GLS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

GLS é o acrônimo de gays, lésbicas e simpatizantes. A expressão é frequentemente usada no Brasil para definir espaços, produtos, serviços e locais destinados ao público gay, como por exemplo, um bar ou "boate GLS". O termo simpatizante se refere a heterossexuais que não se importam em conviver com homossexuais e até mesmo simpatizam com suas causas. GLS é, portanto, um conceito referente ao segmento de mercado e a expressão pode ser aplicada para classificar produtos, serviços, espaços, eventos voltados para consumidores gays, lésbicas e qualquer outro que deseje fazer uso destes, ou seja, os simpatizantes.

O termo GLS foi criado nos anos 90 pelo empresário e criador do portal MixBrasil, André Fischer [1] , como um termo mercadológico de fácil aceitação pelo público do festival de filmes sobre diversidade sexual MixBrasil.

A sigla GLS algumas vezes é usada indiscriminadamente como sinônimo para a sigla LGBT, o que é uma impressão. Enquanto o primeiro se refere ao segmento de mercado, incluindo pessoas de qualquer orientação sexual, o segundo tem um caráter político-social, referindo-se ao conjunto das minorias sexuais.

Apesar de adotada em 2008 em uma conferência nacional, a sigla LGBT, ainda há uma divisão muito grande no Brasil a respeito de seu uso. Diversas entidades decidiram não adotar o LGBT, continuando com o uso de GLBT e/ou GLS. Sendo GLS a sigla mais conhecida entre a comunidade LGBT e as pessoas heterossexuais, já que o Termo "Simpatizantes" se refere a qualquer pessoa independente de orientação sexual e gênero.

Apesar da ABGLT( Associação Brasileira LGBT) em um manual de comunicação, afirmar que a Sigla GLS é excludente, a decisão não foi acatada por todos da comunidade, devido ao fato de que a comunidade GLS ou GLBT ou LGBT não é centralizada. Por isso todos são livres para a adoção de qualquer sigla.

Existem iniciativas na internet para o uso da Sigla GLS, como forma de prestigiá-la como um termo legitimamente brasileiro, como a Pseudo-DPN GLS.SLG.BR[2] !

Foram publicados artigos[3] para o Marco Civil da Internet no site do Comitê Gestor de Internet no Brasil.

[4] Marco Civil da Internet- CGI.br

Ver também[editar | editar código-fonte]