Gabriel Aresti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Gabriel Aresti Segurola (Bilbao, 1933-1975) foi um poeta e dramaturgo de nacionalidade basca, tendo escrito em língua basca, considerado um renovador da poesia na sua língua, bem como o principal autor desta nacionalidade ou língua por alguns autores1 .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Educado em língua castelhana, superou as grandes dificuldades impostas na dictadura de Franco para conseguir aprender a língua euskara em Bilbao. Foi contador, trabalho com o qual se mantinha, e dedicava suas horas vagas à produção literária.

Logo se tornou um prolífico escritor e tradutor em língua basca, traduzindo para o basco autores como García Lorca e T.S. Eliot, tendo se dedicado também ao teatro.

Dedicou-se, inicialmente a um certo realismo social, dedicando-se a criar um novo imáginario euskara e transladando à sociedade suas idéias progresistas e a favor de una sociedade livre das rígidas convenções sociais do franquismo2 .

Formalmente, introduz o verso livre e uma linguagem mais coloquial na poesia em basco, absoluta novidade, no que teria sido influenciado por seu conterrãneo Blas de Otero, bem como em seu gosto pelos temas sociais.


Legado[editar | editar código-fonte]

Além de introduzir o verso livre e uma linguagem mais coloquial na poesia de língua euskara, Aresti participou das discussões em torno do euskara unificado, tendo defendido esta idéia frente aos setores mais "tradicionalistas" e fechados no famoso congreso de Arantzazu (1968). Por isso, além de das idéias sociais, e por sua orgulhosa defesa de sua condición do euskaldunberri, Aresti Aresti sofreu forte oposição dos setores conservadores e franquistas.

Por fim, o ideal de Aresti sobre a língua basca venceu, sendo o poeta um importante articulador desta unificação.

Há um centro de ensino da língua euskara (basca) a adultos que homenageia o nome do poeta, o Euskaltegi Gabriel Aresti. Situado no centro de Bilbao, foi criado no princípio da década de 19803 .

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Hainbat artikulu prentsan, bereziki Zeruko Argia eta Anaitasuna aldizkarietan.
  • Harri eta Herri, Zarautz, Itxaropena, 1964.
  • Euskal elerti 69, Donostia, Lur, 1969.
  • Batasunaren kutxa, Donostia, Lur, 1970.
  • Cuarenta poemas, Madril, Helios, 1970. Barruan Nire aitaren etxea defendituko dut, poema ospetsua dago.
  • Harrizko Herri Hau, Donostia, Lur, 1970.
  • Kaniko eta Beltxitina, Donostia, Lur, 1971.
  • Lau teatro arestiar, Donostia, Lur, 1973.
  • Hiztegi tipia, Donostia, Lur, 1973.
  • Aurtengo zenbait berri, Donostia, Lur, 1973.
  • Obra guztiak, Donostia, Kriselu, 1976.
  • Lehen poesiak, Susa, 1986
  • Euskal harria, Susa, 1986
  • Poesia argitaragabea. Azken poesia, Susa, 1986
  • Narratiba, Susa, 1986
  • Antzerkia, Susa, 1986
  • Itzulpenak 1, Susa, 1986
  • Itzulpenak 2, Susa, 1986
  • Artikuluak. Hitzaldiak. Gutunak. , Susa, 1986


Referências


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]