Stone - Fresno divulga capa de novo disco Rolling Stone. Página visitada em 06 de outubro de 2012.
  11. http://musica.uol.com.br/noticias/redacao/2013/11/10/fresno-perde-premio-de-artista-global-no-ema-para-cantora-chinesa.htm Acessado em 6 de abril de 2014
  12. http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/04/fresno-lanca-ep-em-porto-alegre-4466016.html Página visitada em 6 de abril de 2014.
  13. a b c d e f g Confira a lista dos vencedores do VMB 2009. O Globo. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  14. Entre falhas e escorregões, Prêmio Multishow 2010 não tem destaque de vencedores. UOL Música. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
  15. Charlie Brown, D2 e CPM22 lideram indicações ao VMB; confira lista. Folha de São Paulo. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  16. Conheça os vencedores do VMB 2007. Omelete. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  17. MTV anuncia indicados ao VMB 2008 e mudanças na premiação. Folha de São Paulo. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  18. MTV anuncia indicados ao VMB 2008 e mudanças na premiação. Folha de São Paulo. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  19. Prêmio Multishow divulga os indicados da edição 2009. G1. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  20. a b c Fiuk, Luan Santana, Cine e Restart indicados ao Prêmio Multishow 2010. Virgula. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  21. MTV Brasil divulga lista de indicados para o VMB 2011. Tenho Mais Discos Que Amigos. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  22. a b c Sai a lista dos indicados ao Prêmio Multishow 2011. Rolling Stone Brasil. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  23. [http://entretenimento.r7.com/musica/noticias/-e-um-grammy-ne-comemora-fresno-sobre-indicacao-ao-premio-latino-20110915.html É um Grammy, né!, comemora Fresno sobre indicação ao prêmio latino]. R7. Página visitada em 23 de janeiro de 2014.
  24. MTV divulga lista de indicados ao VMB 2012. Atrevida. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  25. Prêmio Rock Show 2012 divulga categorias e indicados. Cena da Baixada. Página visitada em 21 de dezembro de 2012.
  26. O vencedor em Best Brazilian Act é.... MTV. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  27. Fresno vence etapa latino-americana e concorre a "Melhor Artista Global" no MTV EMA 2013. Nação da Música. Página visitada em 15 de novembro de 2013.
  28. Worldwide Act. MTV. Página visitada em 15 de novembro de 2013.