Fritigerno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Fritigerno, rei dos visigodos (369380), foi um dos proeminentes reis-guerreiros germânicos cujas vitórias militares levaram finalmente à queda da metade ocidental do Império Romano.

Um rival de Atanarico (Aþanareiks no idioma godo), outro proeminente líder visigodo, Fritigerno (Friþugairns no idioma godo, significando "desejando a paz") foi favorecido pelo imperador romano Valente primeiramente por sua adoção do Arianismo, uma forma de cristianismo popular na época e também aquela com a qual Valente simpatizava-se. Em 376, os visigodos, fortemente pressionados pelos hunos, que já haviam conquistado seus correlatos, os ostrogodos, pediram a Valente que permitisse a eles cruzar o rio Danúbio e estabelecer-se em território romano, que os hunos de então não podiam invadir, por sua inabilidade para cruzar o Danúbio em massa.

Valente permitiu que os seguidores de Fritigerno entrassem no Império. Em retribuição, eles estariam sujeitos ao serviço militar, mas seriam tratados da mesma forma que outros cidadãos romanos. Quando os visigodos chegaram, nenhum dos dois ocorreu. Durante o outono de 376, os romanos ajudaram a gente de Fritigerno a cruzar o Danúbio e estabelecer-se na província da Mésia. Entretanto, muitos seguidores de Atanarico também fugiram através do rio, o que aumentou os problemas para Fritigerno governar seu povo.

Em 377, a fome atingiu as áreas habitadas pelos visigodos e seus apelos por ajuda não foram respondidos. De fato, os governantes romanos da região, Lupicínio e Máximo, trataram-nos mal. Sem escolha além de lutar ou morrer, Fritigerno liderou seu povo para a batalha, e os visigodos dominaram grande parte da rica província vizinha de Trácia. A crise continuou em 378, e em 9 de agosto daquele ano, Fritigerno vingou a derrota de seus antepassados 109 anos antes, na Batalha de Naísso, causando a Roma sua pior derrota militar em séculos, na Batalha de Adrianópolis (378).

A vitória de Fritigerno logo possibilitou aos visigodos obter controle de quase toda a península balcânica. Apesar de seu exército não utilizar armamentos de cerco, necessários para tomar a capital Constantinopla, eles devastaram a Grécia, deixando apenas pequenas áreas intactas, incluindo a cidade de Atenas.

Fritigerno continuou a combater os romanos alternando sucessos e fracassos por dois anos após sua grande vitória, chegando a ganhar o reconhecimento como rei pela maioria dos visigodos dentro do Império. Quando faleceu, Atanarico tornou-se rei de todos os visigodos e finalmente estabeleceu a paz com os romanos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Edward Gibbon, A História do Declínio e Queda do Império Romano, 1776.
Precedido por
Hermenerico
Reis dos visigodos
369 — 380
Sucedido por
Atanarico