Genealogia acadêmica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um exemplo de genealogia acadêmica, a relação entre o topologista Johannes De Groot e seu homônimo, também, um topologista neerlandês, cujas ligação partem de quatro diferentes caminhos de supervisão acadêmica

Uma genealogia acadêmica ou científica é uma tentativa de organizar um árvore genealógica de cientistas e acadêmicos de acordo com suas relações de supervisão de relacionamentos.

Estes projetos foram desenvolvidos por matemáticos e em alguns ramos da química e física, e banco de dados específicos existentes na web. Em alguns casos, as ligações em tais dados não são apoiadas por provas documentais. Além disso, a metodologia de implementação de dissertação não era igualmente implementada em todas as universidades. Notavelmente, a Universidade de Cambridge não requisitava tese de doutoramento formal até 1919, e, portanto, autoridades acadêmicas na genealogia tendem a substituir um mentor equivalente.

Uma árvore genealógica acadêmica é um grafo conexo acíclico que é comumente utilizado para documentar e facilitar o entendimento a respeitos de estudos de cunho acadêmico (relações de orientação acadêmica)[1] . Uma arvore de genealogia acadêmica é uma estrutura em que cada vértice é um orientador acadêmico e as arestas (direcionadas) representam as relações de orientação. A estruturação de árvores de genealogia acadêmica, por meio de relações de orientação, pode ser de grande utilidade para o registro histórico de grupos atuantes em específicas áreas do conhecimento [2] .

Um conjunto de arvores pode ser denominado floresta[2] . As florestas acadêmicas podem ser utilizadas para caracterização de qualquer área do conhecimento por meio de métricas que permitam, através de análises estatísticas e técnicas de reconhecimento de padrões, extrair conhecimento relevante[3] .

Referências

  1. Hamberger, Klaus; Michael Houseman, and R. White Douglas. (2011). "Kinship network analysis". The Sage Handbook of Social Network Analysis: 533-549 pp.. Página visitada em 06/06/2014.
  2. a b L. Rossi, J.P. Mena-Chalco (01/05/2014). Caracterização de árvores de genealogia acadêmica por meio de métricas em grafos. BRASNAM - III Brazilian Workshop on Social Network Analysis and Mining. Página visitada em 07/06/2014.
  3. Derrida, Bernard; Susanna C. Manrubia, and Damián H. Zanette. (1987). "Statistical Properties of Genealogical Trees". Phys. Rev. Lett. (82). DOI:http://dx.doi.org/10.1103/PhysRevLett.82.1987.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]