GTK+

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
GTK+
Logótipo
Desenvolvedor GNOME Foundation
Plataforma Multiplataforma
Lançamento 14 de abril de 1988 (26 anos)
Escrito em C[1]
Sistema operativo Multiplataforma
Gênero(s) Toolkit de widgets
Licença GNU LGPL versão 2.1
Estado do desenvolvimento Ativo
Página oficial www.gtk.org

GTK+ é um toolkit multi-plataforma para a criação de interfaces gráficas. É licenciado sob a licença GNU LGPL, permitindo que software proprietários e livres o utilizem em sua construção. É software livre e integra o projeto GNU. Foi desenvolvido inicialmente para o GIMP, por isso foi batizado de GIMP toolkit, com abreviação GTK+. Foi desenvolvido originalmente por Peter Mattis, Spencer Kimball e Josh MacDonald[2] .

GTK+ e Qt suplantaram outros toolkits e hoje são os dois conjuntos de widgets mais usados para a plataforma X11[3] . O GTK+ é muito popular, sendo usado em um grande número de aplicações e no ambiente de desktop GNOME (que por sua vez também é muito popular).

Linguagem Utilizada[editar | editar código-fonte]

GTK+ é escrito em C e seu design é orientado a objeto com base no sistema de objetos da biblioteca GLib. Existem bindings para construção de programas GTK+ em C, C++, Fortran, Pascal, Perl, Java, Python, Ruby e PHP (PHP-GTK).

Aparência (Look and Feel)[editar | editar código-fonte]

O toolkit é configurável pelo usuário e oferece muitas opções de engines. Há engines emulando a aparência de outros populares toolkits ou plataformas como Windows 95, Qt, ou NEXTSTEP.

Ambientes para usar GTK[editar | editar código-fonte]

O ambiente GNOME usa GTK+ como base do seu sistema e muitos programas para GNOME usam GTK+ como seu Toolkit. Aplicações GNOME não são as únicas a usá-lo; muitos programas independentes do GNOME usam GTK+, e mesmo os programas GTK+ feitos para GNOME geralmente rodam sem problemas em outros ambientes como KDE, Xfce ou FluxBox. Em dispositvos móveis, o GTK+ é usado como base de ambientes como o GPE Palmtop e o Maemo. GTK+ também pode ser usado no Microsoft Windows e outros menos usuais como framebuffer e ncurses.

GTK+ 2[editar | editar código-fonte]

GTK+ 2 é o sucessor do GTK+. Suas novas características incluem o Pango, um novo engine para temas, acessibilidade usando ATK, completa transição para Unicode usando UTF-8 para strings e um API flexível. Entretanto, o GTK+ 2 não é compatível com o GTK+ 1 e suas aplicações precisam ser portadas a ele. O GTK+ 1 é menos complexo que o GTK+ 2.

GTK+ 3[editar | editar código-fonte]

GTK+ 3 é o sucessor do GTK+ 2. Suas novas características incluem o Cairo (para desenhar elementos gráficos), XI2 (XInput2, para o processamento de eventos de dispositivo de entrada) e etc.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.ohloh.net/p/gtk
  2. GTK+ FAQ, Authors [GTK 2.x] (a FAQ menciona os autores do GTK+)
  3. Developing X applications (em inglês).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado GTK+