Garrincha, Alegria do Povo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Garrincha, Alegria do Povo
 Brasil
1962 • p&b • 58 min 
Direção Joaquim Pedro de Andrade
Roteiro Joaquim Pedro de Andrade / Luiz Carlos Barreto / Armando Nogueira / Mário Carneiro / David Neves
Género documentário
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Garrincha, Alegria do Povo é um documentário brasileiro de 1962 sobre o futebolista Manuel Francisco dos Santos, o Mané Garrincha, realizado no apogeu de sua carreira. Bi-campeão mundial em 1958/1962, consagrado no Botafogo de Futebol e Regatas, onde eternizou a camisa número 7, o documentário foi dirigido por Joaquim Pedro de Andrade, com duração de 58 minutos, e é em preto e branco. O original deteriorou-se e o filme só foi restaurado em 2006.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O filme alterna imagens de Garrincha em ação no Botafogo e na Seleção Brasileira, com algumas cenas do cotidiano, a rotina de treinos no Botafogo e a preparação do time para entrar em campo (com aparições dos jogadores da época, como Zagallo, Jairzinho e o goleiro Manga). Garrincha aparece comprando discos na cidade do Rio e depois dançando ao som deles com algumas das suas sete filhas na época ou passeando na sua terra natal, em Pau Grande, distrito de Magé (RJ). Acompanhando as imagens, o narrador Heron Domingues conta fatos sobre a vida do jogador, como o dele morar em uma casa cedida pela industria de tecidos no qual Garrincha e toda a comunidade de Pau-Grande trabalhara ou trabalha. Garrincha é descrito como tendo sido um mau operário, que conseguia dormir mesmo com o barulho das máquinas, mas que não era despedido porque nos fins-de-semana era o destaque nos jogos do time de futebol da fábrica. A narração enfatiza também a história de que Garrincha só soube que suas pernas eram tortas ao ler sobre isso nos jornais.

Com rápidos depoimentos de Garrincha sobre a fama que conquistou, e do médico que descreve a anormalidade no seu joelho, o grande destaque do documentário são as cenas clássicas do craque em campo, seus dribles desconcertantes e seus belos gols defendendo o Botafogo e a Seleção Brasileira de Futebol nos Mundiais.

Foi o primeiro documentário brasileiro sobre um esportista e ganhou o "Prêmio Carlos Alberto Chieza", Festival de Cortina D'Ampezzo, Itália 64.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.