Gaita-ponto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
  • Não tem fontes.
  • Necessita ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
  • Está redigida sob uma perspectiva preponderantemente brasileira e pode não representar uma visão mundial do assunto.
gaita-ponto

A Gaita de Botão é um instrumento musical similar ao acordeom que possui botões no lugar de teclas, sendo por esta razão também conhecida como gaita de botão, gaita botoneira, gaita de 8 baixos, 8 soco, gaita diatônica, gaita de voz trocada, gaita de duas conversas, gaita de duas hilheiras, Fole de 8 baixos, Pé-de-Bode, etc.

É um instrumento de difícil execução e ameaçado de extinção pela falta de artistas que o utilizem. A sua característica maior é a de possuir um sistema de afinação diferenciado no qual, quando se abre e fecha o fole (o fole assopra as palhetas), desfruta-se de notas diferentes (como a gaita-de-boca) no mesmo botão, o que o torna um Instrumento Bissonóro. Um único botão dá a mesma nota ao abrir e fechar o fole. Esse botão às vezes é marcado com um ponto preto, e por isso a denominação Gaita Ponto. O fato de ser diatônico significa que ela oferece somente duas escalas tonais (ex.: dó maior e sol maior, sendo impossível de obter uma Escala Cromática, semelhante à gaita-de-boca diatônica). Os tipos e marcas mais comuns no Brasil são Todeschini (24 baixos) e Universal (40 baixos), que não são mais fabricados atualmente no Brasil.

No nordeste do Brasil, encontramos grandes instrumentistas de Gaita Ponto tais como: Chiquinha Gonzaga, Zé Calixto e Luizinho Calixto.

Já no Sul do Brasil, temos o gaúcho Renato Borghetti, o Borghettinho, é considerado um mestre do instrumento e conhecido por expandir a cultura do sul do Brasil através do uso da Gaita Ponto, misturando a música tradicional gaúcha com o jazz.

A Gaita de Botão rendeu a grandes instrumentistas como Reduzino Malaquias, Tio Bilia e Sadi Cardoso o reconhecimento musical que ainda é inspiração de muitos gaiteiros. Sadi Cardoso foi o autor da música "Minuano", utilizada na trilha da minissérie "O Tempo e o Vento" e foi professor de muitos gaiteiros como Chico Brasil, Fofa, Hélio Bento, Jacson Moraes e Orlandinho Rocha que por vários anos tocou sua Gaita de Botão no Grupo Os Mirins e hoje segue trilhando os mesmos passos de seu professor ensinando novos gaiteiros.

O instrumentista Edilberto Bérgamo é considerado um revolucionário no modo de tocar esse instrumento. O gaiteiro Chico Brasil é exímio no modo de tocar fandango no sul do Brasil e peculiar pela sua grande técnica do jogo-de-fole.

O também gaiteiro Gilberto Monteiro é famoso por suas composições com Gaita de Botão de 8 baixos, sendo a mais conhecida delas "Milonga para as Missões". Não podemos esquecer um dos maiores gaiteiros missioneiros de São Borja chamado Dedé Cunha, professor de Gabriel Ortaça. Nielsen Santos, Leonel Gomes entre outros gaiteiros que fazem sucesso e arrastam fãs principalmente no sul do pais.

Outro grande compositor e instrumentista da Gaita de Botão, chama-se Rodrigo Pires. O mesmo foi integrante de vários grupos musicais do Sul do Brasil, como Os Mirins, Os Nativos, Tchê Guri entre outros e gravou várias músicas para, Mano Lima, Gaúcho da Fronteira.

Também no rock esse instrumento é utilizado, que é o caso das bandas gaúchas Nenhum de Nós, Blanched e Lugh.

Também devemos mencionar o Acordeonista e Músico Brasileiro, Daltro Vieira. Músico Catarinense, Instrumentista, Compositor e Instrutor de Gaita de Botão por vários anos.

O tipo de gaita mais aconselhável para principiantes é a de oito baixos.


Ícone de esboço Este artigo sobre um Instrumento musical é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.