Gávea (bairro do Rio de Janeiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gávea
—  Bairro do Brasil  —
Gávea e parte do Leblon vistos do Corcovado.
Gávea e parte do Leblon vistos do Corcovado.
Gávea.svg
Distrito Subprefeitura da Zona Sul
Criado em 18 de junho de 1993 Lei 1995
Área
 - Total 257,96 ha[1]
População
 - Total 17,475 (em 2 010)
 - IDH 0,970 [2] (em 2000)
Domicílios 7.069 (em 2010)
Limites Alto da Boa Vista, Jardim Botânico, Leblon, Lagoa, Rocinha, São Conrado e Vidigal[1]
Subprefeitura Subprefeitura da Zona Sul
Fonte: Não disponível

Gávea é um bairro nobre de classe alta da Zona Sul do município do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se entre a encosta do Morro Dois Irmãos e a margem oeste da lagoa Rodrigo de Freitas. Tendo uma localização privilegiada com vista para o monte Corcovado e acesso a praia do Leblon a sul, o jardim botânico, a norte e a floresta da Tijuca à oeste. Em 2000, seu índice de qualidade de vida foi avaliado em 0,970; alcançando o 1º lugar do Rio de Janeiro, dentre 126 bairros avaliados.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O bairro proveio do loteamento de propriedades rurais localizadas no Jardim da Gávea, a partir dos anos 30. Assim como seus vizinhos Lagoa na margem leste e Jardim Botânico na margem norte.[3] Nos anos 1920 e 1930, o bairro era conhecido por sediar corridas de carros. Manoel de Tefé, piloto internacional, convenceu o então presidente da república Getúlio Vargas a autorizar as corridas. Dessa forma, circuitos de rua foram realizados anualmente no bairro por vinte anos (1926-1945).[4] Um dos resquícios do Circuito Niemeyer - Gávea é a Gruta da Imprensa, espaço reservado a jornalistas.[4]

A partir de 1970, depois da inauguração do Túnel Dois Irmãos e da Autoestrada Lagoa-Barra durante o Regime militar no Brasil (1964–1985), o bairro tornou-se viário ao acesso a outras localidades cariocas e alvo de uma intensa do expeculação imobiliária, verticalizando-se em meio a protestos de moradores.[4] Atualmente, o bairro é um dos destinos turísticos da cidade devido a sua vida noturna, centros culturais e sua arquitetura comtemporânea.[4] [5]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

É um bairro residencial que possui diversos atrativos culturais,[5] como a Anitta Schwartz Art Galery, Casa da Gávea, o Clube Piraquê, o Estádio Rubro-Negro, o Instituto Moreira Salles, o Jockey Club, o Museu do Universo, Museu da Cidade, o Parque da Cidade, a Sociedade Hípica Brasileira, e o Shopping da Gávea. Também situam-se cinco teatros (das Artes, dos Quatro, Clara Nunes, Planetário e Vanucci) e dois cinemas, Cine Lagoon e Estação Vivo. Além disso, sua gastronomia é diversificada, apresenta o Gávea Trade Center, outro centro comercial e uma das maiores faculdades do país, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, bem como vários colégios públicos e particulares, como a famosa Escola Americana do Rio de Janeiro, a Escola Parque, Colégio Teresiano e as escolas municipais Christiano Hamman e Desembargador Oscar Tenório. Dos seus 2,57 quilômetros quadrados, somente 44,5 por cento é urbana ou alterada, o que o torna um dos bairros menos urbanos da cidade, sendo uma exceção dentre os bairros zona-sulistas. Para facilitar ainda mais a inclusão do bairro na mobilidade urbana, está em construção a linha amarela do metrô, que contará com a estação Gávea.

A Gávea é dividida informalmente entre Alto Gávea e Baixo Gávea. A região do Baixo Gávea, localizada na Praça Santos Dumont, é conhecida por ser um local boêmio frequentado pela juventude carioca[6] .

Demografia[editar | editar código-fonte]

Apresenta 17.475 habitantes, dos quais 7.937 são homens e 9538 mulheres,[7] sendo 83,21 homens para cada cem mulheres. Tem uma densidade demográfica de 67,74 habitantes por hectare e[8] . Na maioria de seus 6 580 domicílios, vivem duas pessoas.[7] Tem uma expectativa de vida ao nascer de 80,45 anos (perdendo apenas para o Jardim Guanabara)[1] e taxa de alfabetização de adultos de 98,08 por cento. [1] Seu Índice de Desenvolvimento Humano é de 0,970, o maior da cidade.[2]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]