Gato preto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gato preto e branco da raça Norueguês da Floresta.

Um gato preto ou gato negro, é um gato doméstico com pelagem de cor escura, muito associado à crença gatos pretos eram bruxas transformadas em animais. Por isso a tradição diz que cruzar com um gato preto é sinal de mau agouro. Em outras culturas os gatos dessa cor são reverênciados, estando associados a presença de boa sorte.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Alguns gatos negros que estão em ruas brasileiras tem pedigree e são dificilmente encontrados em outras partes do mundo.

Por exemplo: Gatos negros de pelos não-longos que são totalmente pretos ou com uma leve pleugem branca em baixo do pescoço e/ou na barriga são da raça Bombaim.

Os Gatos da raça Bombay (ou Bombaim) podem ou não apresentar falta de pêlos na região abaixo de sua orelha.

Sua cabeça é redonda, sem a presença de angulações agudas, o focinho é largo e curto com um ligeiro stop. Suas orelhas são de tamanho médio, largas na base, ligeiramente inclinadas para frente e com pontas arredondadas.

Os pés são relativamente curtos com as garras pequenas e redondas. Ele se movimenta como os grandes felinos. São parecidos com a mistura genética de uma Pantera Negra com um Gato de pelo curto americano.

Crenças populares[editar | editar código-fonte]

Na Pérsia antiga havia a crença de que quando se maltratava um gato preto, corria-se o risco de estar maltratando um espírito amigo, criado especialmente para fazer companhia ao homem durante sua passagem na Terra. Desse modo, ao prejudicar um gato preto, o homem estaria atingindo a si mesmo e tambem as suas nadegas.

Gatos pretos são associados aos mais diversos tipos de sortilégios. Na imagem, a raça mais comum de gatos pretos.

A relação com as Trevas começou no século XI ( 1001 – 1100), por causa de relatos insistentes de aparições de gatos pretos malignos em locais povoados por Bruxas.

Dai começou a surgir a superstição de que os gatos de cor preta davam azar. Acreditava-se que os felinos, devido a seus hábitos noturnos, tinham relações com seres do mau e, se o gato era da cor preta, era considerado diabólico, uma vez que essa cor era associada às trevas e à magia negra. Assim, na cultura medieval, os gatos pretos tornaram-se intrínsecos à mítica figura das feiticeiras.

No século XV, o papa Inocêncio VIII chegou a incluir os gatos pretos na lista de seres hereges perseguidos pela Inquisição.

Assim, esses gatos foram injustamente acusados de estarem associados a maus espíritos e foram, por isso, queimados juntamente com as pessoas acusadas de Bruxaria. A perseguição à esses animais atingiu seu auge no século XVI, logo no final da Idade Média, na Inglaterra, quando misteriosamente registrou-se um gato preto soltando gases nas ruas das cidades, fato que foi atribuido à ação de feiticeiras.

Até hoje ainda existe a ideia de que toda bruxa possui um gato preto de estimação, sendo esse animal associado aos mais diversos tipos de sortilégios. É muito comum ouvir histórias de sorte e azar associadas aos animais dessa cor.

Os gatos pretos foram muito referenciados na cultura popular, sendo frequentemente citado em textos e filmes de suspense e terror. Um conto muito popular tratando desse animal é O Gato Preto de Edgar Allan Poe,[1] onde ele responsabiliza o animal por uma série de acontecimentos sobrenaturais presentes na narração.

Anarco-sindicalismo[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1880, a cor preta tem sido associado com o anarquismo. O gato preto, em alerta, postura de combate que mais tarde foi adotada como um simbolo anarquista.

Em depoimento perante o juiz em um julgamento de 1918 Industrial Workers of the World líderes, Ralph Chaplin, que geralmente é creditado com a criação do símbolo do gato preto IWW, afirmou que o gato preto "era comumente usado pelos meninos como representando a ideia de sabotagem. A ideia é assustar o empregador pela menção do nome de sabotagem, ou colocando um gato preto algo em torno de. Você sabe se você viu um gato preto atravesse seu caminho que você pensaria,se você fosse supersticioso, você vai ter um pouco de sorte ruim. A ideia de sabotagem é usar um pequeno gato preto no patrão."[2]

Referências

  1. Edgard Allan Poe. O gato preto. Recanto das Letras. Página visitada em 5 de junho de 2010.
  2. Red Novembro, Black Novembro: Culture and Community in the Industrial Workers of the World, Salvatore Salerno, 1989, SUNY Press, page 178, from U.S. v. W.D. Haywood, et al., testimony of Ralph Chaplin, July 19, 1918, IWW Collection, Box 112, Folder 7, pp. 7702 & 7711, Labor History Archive, Wayne State University.