Gaius Baltar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Gaius Baltar é um personagem da série televisiva de ficção científica Battlestar Galactica de 2003, interpretado por James Callis. O personagem Baltar do seriado de 1978 também é descrito neste artigo.

O começo[editar | editar código-fonte]

Gaius Baltar é um brilhante cientista e amigo pessoal do Presidente Adar. Na minissérie, Baltar se envolve em uma intensa relação (puramente sexual) com uma sedutora loira. Acreditando que ela fosse uma funcionária de uma empresa de computadores concorrente, Baltar deixa "escapar" alguns segredos do seu trabalho de defesa das Colônias e dá a ela acesso ao banco de dados. A mulher (conhecida como Número Seis) revela a ele que é, na verdade, uma agente cylon, uma versão mais evoluída com formas humanas, e que os cylons usarão todos os segredos que Baltar passou a ela para se infiltrarem nos sistemas de defesa das Colônias, inutilizar o Exército Colonial e atacar as Doze Colônias do Homem. Naquele mesmo dia, os cylons lançam um fulminante ataque nuclear que destrói praticamente toda a Humanidade.

Número Seis morre para salvar a vida de Baltar de uma explosão. Cheio de culpa, Baltar corre para sair de Caprica o mais rápido possível. Ele consegue uma vaga no Raptor de Helo, que cede o seu próprio lugar para ele, ficando em Caprica. Baltar encontra refúgio na Galactica e na frota de sobreviventes. Ele põe-se à disposição de Laura Roslin, a nova Presidente das Doze Colônias.

Freqüentemente Gaius é atormentado por visões da Número Seis, que interage com ele como se ela existisse no mundo real, ainda que ninguém possa vê-la. Essa visão manipula Baltar através do seu medo de que alguém descubra que ele é o causador do extermínio da Humanidade. Não se sabe se a visão é fruto de uma alucinação criada pelo seu subconsciente ou por um chip cylon implantado em seu cérebro - como sugere a própria Número Seis.

Um exame médico revela que não há nada de errado com o seu cérebro, o que leva Baltar a pensar que está realmente ficando louco. Mas ele então se dá conta de que a visão de Número Seis não era uma alucinação gerada pelo seu subconsciente, pois ela sabia de coisas que sua própria mente não poderia saber. Quando Gaius argumenta que ela não poderia ser fruto de uma alucinação (pois ela sabia que o primeiro humano-cylon nasceria na cela da Galactica antes mesmo de Sharon Valerii chegar à nave, grávida), ela responde que não é produto de um chip nem uma alucinação, mas sim "um anjo de Deus enviado para protegê-lo".

Eleição[editar | editar código-fonte]

Em um furacão de eventos e influenciado pela Número Seis, Baltar é eleito Vice-Presidente das Colônias, com Roslin como Presidente. Ele se estabelece na Galactica sob a condição de trabalhar em um projeto de reconhecimento de agentes cylons humanóides.

O relacionamento de Baltar com Seis se complica pela aparição de Gina, outra cópia de Número Seis, que trabalhava na manutenção da Battlestar Pegasus - aumentando o ciúmes da Número Seis imaginária. Ela fora várias vezes torturada e estuprada pela tripulação da Pegasus. Baltar ajuda Gina a escapar da Pegasus e arranja um lugar onde ela poderia ficar com segurança.

Gina cria um movimento pacifista dentro da frota, embora muitas vezes seus métodos não sejam pacíficos, e Baltar é relutante em dar suporte à organização somente por causa da sua afeição por ela. Mais tarde, após salvar a vida da Presidente Roslin de um câncer de mama em estágio terminal, ele descobre uma carta (um costume de todos os presidentes, escrita para os seus sucessores) que ela havia deixado para ele ler somente depois de sua morte, a qual aponta a sua "natureza egoísta" e pede a ele que supere isso para o bem da frota.

Com muita raiva por causa disso, ele entrega a Gina e ao seu movimento uma bomba nuclear que Adama havia lhe dado para as pesquisas com agentes cylons. Gina detona posteriormente o artefato e, com o sinal deixado pela luz da explosão, revela aos cylons a localização do planeta Nova Caprica.

Ofendido pela carta de Roslin, encorajado pelas visões de Número Seis e pelo oponente político de Roslin, Tom Zarek, Baltar anuncia a sua intenção de concorrer contra Laura Roslin pela Presidência. Ele faz isso para surpreender tanto Roslin quanto a imprensa em uma conferência jornalística na qual Roslin anuncia uma lei a favor do aborto. Baltar se estabelece como candidato e alternativa à visão liberal de Roslin.

Baltar, com Zarek como conselheiro político, faz uma campanha forte contra Roslin. Entretanto, durante quase toda a corrida presidencial, ele estava perdendo terreno para ela e só conseguia vitórias políticas pintando-a como uma perigosa fundamentalista religiosa. Porém, com pouco tempo antes das eleições, um planeta habitável foi descoberto acidentalmente em uma região do espaço com pesada interferência eletromagnética, que torna radares e observações à distância muito difíceis.

Colonização de Nova Caprica[editar | editar código-fonte]

Baltar, apesar de não ter uma desejo pessoal de se estabelecer no planeta, anuncia que ele ordenaria um estabelecimento imediato da civilização no planeta agora chamado Nova Caprica se eleito, ao contrário de Roslin, que queria continuar a busca pela Terra. A eleição parece mudar a seu favor e, depois de falhar uma tentativa de fraudar a eleição para manter Roslin no poder, Baltar foi eleito Presidente.

Durante a posse do novo Presidente, Gina explode a bomba nuclear que Baltar lhe dera, destruindo a Cloud Nine e outras naves próximas. Por causa do aparente ato de terrorismo nuclear dos cylons, Adama pede a Baltar para imediatamente se focar na segurança interna e investigar como um agente cylon poderia carregar uma bomba. Baltar se recusa, porém, e continua com os planos de estabelecimento.

Invasão Cylon[editar | editar código-fonte]

Após um ano em Nova Caprica, Baltar é odiado pelo povo devido à sua displicência no Governo. No momento em que uma greve geral se organiza, surgem os cylons, atraídos ao local pela luz da explosão nuclear, um ano antes. Os invasores escravizam a populaçao civil fixada em um acampamento no planeta, enquanto Adama bate em retirada com as duas battlestars.

Cooperando com o governo cylon, Baltar passa a ser ainda mais odiado pelo povo e até sofre um atentado com homem-bomba. Essa situação lembra muito a ocupação estadunidense no Iraque, com governos fantoches, promessas de pacificação de um povo em conflito, torturas e atentados a bomba.

Após o resgate[editar | editar código-fonte]

O Comandante Adama, auxiliado por seu filho Lee, então comandante da Battlestar Pegasus, conseguiu resgatar com vida quase toda a população de Nova Caprica, libertando-a da escravidão imposta pelos cylons. Após o resgate, Roslin foi novamente empossada como Presidente, pois Baltar, agora considerado um traidor, fugiu junto com os cylons. Para o cargo de Vice-Presidente, foi nomeado Tom Zarek, que havia colaborado com a resistência.

Já em uma baseship, o confuso Baltar começa a conhecer mais profundamente a natureza da raça cylon e estabelece um relacionamento romântico com a Número Seis e a Número Três. Com medo de ser morto se não colaborar, ele acaba ajudando os cylons a encontrar o caminho para a Terra. Após o episódio O Olho de Júpiter, ele é capturado pela tripulação da Galactica e submetido a um julgamento pelos seus supostos crimes em Nova Caprica. Para revolta de muitos, ele é absolvido após um depoimento de Lee, no qual ele defende que Baltar não poderia ser culpado por uma situação em que a única alternativa era se entregar aos cylons.

Baltar de 1978[editar | editar código-fonte]

O primeiro Baltar, interpretado por John Colicos, era totalmente diferente. Era um traidor, cooperou voluntariamente com os cylons e, após a destruição das Doze Colônias do Homem, foi conduzido ao comando de uma baseship para perseguir o que restava da raça humana.

No final da temporada de 1978, ludibriado pelo Conde Iblis (um dos misteriosos seres do episódio A Guerra dos Deuses), Baltar rende-se a Adama e é tornado prisioneiro na Galactica. No seriado de 1980, ele não aparece.

Precedido por
desconhecido
Vice-Presidente das Doze Colônias de Kobol
(temporada 1 - 2.5)
Sucedido por
Tom Zarek
Precedido por
Laura Roslin
Presidente das Doze Colônias de Kobol
(temporada 2.5+)
Sucedido por
Laura Roslin