Ftalimida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ftalimida
Alerta sobre risco à saúde
Phthalimide.svg
Outros nomes 1,2-Benzoldicarboximid
Identificadores
Número CAS 85-41-6
PubChem 6809
Propriedades
Fórmula molecular C8H5NO2
Densidade 1,21 g·cm-3 (20 °C)[1]
Ponto de fusão

234–238 °C[1]

Ponto de ebulição

310 °C[1]

Solubilidade em água 0,6 g·l-1 a 20 °C[1]
Solubilidade insolúvel em benzeno e éter de petróleo[2]
praticamente insolúvel em etanol[2]
solúvel em soluções de hidróxido de sódio ou hidróxido de potássio[2] solúvel em ácido acético[2]
Acidez (pKa) 8,3[3]
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A ftalimida é una imida derivada do ácido ftálico com dois grupos carbonilo unidos a uma amina secundária. É um sólido branco à temperatura ambiente.

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]

Cristais incolores pouco solúveis em água, solúvel em ácido acético, etanol, soluções aquosas básicas e benzeno aquecido. Insolúvel em benzeno frio, ligroína, clorofórmio.

Preparação[editar | editar código-fonte]

A ftalimida pode-se preparar por aquecimento de anidrido ftálico com amoníaco aquoso dando 95-97% de rendimento.

Phthalimid Darstellung.svg

Alternativamente, pode-se preparar mediante a fusão do anidrido com carbonato de amónia.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

A ftalimida utiliza-se em plásticos, em síntese química e em pesquisa.

Referências

  1. a b c d Registo de CAS RN 85-41-6 na Base de Dados de Substâncias GESTIS do IFA.
  2. a b c d Ullrich Jahn, in: Römpp Online - Version 3.5, 2009, Georg Thieme Verlag, Stuttgart.
  3. Hans Beyer und Wolfgang Walter: Organische Chemie, S. Hirzel Verlag, Stuttgart, 1984, Seite 521, ISBN 3-7776-0406-2.