Gbara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Gbara (pronuncia-se [ɡ͡baɽa]) ou Grande Assembleia no Antigo Império Mali (agora escrito e pronunciado como Bara ou Gara nessas línguas Mandingas sem / gb /) foi o órgão deliberativo do Império Mali, que governou grande parte da África Ocidental durante a Idade Média. Ele primeiramente foi formado em 1235 sob as ordens de Sundiata na constituição Mandinga conhecido como o Kouroukan Fouga.

Função[editar | editar código-fonte]

O Gbara era composto de 32 membros a partir de cerca de 29 principalmente dos clãs mandingas. Os membros desses clãs tinham ajudado Sundiata em sua luta contra Soumaoro Kantè e receberam a voz no governo de Sundiata em retribuição na nova Federação ou Kurufa Manden. Os descendentes desses clãs ocuparam cargos no Gbara e verificaram o poder do imperador (Mansa). Foi presidida por um belen-tigui (mestre de cerimônias), que reconheceu quem queria falar, incluindo a Mansa.

Clãs[editar | editar código-fonte]

O Gbara foi dividido em quatro blocos de votação entre os militares, linhas políticas, religiosas e econômicas. O Djon-Tan-Nor-Woro (por vezes citado como o Ton-Ta-Jon), o que significa portadores de arco, foram a ala militar do Gbara responsável por liderar o exército e, por vezes, que regem províncias (tinkurus) ou municípios (kafos). O bloco puramente político do Gbara foi o clã de Maghan (literalmente 'Clãs dos Príncipes '). Este grupo inclui os clãs imperiais e clãs relacionados que também poderia ascender ao trono. A constituição do Império também incluiu clãs religiosos servindo como marabus ou guias islâmicos à nobreza. Este grupo também funcionava como adivinhos capazes de interpretar presságios e outros acontecimentos. Por último, havia os clãs de Nyamakala ("detentores do Nyama '). Nyama era um poder oculto acreditado como necessário para executar determinadas funções econômicas, especialmente metalurgia ou servindo como um cronista / bardo / griot (jeli / djeli).

Os clãs Djon-Tan-Nor-Woro ('Os portadores do Arco') responsáveis ​​pela defesa, e os descendentes dos generais Sundiata Keita eram melhores soldados:

  • Dansouba
  • Diaby
  • Diakité (Jakite)
  • Diallo (Jallow)
  • Diawara (Jawara)
  • Fofana
  • Kamara (Camara)
  • Kamissoko
  • Koita
  • Konde (o clã dos Sankar-Zuma)
  • Koroma
  • Magassouba
  • Sako
  • Sangaré
  • Sidibé
  • Traoré (Trawore)

Os 4 clãs Maghan (Príncipes) responsáveis pela liderança:

  • Danhou / Douno / Somono / Sumano (o clã do "mestre das águas" Tigi-Dyi ou responsável pelo rio na viagem e na pesca)
  • Keita (o clã dos mansas)
  • Konaté
  • Koulibaly (Coulibaly)

Os 5 Mori-Kanda-Lolou ('Guardiões da Fé') clãs responsáveis ​​pelo ensino islâmico e conselhos:

  • Bérété
  • Cissé (Ceesay)
  • Diane (Janneh)
  • Koma
  • Sylla (Sillah)

Os sete clãs Nyamakala (detentores do Nyama, o poder oculto da vida / força criativa / Axé) :

  • Diabate (Jeliw / Djeliw; cronistas e cantores)
  • Kanté (Numun-Fin; ferreiros cujas esposas são frequentemente oleiras)
  • Kamara (Numun-Siaki; esses homens trabalham metais preciosos e jóias)
  • Kamara (Finè; mediadores de conflitos e locutores; oradores sem música)
  • Koroma (Noumoun-Kule; essess homens fazem arte trabalhando a madeira)
  • Kouyate (Jeliw / Djeliw da Mansa e Belen-Tigui na Gbara)
  • Sylla (Garanke = "coureiros" ou fabricantes de sapatos, arreios, e almofadas)