Genética populacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte da série sobre Biologia
Evolução
Image of the tree of life showing genome size.
Mecanismos e Processos

Adaptação
Deriva genética
Especiação
Fluxo gênico
Isolamento reprodutivo
Mutação
Seleção natural

Pesquisa e história

Introdução
Evidência
História evolutiva da vida
História
Síntese moderna
Efeito social
Teoria e fato
Objeções / Controvérsia

Campos da biologia evolucionária

Cladística
Genética ecológica
Desenvolvimento evolucionário
Psicologia evolutiva
Evolução humana
Evolução molecular
Filogenia
Genética populacional

Portal Evolução · Portal Biologia · v  e 

Genética de populações é o ramo da Biologia que estuda a distribuição e mudança na frequência de alelos sob influência das quatro forças evolutivas: seleção natural, deriva gênica, mutação e fluxo gênico.[1] A genética populacional também busca explicar fenômenos como especiação e adaptação ao ambiente. E esta adaptação pode ser explicada por meio de norma de reação. Dessa forma, a genética das populações é parte vital da síntese evolutiva moderna, seus principais fundadores foram Sewall Wright, Sir Ronald Fisher e J. B. S. Haldane.

A fundação dessa disciplina se baseia no fato de que, respeitadas certas premissas básicas em uma população (ausência de seleção natural e ausência de mutação no locus em questão, ausência de migração e tamanhos populacionais infinitamente grandes, entre outras), as frequências dos alelos e dos pares de alelos (genótipos) podem ser calculadas segundo fórmulas derivadas do chamado Princípio do Equilíbrio de Hardy-Weinberg[2] :

Em um locus com apenas dois alelos segregando em uma população diploide de reprodução sexuada, temos:

[f(A)= p] Frequência relativa de "A" (a probabilidade de que um alelo sorteado ao acaso na população seja "A")

[f(a)= q] Frequência relativa de "a" (a probabilidade de que um alelo sorteado ao acaso na população seja "a")

[p + q = 1] As frequências de "A" e "a" somam 100%

onde, "a" é o alelo recessivo e "A", o alelo dominante. As frequências relativas de cada alelo também representam as respectivas frequências de gametas disponíveis para formar os indivíduos da próxima geração nesta população.

Para o par de alelos "A" e "a" temos três situações em relação à formação de zigotos após uma rodada de acasalamentos aleatórios:

[f(AA)=f(A).f(A)=p.p=p² (par de alelos dominantes)] Frequência de genótipos AA

[f(Aa)=[f(A).f(a)]+ [f(a).f(A)]= 2.p.q (par de alelos distintos formando heterozigotos)] Frequência de genótipos Aa

[f(aa)=f(a).f(a)=q.q=q² (par de alelos recessivos)] Frequência de genótipos aa

[P²+2PQ+Q²=1] As frequências dos três genótipos possíveis somam 100%

Referências

  1. Gillespie, John H. Population Genetics: A Concise Guide. Baltimore/London: The Johns Hopkins University Press, 1998. 169 p. p. 19-48. ISBN 0-8018-5755-4
  2. Hartl, Daniel L.; Clarck, Andrew G. Principles of Population Genetics. 3ª ed. Sunderland, Massachusetts: Sinauer Associates, 1997. 542 p. p. 74-86. ISBN 0-87893-306-9

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Genética
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.