GeForce 256

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde setembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
NVIDIA GeForce 256
KL NVIDIA Geforce 256.jpg

GPU NV10 (Geforce 256)
Codinome NV10
Lançado em 31 de agosto de 1999
GPU Intermediária GeForce 256 SDR
GPU Topo-de-linha GeForce 256 DDR
Versão DirectX Direct3D 7.0
Concorrência Radeon R100

GeForce 256 foi o primeiro produto da família GeForce da nVidia. Lançado em 31 de agosto de 1999, a GeForce 256 ia além de sua antecessora RIVA TNT2 pelo aumento do número de pipelines, realização de cálculos de iluminação e geometria (T&L) e adição de recursos para compensação de movimento em vídeo MPEG-2. Possibilitou um salto considerável em desempenho em jogos poligonais e foi o primeiro acelerador gráfico compatível com o padrão Direct3D 7. A GeForce 256 estabeleceu definitivamente a nVidia como líder de mercado e foi um dos motivos da queda de diversos concorrentes no mercado, especialmente a 3dfx. Um ano após seu lançamento, apenas a ATI com sua família Radeon continuaria a oferecer concorrência à nVidia.

O nome GeForce 256 surgiu de um concurso organizado pela nVidia no começo de 1999. Conhecido como "Name That Chip" (algo como "nomeie aquele processador" em português), o concurso convidava o público a batizar o sucessor da linha RIVA TNT2 de processadores gráficos. Cerca de 12.000 sugestões foram recebidas e, como prêmio, sete pessoas receberam placas RIVA TNT2 Ultra.[1] [2]

Concorrentes[editar | editar código-fonte]

O sucesso da nVidia resultou na queda dos concorrentes 3dfx, Matrox e S3 Graphics cujos produtos não eram competitivos com o novo processador. Os produtos destas empresas, que incluiam processadores como o Voodoo3 da 3dfx, Matrox G400 e S3 Savage4 eram compatíveis apenas com a API Direct3D 6.

Canopus GeForce 256 DDR.

No final de 1999 a S3 Graphics lançou o processador Savage 2000, logo após a GeForce 256. Supostamente equivalente à GeForce 256, possuía metade dos transístores (12 milhões frente aos 23 da GeForce 256), o que o tornava mais barato de fabricas. Possuia capacidades de T&L (transform and lighting) também, mas não estava ativado devido a existência de drivers Direct3D 6 apenas - sua ativação forçada resultava em instabilidades e erros de renderização. Conseqüentemente, o desempenho da Savage 2000 nunca foi páreo à GeForce 256 e a S3 Graphics acabou não disponibilizando drivers Direct3D 7.[3]

A reação inicial da ATI à GeForce 256 foi a placa Rage Fury MAXX, que utilizava dois processadores Rage 128, cada um desenhando um quadro, a placa chegava a se equiparar ao desempenho do modelo SDR, mas ainda ficava abaixo da GeForce 256 DDR.[4] O modelo com os mesmos recursos da GeForce 256 só viria meses depois na forma da Radeon. Entretanto, ao ser lançada, a Radeon tinha como concorrente a sucessora da GeForce 256, a GeForce 2 GTS, que possuía um desempenho geral superior.[5]

Comparação entre as GPU's da série[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. NVIDIA "Name That Chip" contest results, "nvidia.com" pelo Wayback Machine.
  2. Taken, Femme. (17 de abril de 1999) nVidia "Name that chip" contest, "tweakers.net" (em neerlandês) - acessado em 2007-12-24.
  3. Yu, James. (15 de novembro de 1999) Diamond Viper II Z200 Savage2000 Review, "Firing Squad" - acessado em 2007-12-24.
  4. Fastsite. (4 de fevereiro de 2000) ATI RAGE FURY MAXX Review, "X-bit Labs" - acessado em 2007-12-24.
  5. Witheiler, Matthew. (17 de julho de 2000) ATI Radeon 64MB DDR, "AnandTech" - acessado em 2007-12-24.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Concorrentes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre hardware é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.