Frota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Frota de Alto-Mar alemã - início do século XX.

Uma frota ou armada é um grande agrupamento de navios de guerra sob o comando de um oficial general. Normalmente, é a maior força naval de uma marinha de guerra. Os termos "frota" e "armada" são, também, utilizados para designar a totalidade dos navios de guerra de uma marinha, sobretudo daquelas de menores dimensão, que não incluem forças navais de escalão tão elevado.

Por extensão, o termo "frota" é, também, utilizado para se referir a um grupo de embarcações não militares ou a uma frota de veículos, como automóveis ou aeronaves.

Organização tradicional[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente, uma frota ou armada é comandada por um almirante, mas pode ser comandanda por um oficial general de posto inferior. As frotas são, normalmente, divididas em esquadras navais, cada uma das quais comandanda por um oficial general subordinado. Por sua vez, as esquadras são, tradicionalmente, divididas em divisões.

Na época da navegação à vela era tradicional uma frota estar dividida nas esquadras de avante, do centro e da ré. A esquadra de avante era comandada por um vice-almirante, a da ré por um contra-almirante (chefe de esquadra em algumas marinhas) e a do centro por um almirante, que também comandava a totalidade da frota. Mais tarde, com o crescimento das frotas de algumas marinhas, passou a existir um almirante para cada esquadra, passando o almirante da esquadra do centro (comandante da frota) a designar-se almirante da frota. A organização deste tipo mais conhecida é a da Royal Navy britânica, nos séculos XVIII e XIX onde existiam as esquadras vermelha, branca e azul, cujos navios hasteavam bandeiras com um campo na cor correspondente à esquadra a que pertenciam.

A partir do final do século XIX, as frotas passaram a ser forças navais constituídas por vários tipos de navios. Cada frota incluía várias esquadras, cada qual agrupando vários navios principais de um único tipo (couraçados, cruzadores ou, mais tarde, porta-aviões). Paralelamente às esquadras de navios principais, as frotas passaram também a incluir esquadrilhas ou flotilhas de navios mais pequenos (torpedeiros, contratorpedeiros, submarinos e navios de guerra de minas).

As frotas na atualidade[editar | editar código-fonte]

Nas marinhas de guerra que, ainda, incluem forças navais deste escalão nas suas organizações, cada frota corresponde, normalmente, a um comando naval responsável por um teatro de operações.

A partir da Segunda Guerra Mundial, grande parte das marinhas abandonaram a organização tradicional das suas frotas em esquadras e divisões para efeitos operacionais. Hoje em dia, operacionalmente, é comum subdividir a frota em forças tarefas ou forças operacionais que agrupam, temporariamente, vários navios de guerra para a execução de uma determinada missão. Por sua vez, cada força tarefa pode estar dividida em vários grupos tarefa ou grupos operacionais.

Referências gerais[editar | editar código-fonte]

  • António Gregório de Freitas, Novo Diccionário da Marinha de Guerra e Mercante, Lisboa, 1855
  • Maurício da Costa Campos, Vocabulário Marujo, Rio de Janeiro, 1823
  • Squadronal Colours of the Royal Navy, Royal Naval Museum Library, 2000
  • Chevalier Du Pavillon, Tactique Navale, 1778.
  • Bigot de Morogues, Tactique Navale, 1763.
  • RP Paul Hoste, L'Art des Armées Navales, 1727.