Fundação Eng. António de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde fevereiro de 2015).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Logótipo.

A Fundação Eng. António de Almeida MHIH é uma fundação portuguesa é uma instituição particular de utilidade pública geral, em particular nas áreas da arte e da educação, reconhecida oficialmente a 5 de Maio de 1969.

Esta Fundação foi criada por disposição testamentária do Eng. António de Almeida, falecido em 9 de Outubro de 1968, na cidade do Porto, onde viveu, desde o ano de 1910. O Eng. António de Almeida nasceu em Vila Real, a 5 de Novembro de 1891. Oriundo de família não abastada, licenciou-se, em 1915, em Engenharia, na então Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, com a alta classificação de 18 valores. Exerceu a sua profissão de engenheiro apenas por um curto período de tempo, porque o seu primo Dr. José Ribeiro Espírito Santo solicitou a sua colaboração na gerência conjunta do Banco Espírito Santo, o que ocorreu em 1921. O Eng. António de Almeida, a partir dessa data, ficou com a especial responsabilidade da gerência da filial do Banco na cidade do Porto, sediada em edifício que ele próprio projectara. Exerceu até ao seu falecimento a actividade de banqueiro e de grande empresário.

Foi primeiro Presidente da Fundação o seu primo Dr. Manuel Ribeiro Espírito Santo que veio a falecer em 1973. Assumiu, então, a presidência, conforme ficou estipulado no testamento do Eng. António de Almeida, o Doutor Fernando Aguiar-Branco que se mantém ainda como Presidente do Conselho de Administração.

A Fundação Eng. António de Almeida possui um Museu onde se reúnem as várias peças coleccionadas pelo instituidor: mobiliário, ourivesaria, têxteis, porcelanas, pinturas, relojoaria e moedas. Estas últimas constituem uma importante colecção numismática, fundamentalmente composta por peças de ouro de origem grega, romana, bizantina, francesa e portuguesa. Nesta Casa-Museu, conforme vontade do instituidor, manteve-se tanto quanto possível, o aspecto de casa de habitação familiar e a decoração existente.

A sua sede é na Rua Tenente Valadim, n.º 231 a 325, no Porto.

A Fundação tem desenvolvido uma actividade intensa sobretudo nas áreas da arte e da educação, nomeadamente através de colóquios, conferências, exposições e recitais de música, com a intervenção de intelectuais e artistas nacionais e estrangeiros; possuindo espaços próprios para o efeito, dos quais se destaca um edifício denominado Auditório.

Para divulgar e radicar, no plano internacional, a cultura portuguesa, a Fundação doou: em 1985, à cidade de Durban (África do Sul) um busto em bronze de Fernando Pessoa; outro, em 1988, à cidade de S. Paulo (Brasil); e; ainda, outro, em 1989, à cidade de Bruxelas (Bélgica).

À cidade do Porto, a Fundação doou: em 1989, a estátua em bronze de Guilhermina Suggia; em 1991, a estátua em granito de D. António Ferreira Gomes; em 2009, a estátua em bronze de Abel Salazar; e, em 31 de Janeiro de 2011, uma estátua, em bronze, figurativa da República Portuguesa, comemorativa do seu centenário.

Em todas as suas actividades, respeitando em absoluto o pluralismo de ideias, afirma o humanismo personalista e propõe-se contribuir para a formação do homem-pessoa em ordem a dotá-lo com as virtudes da coragem, do trabalho, da honestidade, da tolerância e do saber inteligente para que surjam, assim, um humanismo fraterno e uma sociedade onde caibam efectivamente todos os seres humanos.

Tem, ainda, a preocupação de revelar e premiar o mérito e, por isso, instituiu o prémio denominado 'Eng. António de Almeida' que é atribuído, anualmente, ao licenciado que obtenha a classificação mais elevada e sempre igual ou superior a 16 valores, em algumas instituições de ensino superior.[1] A Fundação tem instituído prémios escolares, sobretudo nas Universidades do Porto, do Minho, Trás-os-Montes e Coimbra. Tem editado teses de mestrado e de doutoramento; e obras de literatura, de arte, de sociologia e de história.

Já doou às bibliotecas nacionais e a algumas estrangeiras e aos leitorados de português espalhados pelo mundo mais de 250 mil livros e revistas.

«São bem conhecidos os serviços prestados pela Fundação Eng. António de Almeida à sociedade, à cultura e à ciência, em Portugal e no Mundo tendo sempre como princípio orientador a causa de justiça e da verdade no respeito pela liberdade e dignidade dos homens. A promoção e apoio de conferências, colóquios, exposições, simpósios; a edição de revistas e monografias científicas; o impulso dado ao intercâmbio com organizações internacionais como a UNESCO e outros centros de investigação não podem fazer esquecer o estímulo dado à formação cultural e científica da juventude universitária portuguesa através do Prémio Eng. António de Almeida, prémio de excelência que já foi atribuído até hoje a mil e cem licenciados das Universidades de Trás-os-Montes e Alto Douro, Minho, Porto e Coimbra, de algumas Faculdades da Universidade Clássica, da Universidade Portucalense, de alguns Institutos Politécnicos, da Escola Superior de Belas Artes e de Música bem como do Conservatório de Música do Porto.» Deliberação do Conselho Científico da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em Sessão de 29 de junho de 2000.

A 14 de Novembro de 1994 foi galardoada com o grau de Membro-Honorário da Ordem do Infante D. Henrique.[2]

Referências

  1. Fundação Eng. António de Almeida (em português) Infopédia. Visitado em 16 de Fevereiro de 2012.
  2. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras Presidência da República Portuguesa. Visitado em 2015-02-22. "Resultado da busca de "Fundação Eng.ª António de Almeida"."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]