Futebol paralímpico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O futebol Paralímpico consiste na adaptação do futebol regular para atletas com deficiências físicas. Estes desportos são jogados, normalmente, usando regras da FIFA, com modificações quanto ao terreno de jogo, equipamento, número de jogadores, e outras regras necessárias para tornar o jogo adequado aos atletas.

As duas principais versões do futebol Paralímpico são o Futebol de cinco, para atletas com deficiências visuais, e o Futebol de sete, para atletas com paralisia cerebral.

Futebol para deficientes visuais[editar | editar código-fonte]

O Futebol para deficientes visuais, também conhecido como futsal e futebol para cinco, é uma adaptação do futebol para atletas com deficiências visuais, incluindo os cegos. O desporto, governado pela Federação Internacional dos Desportos para Cegos (IBSA), é jogado com regras da FIFA modificadas. O campo de jogo é menor e rodeado de placas. Cada equipe tem cinco jogadores, incluindo o guarda-redes. As equipas podem ainda ter um guia, que está posicionado fora do campo de jogo, para assistir os jogadores dirigindo-os. A bola está equipada com um dispositivo que faz barulho para os jogadores poderem localizá-la pelo som. Os jogos têm duas partes de 25 minutos cada, com um intervalo de 10 minutos.

two Argentinian players and one from Brazil running after the ball or falling down
Brasil vs. Argentina, jogo da Final de Futebol de cinco nos Jogos Parapan Americanos de 2007, no Rio de Janeiro

Os jogadores de Futebol de cinco têm uma de três classes, de acordo com o seu nível de deficiência visual:

  • B1 - Atletas total ou quase totalmente cegos; desde a não percepção da luz até à percepção da luz mas com a impossibilidade de reconhecer a forma de uma mão.
  • B2 - Atletas com visão parcial; conseguem reconhecer a forma de uma mão com uma acuidade visual de 2/60 ou um campo visual de menos de 5 graus.
  • B3 - Atletas com visão parcial; acuidade visual de 2/60 até 6/60 ou campos visuais de 5 a 20 graus.

As equipas podem usar atletas com visão como guarda-redes e guias; os guarda-redes com visão não podem ter estado registados na FIFA por, no máximo, cinco anos.

Existem dois tipos de competição. Para jogos da Classe B1, apenas atletas da classe B1 são permitidos, com excepção para os guarda-redes e para os guias, que podem ser das classes B2, B3 ou que vejam. Para jogos das Classes B2/B3, as equipas podem alinhar com jogadores das classes B2 e B3; pelo menos dois jogadores da classe B2 devem estar em campo ao mesmo tempo.

O Futebol de cinco na Europa desenvolveu-se na Espanha. O primeiro campeonato nacional espanhol teve lugar em solo espanhol, em 1986. Na América do Sul, há registos de um Torneio brasileiro organizado em 1980. Os Campeonatos Americano e Europeu começaram em 1997, seguidos pelo primeiro Campeonato do Mundo, em 1998. O desporto foi adicionado aos Jogos Paralímpicos de Verão em 2004.

O Brasil foi campeão dos Mundiais em 1998, 2000 e 2010,[1] e a Argentina venceu em 2002 e 2006. Nos Jogos Paralímpicos, o Brasil foi campeão em 2004 , 2008 e 2012.

Dois tipos de Futebol de cinco[editar | editar código-fonte]

Existem duas versões do futebol de cinco, uma criada pela FIFA nos anos 80 para rivalizar com o futebol de salão-FIFUSA e outra onde o esporte é uma modalidade de futebol para atletas com deficiência visual (parcial ou total). É recomendado pela International Blind Sports Federation (Federação Internacional de Esporte para Cegos). Foi jogada na Olimpíadas Paraolímpicas de 2004. Cada time tem quatro jogadores. O método para igualar o nível de deficiência é uso de vendas. No primeiro caso a FIFA chegou a organizar um campeonato mundial da categoria em 1986 que foi vencido pelo Paraguai com o Brasil ficando em segundo lugar, mas depois, ao assumir a tutela do futebol de salão, a FIFA abandonou o esporte, embora tenha-o fundido ao anterior, criando novas regras e uma modalidade que hoje corresponde ao futsal, praticado principalmente na Europa sem apresentar nenhuma padronização nas regras ou mesmo federações nacionais organizadas, sendo muitas vezes tratado de Arena Soccer, o "Futebol de Cinco" inicial era basicamente uma versão do futsal com cinco jogadores na linha e o goleiro, com os arremessos laterais e de canto sendo cobrados com os pés, hoje como há a falta de padronização nas regras, dependendo do país ou região, ele é exercido em quadras de areia, cimento, grama natural ou sintética, os arremessos são batidos com os pés ou mãos e algumas versões não há a penalidade máxima, mas um lance em que o atleta carrega a bola da meia-quadra até o goleiro tentando fazer o gol.

No segundo caso, O futebol de cinco, conhecido também como futebol de cegos, ou futsal de cegos, é uma adaptação do futsal para pessoas cegas. O esporte, organizado pela IBSA - International Blind Sports Federation, é jogado com regras modificadas da fifa, com bandas laterais, os times tem 4 jogadores de linha cegos, e o goleiro que enxerga normalmente (ele joga numa área reduzida, de 5mX2m. Os times usam também um chamador, que é um membro do time que fica atrás da meta adversária, orientando os jogadores de ataque. A bola possui guizos que produzem sons, através dos quais os atletas podem encontrar a bola. As partidas oficiais tem dois tempos de 25 minutos, com 10 minutos de intervalo.

Futebol de sete[editar | editar código-fonte]

O Futebol de sete é uma adptação do futebol para atletas com paralisia cerebral e outros distúrbios neurológicos, incluindo AVC e lesões traumáticas no cérebro. O desporto é dirigido pela Associação Desportiva e Recreativa Internacional de Paralisia Cerebral (CP-ISRA). O jogo decorre com regras da FIFA modificadas. Entre as modificações, há o campo de jogo reduzido, o menor número de jogadores, a eliminação da regra do fora-de-jogo, e os lançamentos laterais com uma só mão são permitidos. Os jogos têm duas partes de trinta minutos, com um intervalo de quinze minutos.

Os jogadores que competem no Futebol de 7 deverão estar encaixados numa classe consoante o seu nível de deficiência. As classes elegíveis são:

  • C5: Atletas com dificuldades ao andar e ao correr, mas não quando sentados ou ao pontapear a bola.
  • C6: Atletas com problemas de controlo e coordenação nos seus membros superiores, especialmente quando correm.
  • C7: Atletas com hemiplegia.
  • C8: Atletas com deficiências mínimas; devem preencher os critérios de elegibilidade e ter um impedimento óbvio que tenha impacto na prática de futebol.

As equipas devem ter apenas um jogador da classe C5 ou C6 em campo todas as vezes. Não são permitidos mais de dois jogadores de classe C8 a jogar ao mesmo tempo.

As competições internacionais de Futebol de sete começaram com os Jogos Internacionais CP-ISRA de 1978, em Edimburgo, Escócia. O desporto foi adicionado aos Jogos Paralímpicos de Verão na edição de 1984, em Nova Iorque, EUA, e tem sido sempre jogado nos Jogos de Verão desde aí.

O comediante norte-americano Josh Blue foi membro da equipa dos EUA nos Jogos Paralímpicos de 2004 e nos Jogos ParaPanAmericanos de 2007.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Futebol de cinco
Ícone de esboço Este artigo sobre esporte/desporto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.