Gabiroba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaGabiroba
Fruto de gabiroba

Fruto de gabiroba
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Myrtales
Família: Myrtaceae
Género: Campomanesia
Espécie: C. pubescens
Nome binomial
Campomanesia pubescens
(DC.) O. Berg 1854
Sinónimos
Britoa eriantha (Cambess.) O. Berg

Campomanesia affinis O. Berg
Campomanesia apiculata Barb. Rodr. ex Chodat & Hassl.
Campomanesia australis O. Berg
Campomanesia bracteolata Kiaersk.
Campomanesia campestris O. Berg
Campomanesia corymbosa (Cambess.) O. Berg
Campomanesia cuneata O. Berg
Campomanesia dimorpha O. Berg
Campomanesia discolor O. Berg
Campomanesia discolor var. alternifolia O. Berg
Campomanesia discolor var. oppositifolia O. Berg
Campomanesia diversifolia Barb. Rodr.
Campomanesia eriantha (Cambess.) Blume ex Mattos
Campomanesia fusca O. Berg
Campomanesia fusca var. erosum (Miq.) O. Berg
Campomanesia fusca var. integra O. Berg
Campomanesia fusca var. stricta O. Berg
Campomanesia fusca var. subtriflora O. Berg
Campomanesia gomesiana Handro & Mattos
Campomanesia hasslerii Barbr. Rodr.
Campomanesia heterophylla O. Berg
Campomanesia houlletti O. Berg
Campomanesia lanceolata O. Berg
Campomanesia obversa (Miq.) O. Berg
Campomanesia obversa var. angustifolia O. Berg
Campomanesia obversa var. latifolia O. Berg
Campomanesia obversa var. perforata O. Berg
Campomanesia ovalifolia O. Berg
Campomanesia ovalifolia var. venulosa Berg in Martius
Campomanesia pohliana O. Berg
Campomanesia pubescens var. coarctata O. Berg
Campomanesia pubescens var. effusa O. Berg
Campomanesia reticulata O. Berg
Campomanesia rhytidophylla O. Berg
Campomanesia rugosa O. Berg
Campomanesia salviaefolia O. Berg
Campomanesia salviaefolia var. angustifolia (Miq.) O. Berg
Campomanesia salviaefolia var. latifolia O. Berg
Campomanesia suaveolens (Cambess.) O. Berg
Campomanesia trichosepala Barb. Rodr.
Campomanesia virescens O. Berg
Campomanesia warmingiana Kiaersk.
Campomanesia widgreniana O. Berg
Campomanesia yerutiensis Barb. Rodr. ex Chodat & Hassl.
Psidium corymbosum Cambess.
Psidium corymbosum fo. angustifolia Miq.
Psidium erianthum Cambess.
Psidium erosum Miq.
Psidium hians DC.
Psidium obversum Miq.
Psidium pubescens DC.
Psidium suaveolens Cambess.

A gabiroba[1] , guabiroba[1] , guabirova[1] , guavirova[1] , gavirova[1] ou araçá-congonha[2] é o fruto produzido pela gabirobeira, um arbusto silvestre que cresce nos campos e pastagens do cerrado brasileiro. Também chamada erroneamente de guavira.

Etimologia

"Gabiroba", " Guabiraba", "Guabiramba", "guavirova", "gavirova" e "guabirova" originam-se da junção dos termos tupis wa'bi, "ao comer" e rob, "amargo"[1] . "Araçá" originou-se do termo tupi ara'sá[2] e "congonha" originou-se do termo tupi kõ'gõi, "o que mantém o ser"[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

É um fruto arredondado, de coloração verde-amarelada, com polpa esverdeada, suculenta, envolvendo diversas sementes muito parecido com uma goiabinha. Ela pode ser consumida ao natural ou na forma de sucos, doces e sorvetes e ainda serve para fazer um apreciado licor.

A planta apresenta duas variedades:

  • C. pubescens var. coarectatum O. Berg
  • C. pubescens var. pubescens[4] .

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

A gabiroba é uma planta nativa do Brasil, sendo muito encontrada nos cerrados das regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste. Sendo disseminada para outros países da América do Sul, é muito encontrada na Argentina e Uruguai. No sul do Brasil, na região norte e oeste do Paraná além da variedade de cerrado, dissemina-se também a variedade arbórea que alcança vários metros de altura, produzindo frutos com sabor e aparência da variedade de campo, porém quando maduros apresentam a cor amarela.

Cultivo[editar | editar código-fonte]

A gabirobeira vive em clima tropical quente, com baixo índice pluviométrico, devendo estar sempre exposta ao sol. Não é exigente quanto ao solo, crescendo inclusive em terrenos pobres. No entanto, quando é cultivada, apresenta maior preferência pelos solos do tipo vermelho-amarelo. A necessidade de água é moderada.

A propagação se dá através de sementes, que devem ser semeadas logo após a extração do fruto porque perdem rapidamente a capacidade germinativa. Pode ser cultivada em canteiros.

A colheita geralmente ocorre no mês de novembro. Os frutos podem ser conservados em sacos plásticos na geladeira ou congelador.

Outras Informações[editar | editar código-fonte]

  • Composição química: proteínas, carboidratos, niacina, sais minerais, vitaminas do complexo B
  • Partes usadas: frutos, folhas e brotos
  • Propriedades medicinais: adstringente e antidiarréica. A infusão das folhas é relaxante para aliviar dores musculares, através de banhos de imersão
  • Usos na culinária: os frutos são consumidos ao natural e usados no preparo de geleias, sucos, doces, sorvetes, pudins, licores, batidas ou curtidos na cachaça

Referências

  1. a b c d e f FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.871
  2. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.153
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.453
  4. Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. 21 Apr 2009

Fontes[editar | editar código-fonte]

  1. Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 2. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 2a. edição. ISBN 85-86174-14-3
Ícone de esboço Este artigo sobre árvores, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.