Geert Hofstede

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Geert Hofstede (Haarlem, 2 de outubro de 1928) é um psicologo neerlandês. Ele foi inspirado pelo culturalismo. Sua visão da cultura é baseada na definição dada pelo antropólogo americano Kluckhohn: « a cultura é o modo de pensar, de sentir e de reagir de um grupo humano, sobretudo recebida e transmitida pelos símbolos, e que representa sua identidade específica: ela inclui os objetos concretos produzidos pelo grupo. O coração da cultura é constituído de ideias tradicionais e de valores que estão ligados ».

Ele é autor de Culture's Consequences[1] e Cultures and Organizations, Software of the Mind, co-autoria com seu filho Gert Jan Hofstede.[2] Os estudos de Hofstede demonstraram que existem grupos culturais nacionais e regionais que afetam o comportamento de sociedades e organizações, e que são muito persistentes através o tempo.

Diferenciação cultural[editar | editar código-fonte]

Hofstede encontrou cinco dimensões culturais baseando-se em um estudo com os funcionários da IBM em 40 países:

  • A distancia hierárquica,
  • O controle da incertitude,
  • O individualismo e o coletivismo,
  • A dimensão da quantidade na vida versus a qualidade de vida,
  • A orientação curto prazo/médio prazo.

A distância hierárquica[editar | editar código-fonte]

Significa a aceitação da desigualdade de poder por alguém que é submetido.

A redução da incerteza[editar | editar código-fonte]

Refere-se ao grau de tolerância que uma cultura pode aceitar face à ansiedade provocada por eventos futuros.

Individualismo e coletivismo[editar | editar código-fonte]

Expressa o grau de liberdade de um indivíduo contra um grupo.

De outra modo, expressa o grau de autonomia frente ao grupo e às normas sociais, a mais ou menos grande solidariedade do grupo e o grau de compromisso [e apego] com os valores da comunidade.

A dimensão da quantidade na vida versus a qualidade de vida[editar | editar código-fonte]

A quantidade na vida refere-se ao grau de prevalencia de valores como a agressividade, a busca por dinheiro e bens materiais e a competitividade. A qualidade de vida refere-se ao grau em que as pessoas valorizam os relacionamentos e mostram sensibilidade e preocupação com o bem estar dos outros. [Comportamento Organizacional, Stephen P. Robbins, 11ª Edição]

A orientação curto prazo/médio prazo[editar | editar código-fonte]

O próprio autor associa o longo prazo aos valores da virtude. Os valores associados ao curto prazo são o respeito pelas tradições e o cumprimento das obrigações sociais.

Os valores associados a uma visão de longo prazo (dito "verdade") são economia e perseverança.

Artigos[editar | editar código-fonte]

  • Hofstede, Geert. (July 1978). "The Poverty of Management Control Philosophy". The Academy of Management Review 3 (3): 450–461 pp..

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Hofstede, Geert. Culture's Consequences: comparing values, behaviors, institutions, and organizations across nations. 2nd ed. Thousand Oaks, CASAGE Publications, 2001. OCLC 45093960 ISBN 9780803973237
  2. Hofstede, Geert; Hofstede, Gert Jan. Cultures and organizations: software of the mind. Revised and expanded 2nd ed. New YorkMcGraw-Hill, 2005. OCLC 57069196 ISBN 9780071439596

Ligações externas[editar | editar código-fonte]