Geleia de Wharton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A geleia de Wharton (substantia gelatinea Funiculi umbilicalis) é uma substância gelatinosa dentro do cordão umbilical também presente no humor vítreo do globo ocular, em grande parte composta de mucopolissacarídeos (ácido hialurónico e sulfato de condroitina). Ela também contém alguns fibroblastos e macrófagos. [1] É derivada do mesoderma extra-embrionário.

Oclusão do cordão umbilical[editar | editar código-fonte]

Ver também

Como tecido da mucosa ela protege e isola veias umbilicais. A geleia de Wharton, quando exposta a mudanças de temperatura, grampeia estruturas dentro do cordão umbilical e, portanto, fornece um aperto fisiológico no cordão (uma média de) 5 minutos após o nascimento.

As células-tronco[editar | editar código-fonte]

As células na geleia de Wharton expressam vários genes de células-tronco, incluindo a telomerase. Elas podem ser extraídas, cultivadas e induzidas a se diferenciarem em tipos de células maduras, tais como neurónios. [2] A geleia de Wharton é, portanto, uma fonte potencial de células-tronco adultas (veja também o método mais comum de armazenar sangue do cordão umbilical). [3] As células-tronco mesenquimais podem gerar outros tecidos do corpo como músculo, osso e gordura.

A geleia de Wharton é uma região preferida pelos geneticistas para a pesquisa e preservação de células-tronco.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Recebeu o nome do médico e anatomista inglês Thomas Wharton (1614-1673), que a descreveu pela primeira vez em sua publicação Adenographia, ou "A descrição das glândulas de todo o corpo", publicada pela primeira vez em 1656 [5]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Geleia de Wharton no Dicionário Médico Merriam-Webster.
  2. KE Mitchell, Weiss ML, Mitchell BM, Martin P, Davis D, L Morales, Helwig B, Beerenstrauch M, Abou-Easa K, Hildreth T, D Troyer, Medicetty S. células da matriz de neurônios da Wharton forma de geléia e glia. Células Tronco. 2003;. 21 (1) :50-60
  3. http://www.stemcellnews.com/articles/stem-cells-adult-stem-cells.htm Wharton's Jelly, Hair Follicles New Sources of Adult Stem Cells, Studies Find ] StemCellNews.com, 13 May 2005.
  4. http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1142908-pais-congelam-celulas-tronco-do-tecido-do-cordao-umbilical-dos-filhos.shtml
  5. Warton T. In: Wharton. Adenographia: sive glandularum totius corporis descriptio. [S.l.: s.n.], 1656. 243-44 pp..