Gabriel Nicolas de la Reynie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gabriel-Nicolas de la Reynie (1625-1709), por Pierre Mignard.

Gabriel Nicolas de la Reynie (1625, Limoges, França - 1709, Paris, França) foi primeiro tenente de Polícia de Paris à época do Rei Luís XIV de França.

Proveniente de uma família de advogados pobre e sem recursos, Gabriel Nicolas faz um casamento rico em 1645 e e toma então o nome de "Reynie". Magistrado prisional em Angoulême e depois Presidente prisional em Bordeaux, resiste à Fronda e serve de intendente ao governador de Guyenne, o Duque d’Épernon, que o faz ser conhecido na Corte.

La Reynie administra a fortuna do Duque d'Épernon sem se esquecer da usa : em 1661, compra por 320.000 libras um cargo de mestre dos requerimentos do Conselho do Rei. É escolhido por Colbert para inaugurar o novo cargo de tenente de polícia de Paris, em 1667, cargo que desempenha durante trinta anos. La Reynie torna-se conselheiro de Estado em 1680.

« A Polícia existe para assegurar o repouso do público e dos particulares, proteger a cidade de tudo o que possa causar desordens ». O edital que Colbert apresenta a Luís XIV em Março de 1667 resulta da evolução dos costumes franceses em matéria de segurança pública após séculos. Este edital visa um procedimento global no tratamento da criminalidade e constitui o ato fundador da Polícia sob o Antigo Regime, esclarecendo uma situação herdada da Idade Média.

O cargo de "Tenente de Polícia" que ele institui tem por objetivo criar um poder autônomo que vele pelo bom andamento da cidade, independente das pressões que possa sofrer.

Paris é a primeira cidade afetada por esta medida. Nicolas de la Reynie é nomeado o primeiro tenente geral de polícia, cargo que ocopará de Março de 1667 a Janeiro de 1697. Juiz e depois senhor dos requerimentos no Conselho de Estado, possui um conhecimento completo das instituições. Todos os tenentes gerais que o sucedem possuem formação análoga. Nemeado pelo Rei, o tenente de polícia é revogável "ad nutum". Se o edital confere ao tenente de polícia certas missões (a luta contra a delinquência, o incêndio e a inundação ; o policiamento econômico, dos costumes, etc.), ele deixa a cargo de Nicolas de la Reynie a organização de sua administração reunindo sob sua autoridade as antigas instituições.

Os comissários examinadores do Châtelet tornam-se comissários de polícia e seu número chega a 48. Divididos entre os 17 bairros de Paris, eles prestam contas diariamente de suas atividades ao tenete geral. Nicolas de la Reynie conta ainda com uma rede de informantes remunerados : as moscas em liberdade e os carneiros na prisão. Ele pode requisitar as forças armadas. Sobretudo o tenente geral apóia-se sobre os gabinetes (empregos, escolas, arquivos, mercados, etc.).

Estabelece a autoridade real colocando cabresto no governador de Paris, nos titulares dos feudos encravados na capital, no Parlamento habituado até então a comandar as prisões em casos policiais, nos agentes de mercadorias e na municipalidade parisiense.

La Reynie é também juiz ou procurador em grandes processos extraordinários, tais como o do Cavaleiro de Rohan, decapitado por conspiração ou o famoso "Caso dos Venenos" .

Nesta época, quatro « polícias » concorriam em Paris : os comissários, os arqueiros e agentes, a companhia dos tenentes criminais e a intendência da Ilha. Ele reorganiza estas polícias e as põe sob seu controle. Elas são encarregadas de assegurar a segurança das ruas de Paris, de vigiar o ambiente parisiense da época e de enchê-lo de informantes.

La Reynie reprime a impressão e distribuição de escritos sediciosos, crimes que ele próprio julga e com o máximo rigor. É o encarregado da execução dos mandatos de prisão.

É também graças a seus métodos truculentos que Paris torna-se a cidade mais limpa da Europa da época (financiada pela taxa dita das "lamas e lanternas") e que erradica as chamadas "Cours des Miracles" [1] . Deve-se a ele a iluminação pública (de onde surgiu o termo, hoje famoso, de « Paris Cidade Luz »), que serviu para tornar as ruas mais seguras, as primeiras regras de circulação e estacionamento, a pavimentação das ruas e a canalização da água.

Referências

  1. A "Cour des Miracles" ("Corte dos Milagres") designava, no Antigo Regime, espaços fora-da-lei assim nomeados porque neles as enfermidades dos mendigos que deles faziam sua residência fixa desapareciam como que por milagre ao cair da noite. Vindos do campo em uma busca vã por trabalho na capital ou miseráveis das cidades (principalmente no reinado de Luís XIV), eram estes desfavorecidos que engordavam as fileiras das "Cours des Miracles".
Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.