Gathas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os Gathas consistem em 17 cânticos que acredita-se terem sido compostos por Zaratustra, são considerados os textos mais sagrados na fé do Zoroastrismo.

Divisão[editar | editar código-fonte]

São também divididos em cinco grupos, de acordo com a sua métrica original.

  • Os primeiros sete cânticos são chamados de Ahuna-vaiti - Gâthâ = Os Gathas que transmitem Ahuna: o princípio da livre escolha.
  • Os quatro cânticos seguintes são: Ushta-vaiti Gâthâ - Os Gathas = que transmitem Ushta.
  • Os quatro cânticos da frente são: Spenta Mainyu - Gâthas = Os Gathas da Mentalidade Progressista.
  • O cântico em seguida é: Vohû khshathra Gâthâ – O Gatha da boa Organização.
  • O cântico final, incluindo o  Airyêmâ ishyô é: Vahishtâ-Îshti Gâthâ – O Gatha do melhor desejo.

Preservação e sobrevivência do Gathas[editar | editar código-fonte]

A sobrevivência do Gathas até os dias de hoje é resultado de uma história triste com final feliz.

Quando a dinastia Sassânida ganhou a coroa Kayanian, no ano de 224 aD na Pérsia, a língua de Zaratustra tinha se tornado desconhecida e misteriosa.

O Gathas havia sido incorporado numa coleção de escritos posteriores agora conhecidos como Avesta. Esse material só sobreviveu traduzido, comentado e interpretado na língua pahlavi dos sassânidas.

A queda do Império Sassânida no ano de 630 aD e o subseqüente eclipse da religião zoroastriana fez dura a vida dos que continuaram a tradição. Os livros religiosos foram atacados com fúria pelos conquistadores árabes sobrando do Avesta apenas um terço ou menos. Felizmente o Gathas sobreviveu a essa catástrofe.

O contato continuado entre os zoroastrianos que haviam se refugiado na Índia e os que ficaram no Irã entre os séculos XV e XVIII aD, seguido do interesse em estudos orientais por parte de eruditos europeus, ajudou a devolver ao mundo as palavras de Asho Zaratustra. A recuperação do Gathas é relativamente recente. A tradução e os estudos do Gathas hoje disponíveis têm mais ou menos uma centúria. Devemos muito dessa recuperação à curiosidade e paciência dos eruditos ocidentais, orientalistas.

O Gathas no Avesta[editar | editar código-fonte]

A posição dada ao Gathas no Avesta testifica sua importância no conjunto. A saudação, que o introduz, chama de ideais os seus pensamentos e palavras e pede que sejam proclamados. Toda vez que os escritores subseqüentes ao Avesta mencionam o Gathas o fazem com grande deferência. Os cânticos de Zaratustra são apontados como orações rituais a serem recitadas em momentos especiais e tidas como inspiradas por Deus.

Cquote1.svg Ashem vohû vahistem astî ushtâ astî ushâ ahmâi hyat ashâi vahishtâi ashem Cquote2.svg

Asha é o melhor bem. Ela é alegria radiante. Alegria radiante vem à pessoa que pratica o bem somente por apreciá-lo como bem.

Cquote1.svg Ýathâ ahû vairyô

athâ ratush ashât-cît hacâ vanghêush dazdâ mananghô shyaothananâm anghêush mazdâi xshathremcâ ahurâi â Ýim drigubyô dadat vâstârem.

Cquote2.svg

Tanto a organização como a liderança devem basear-se na livre escolha levando-se em conta a retidão e a capacidade. A Boa mente torna possível essa escolha de forma que as ações da vida sejam motivadas em nós pelo Deus de Sabedoria. A Boa organização reabilita os seres oprimidos.