Cassiano (músico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Genival Cassiano dos Santos)
Ir para: navegação, pesquisa
Cassiano
Informação geral
Nome completo Genival Cassiano dos Santos
Nascimento 16 de setembro de 1943 (70 anos)
Local de nascimento Campina Grande,  Paraíba
 Brasil
Gênero(s) Soul, funk, MPB
Instrumento(s) Vocal, guitarra
Período em atividade 1964 - atualmente
Gravadora(s) CBS, RCA, EMI-Odeon, Columbia, Universal
Afiliação(ões) Os Diagonais, Tim Maia, Hyldon, A Turma da Pilantragem, Nonato Buzar, Alcione, Gilberto Gil, Nana Caymmi, Cláudio Zoli, Ed Motta, Djavan, Marisa Monte, Luiz Melodia, Sandra de Sá, Karla Sabah, Racionais MC's
Influência(s) Otis Redding, Stevie Wonder, Lupicínio Rodrigues
Influenciado(s) Banda Black Rio, Ed Motta

Genival Cassiano dos Santos (Campina Grande, 16 de setembro de 1943) é um cantor, compositor e guitarrista brasileiro. Precursor da música soul brasileira, com influências que vão desde o rhythm and blues de Otis Redding, o soul de Stevie Wonder e outros, bem como o samba canção de Lupicínio Rodrigues. Devido ao comportamento controverso, assim como o do amigo Tim Maia, ambos se auto-intitulavam músicos doidões.[1] Entre seus sucessos destacam-se "A Lua e Eu" e "Coleção", na sua voz, "Primavera (Vai Chuva)", gravada por Tim Maia, ""Mister Samba", na voz de Alcione e "Morena", interpretada por Gilberto Gil.

Infância[editar | editar código-fonte]

Nascido na Paraíba, viveu pouco tempo no Estado sendo que uma das poucas lembranças que tem dessa época é a amizade que seu pai tinha com Jackson do Pandeiro.[2] No fim da década de 1940 mudou-se com a família para o Rio de Janeiro e trabalhou como assistente de pedreiro. Foi nessa época que aprendeu com o pai os primeiros acordes de bandolim e violão.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Iniciou a carreira aos 21 anos, tocando violão no "Bossa Trio", que daria origem ao grupo vocal Os Diagonais - formado inicialmente por Cassiano, Camarão (seu irmão) e Amaro[3] - com quem viajou por cidades mineiras e baianas e tocou na noite do Rio e de São Paulo ao longo da década de 1960. Em 1969, o grupo gravou alguns compactos pela CBS e Cassiano viria a se tornar conhecido em 1970, quando participou como guitarrista no primeiro disco de Tim Maia, que gravou duas composições suas em parceria com Sílvio Rochael, "Eu Amo Você" e "Primavera (Vai Chuva)", e elas logo se tornaram sucessos naquele ano.[4]

No ano seguinte, o grupo consegue gravar um disco pela RCA, Cada um na Sua, no qual estavam incluidas "Não Dá pra Entender" e "Clarimunda", ambas de sua autoria. No mesmo ano, sai em carreira solo e lança seu primeiro LP, também pela RCA, Imagem e Som. Neste LP, interpretou "Ela Mandou Esperar" e "Tenho Dito", ambas em parceria com Tim Maia, e, ainda, "Primavera (Vai Chuva)" e "Uma Lágrima".

No ano de 1973, pela gravadora Odeon, lançou Apresentamos o nosso Cassiano, disco no qual interpretou dez composições de sua autoria, entre elas "Cedo ou Tarde" (em parceria com Suzana), "Me Chame Atenção" (composta com Renato Britto) e "Castiçal". Como cantor e intérprete, fez sucesso em 1976 com "A Lua e Eu" (em parceria com Paulo Zdanowski), tema da novela O Grito, da Rede Globo, gravada no LP Cuban Soul. No ano seguinte, obteve novamente notoriedade com a música "Coleção" (também com Paulo Zdanowski), incluída na trilha sonora da novela Locomotivas, também da Globo. No ano de 1978, foi obrigado a retirar um pulmão por motivos de saúde, sendo, então, obrigado a abandonar a carreira de intérprete.[1] Cassiano, porém, prosseguiu compondo.

Em 1988, Cláudio Zoli gravou "Não Dá pra Entender" (em parceria com Cláudio Zoli e Ronaldo Santos). No ano de 1991, participou do songbook de Noel Rosa, editado pela Lumiar, e lançou o disco Cedo ou Tarde, que contou com as participações de Ed Motta, Djavan, Marisa Monte, Luiz Melodia, Sandra de Sá, Karla Sabah e Cláudio Zoli, acompanhados pela sua banda Dancing Club, formada por Cassiano na guitarra, Silvio da Costa na bateria, Jomar no baixo, Cássia Maria no piano e Júlio Gamarra na percussão. Nesse LP, além de sucessos antigos regravados, constam também novas composições, com destaque para "Know-how".

Em 1998, foi lançada pela gravadora Universal a coletânea Velhos Camaradas disco que reuniu alguns sucessos de Cassiano, Tim Maia e Hyldon. No ano seguinte, sua composição "Férias" (parceria com Índio) deu título ao disco de Cláudio Zoli lançado pela gravadora Trama. No ano 2000, pela gravadara Dubas Música, foi lançada a coletânea Coleções com várias composições de sua autoria. No ano seguinte, em comemoração aos 100 anos da RCA, a empresa relançou em CD parte de seu acervo, no qual estão incluídos os álbuns Imagem e Som e Cuban Soul. Ainda neste ano, a gravadora Dubas Música, do compositor Ronaldo Bastos, convidou Ed Motta para organizar uma nova coletânea das composições de Cassiano. Neste mesmo ano, os Racionais MC's o convidaram para participar do novo disco dos rappers paulistas, e a banda carioca Clave de Soul, em seu primeiro CD, Dançar É Bom, interpretou, de sua autoria, "Tá Dando Mole".

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com Os Diagonais[editar | editar código-fonte]

  • 1969 - Os Diagonais

Álbuns de estúdio na carreira solo[editar | editar código-fonte]

  • 1971 - Imagem e Som
  • 1973 - Apresentamos nosso Cassiano
  • 1976 - Cuban Soul
  • 1991 - Cedo ou Tarde

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - Velhos Camaradas – Tim Maia, Cassiano e Hyldon
  • 2000 - Coleções
  • 2001 - Velhos Camaradas 2 – Tim Maia, Cassiano e Hyldon

Referências

  1. a b c "Verbete Cassiano" - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.
  2. "Onda black 'redescobre' Cassiano" - Estadão.com, em 20 de novembro de 2001, Página visitada em 01 de agosto de 2012.
  3. NOGUEIRA, Elias. "Entrevista". Publicado em agosto de 2010. Página visitada em 31 de julho de 2012.
  4. Sérgio Martins (25/10/2000). Alma de ouro. Revista Veja. Página visitada em 16/06/2010.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

"Verbete Cassiano no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira"