Galena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Galena

Galena é um mineral composto de sulfeto de chumbo(II), e o mais importante dos minérios do chumbo e praticamente o único. Cristaliza no sistema cúbico, quase sempre em octaedros. Tem cor de chumbo, com um brilho metálico intenso e densidade 7,5. É geralmente encontrada em companhia de quartzo, esfalerita e fluorita. Serve para extração também de prata, pois geralmente contém este metal. Fórmula química: PbS. A galena é um semicondutor e foi utilizado na confecção de diodos detectores antes da popularização do uso de dispositívos de germânio ou silício. É bastante conhecida entre os aficionados em eletrônica por propiciar a confecção de um rudimentar receptor de rádio que não utiliza qualquer tipo de fonte de energia externa para funcionar, o rádio de galena.

Características Físicas[editar | editar código-fonte]

Grupo Principal Não-Silicato
Subgrupo Sulfetos
Composição Química PbS
Classif. quanto a cor Idiocromático
Brilho Metálico
Clivagem Cúbica, perfeita(3d=90º)
Fratura -
Traço Cinza-escuro a preto
Dureza 2 ½
Densidade 7,2
Transparência Opaco

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Galena é o minério primário de chumbo que é utilizado, principalmente, na fabricação de baterias de chumbo-ácido. No entanto, quantidades significativas são também usadas para fazer folhas de chumbo e de tiro. Galena é muitas vezes minado por seu conteúdo de prata (por exemplo, a Mina de Galena, no norte de Idaho).

Galena é um semicondutor com uma pequena banda proibida de cerca de 0,4 eV, que encontraram uso nos primeiros sistemas de comunicação sem fio. Por exemplo, foi utilizado como o cristal em aparelhos de rádio de cristal, em que foi utilizado como um díodo de ponto de contacto para detectar os sinais de rádio. O cristal de galena foi utilizado com um alfinete de segurança ou fio cortante similar, que era conhecido como o "bigode de gato". Fazendo tais conjuntos sem fio era um hobby casa popular na Grã-Bretanha e outros países europeus durante os anos 1930.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Branco, Pércio de Moraes, 2008, Dicionário de Mineralogia e Gemologia, São Paulo, Oficina de Textos, 608 p. il.
  • Dana, Cornelius S. Hurlbut, 1966, Manual de Mineralogia Descritiva.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um mineral ou mineraloide é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.