Fritz Klein (nazista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fritz Klein
Fritz Klein.jpg
Fritz Klein durante seu julgamento em 1945.
Nascimento 24 de novembro de 1888
Feketehalom, Áustria-Hungria
Morte 13 de dezembro de 1945 (57 anos)
Hamelin, Alemanha
País Alemanha Nazi Alemanha Nazista
Força Flag Schutzstaffel.svg Schutzstaffel
Klein em meio a cadáveres de centenas de prisioneiros. As forças britânicas que libertaram Bergen-Belsen forçaram os quardas alemães do campo a enterrar os corpos.

Fritz Klein (24 de novembro de 1888 – 13 de dezembro de 1945) foi um médico nazista alemão que foi enforcado por crimes contra a humanidade devido ao seu papel nas atrocidades cometidas no campo de concentração de Bergen-Belsen durante o Holocausto perpetrado no decorrer da Segunda Guerra Mundial.

Klein nasceu em Feketehalom no Império Áustro-Hungaro.[1] Ele estudou medicina e completou sua carreira militar servindo na Romênia, terminando seus estudos em Budapeste depois da Primeira Guerra Mundial. Ele viveu os próximos anos exercendo a profissão de médico em Siebenbürgen e logo depois se juntou ao Partido Nazista alemão. Em maio de 1943 ele se juntou a Waffen-SS e foi enviado a Iugoslávia.

Em 15 de dezembro de 1943, ele começou a trabalhar no campo de concentração de Auschwitz, onde ele serviu como médico do campo para mulheres em Birkenau. Ele também trabalhou no campo para ciganos. Ele participou de várias seleções ("selektionen") na rampa onde se decidia quais prisioneiros iriam para o trabalho forçado, para experiências médicas ou para a morte nas câmaras de gás. Em dezembro de 1944, ele foi transferido para o Campo de concentração de Neuengamme, e de lá ele foi enviado para Bergen-Belsen em janeiro de 1945.

Mais tarde, quando foi perguntado como ele conciliava suas ações e suas obrigações éticas como médico, Klein disse:

"Meu juramento de Hipócrates dizia que eu devia cortar o “apêndice gangrenado” para fora do corpo humano. Os judeus são o apêndice gangrenado da humanidade. É por isso que eu os “removia”."[2]

Ele foi réu no julgamento de Belsen e foi considerado culpado por crimes contra a humanidade e sentenciado à morte.[3] Ele foi enforcado pelo executor britânico Albert Pierrepoint na prisão de Hamelin.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Lifton, Robert Jay (1986). The Nazi doctors: medical killing and the psychology of genocide.

Referências

  1. Onciu, Camelia "Bestia in halat alb" Monitorul Expres (15 de abril de 2008) Acessado em 15 de outubro de 2010.
  2. Brueggemann, Rudy "Mad Science And Criminal Medicine" (2000). Página acessada em 15 de março de 2014.
  3. O Julgamento de Belsen Scrapbookpages.com. Retirado em 15 de outubro de 2010.