Friso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Detalhe do friso dórico mostrando as altenadas sequências entre os tríglifos e as métopas. The Circus (Bath) pelo arquiteto John Wood, o Velho.

Friso na arquitetura clássica, é um espaço compreendido na parte superior do entablamento, que separa a cornija da arquitrave, de um edifício ou monumento, comummente adornado por esculturas, com inscrições.[1] [2] O termo refere-se geralmente a uma barra ou faixa pintada, esculpida ou com inscrições, disposta horizontalmente, que guarnece exteriormente ou interiormente a parte superior de um edifício ou cómodo.[3] No sentido comum, é uma faixa para divisão ou ornamentação de uma superfície de parede, geralmente na parte superior e que podem ocupar tanto o exterior como o interior do edifício.[2]

Representação gráfica de um friso.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Em edifícios de ordem dórica, o friso é normalmente composto por tríglifos alternados (cumprindo blocos rectangulares, cada um aformoseado com três estrias verticais) e métopas que os intercalam. Em edifícios de ordem jónica ou compósita, o friso é ornamentado com figuras em relevo, como é exemplo o tesouro de Cnidians em Delfos (início do século V a.C.) ou o monumento corágico de Lysicrates em Atenas (334 a.C.).[4] Em edifícios romanos o friso era decorado com motivos vegetalistas, como palmetas[nt 1] e folhas de acanto[nt 2] ou guirlandas. Em finais do Romano e em várias esculturas do Renascimento, o perfil do friso apresentava uma superfície convexa, tendo então sido designado de friso pulvino.[4]

O friso pulvino apresenta uma superfície convexa. Esses frisos foram característicos do século XVII, principalmente no modernismo nórdico, com maior predominância os frisos secundários, e bastante utilizados na arquitetura de interiores e mobiliário.[7]

Friso do Partenon[editar | editar código-fonte]

O mais famoso dos frisos de ornamento é indubitavelmente o friso esculpido na parte superior da parede exterior da cella do Partenon, logo abaixo da cobertura do pórtico.[4] Este friso possui 101 cm de altura e 160 metros de comprimento, estando decorado com representações da procissão cerimonial do Festival Panathinaiko e é caracterizada pela soberbo ritmo conceptual do desenho, produto de uma admirável execução artística. É expressão máxima da escultura grega de meados do século V a.C., e é o mais famoso exemplo da escultura arquitectónica clássica.[4]

Notas

  1. Ornamento derivado da folha da palmeira, em forma de leque. Foi usado desde a antiguidade em quase todos os estilos arquitetônicos.[5]
  2. As folhas de acanto (Acanthus mollis) são de bonita forma, largas e recortadas. Foram usadas também no capitel compósito e nas artes românica, renascentista e barroca.[6]

Referências

  1. Friso (em português). priberam. Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  2. a b Friso (em português). ArkitektUrbo. Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  3. Frieze (em inglês). TheFreeDictionary. Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  4. a b c d Frieze (em inglês). Britannica. Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  5. Palmeta. arkitekturbo.arq.br. Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  6. Acanto (em português). Página visitada em 4 de dezembro de 2013.
  7. Pulvinated Frieze (em inglês). http://dictionary.reference.com/.+Página visitada em 4 de dezembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Friso
  • Conteúdo relacionado com Friezes no Wikimedia Commons