Genocídio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Buchenwald-bei-Weimar-am-24-April-1945.jpg

Corpos de prisioneiros do campo de extermínio de
Buchenwald, após o fim da Segunda Guerra Mundial

Principais genocídios
 •De armênios no Império Otomano (1915)
Estimativa de mortos: 1,5 milhão
 •De filipinos na Guerra Filipino-Americana (1899-1913)
Estimativa de mortos: 1,5 milhão
 •De assírios no Império Otomano (1915)
Estimativa de mortos: 500 a 750 mil
 •De indígenas nos Estados Unidos (1778-1911)
Estimativa de mortos: 13 milhões
 •De ucranianos na União Soviética (1932-1933)
Estimativa de mortos: 2,6 a 10 milhões
 •De judeus na Alemanha nazista (1939-1945)
Estimativa de mortos: 6 milhões
 •De minorias no Camboja (1975-1979)
Estimativa de mortos: 2 milhões
(25% da população à época)
 •De minorias em Kosovo (1997-1999)
Estimativa de mortos: 300 mil
 •De tutsis em Ruanda (1994)
Estimativa de mortos: 800 mil
 •De minorias no Sudão (2003-atual)
Estimativa de mortos: 400 mil

Genocídio - geralmente é definido como o assassinato deliberado de pessoas motivado por diferenças étnicas, nacionais, raciais, religiosas e, por vezes, sócio-políticas (ver: engenharia social). O objetivo final do genocídio é o extermínio de todos os indivíduos integrantes de um mesmo grupo humano específico. Existe controvérsia entre vários estudiosos, quanto ao fato de se designar ou não, como genocídio os assassinatos em massa por motivos políticos. O genocídio é um tipo de limpeza étnica.

Definições[editar | editar código-fonte]

Significados jurídico e coloquial[editar | editar código-fonte]

Há uma discrepância entre o significados legal e coloquial da palavra, o que dá origem a mal-entendidos e debates amargos sobre o assunto.

Do ponto de vista legal, o genocídio, seja cometido em tempo de paz, quer em tempo de guerra é um crime sob o direito internacional. Tanto a Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio, de 1948, quanto o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional (TPI), em 1998, contem uma definição idêntica:[1]

Artigo II - Na presente Convenção, entende-se por "genocídio" qualquer dos seguintes atos, cometidos com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso, tal como:
A) Assassinato de membros do grupo.
B) Dano grave à integridade física ou mental de membros do grupo;
C) Submissão intencional do grupo a condições de existência que lhe ocasionem a destruição física total ou parcial;
D) Medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo;
E) Transferência forçada de menores do grupo para outro grupo.

Na linguagem comum, no entanto, o termo tem um significado diferente:[2]

Destruição metódica de um grupo étnico pela exterminação dos seus indivíduos.

Este segundo significado é usado por muitas pessoas qualificar como genocídio determinadas violências que, na realidade, não se encaixam na definição do crime de genocídio, conforme definido internacionalmente.[3]

O primeiro esboço da Convenção incluiu assassinatos de grupos políticos e sociais, mas estas disposições foram removidos num compromisso político e diplomático na sequência de reclamações de alguns países, incluindo a União Soviética, membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.[4] [5] A URSS, argumentou que a definição da Convenção deveria seguir a etimologia do termo,[5] e temia uma maior investigação internacional do Grande Expurgo.[4] Outras nações temiam que a inclusão de grupos políticos e sociais na definição de genocídio, pudesse provocar intervenções internacionais em suas políticas internas.[5]

Definição jurídica[editar | editar código-fonte]

Vídeo: Raphael Lemkin, descrevendo a origem da palavra genocídio.

O termo foi criado pelo jurista judeu polonês Raphael Lemkin, em 1944, juntando as palavras génos (do grego γένος = família, tribo ou raça) e -caedere (do latim = matar).[6] Foi criado como um conceito específico para designar crimes que têm como objetivo a eliminação da existência física de grupos nacionais, étnicos, raciais, e/ou religiosos.[6] Em contraste, "direitos humanos", tais como definidos pela Declaração dos Direitos dos Cidadãos dos Estados Unidos ou pela Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948, dizem respeito a direitos individuais. Seus estudos iniciais basearam-se no genocídio armênio (1915-1923) cometido pelo império otomano e, desde então, dedicou sua vida a conseguir que as normas internacionais definissem e proibissem o "genocídio" de maneira que se introduzisse para os grupos o conceito de que homicídio refere-se a indivíduos, e o reconhecimento do seu direito à vida.[7]

Refugiado nos Estados Unidos em 1939, fugindo da perseguição nazista, Lemkin esforçou-se para denunciar as atrocidades do nazismo ("o crime sem nome" segundo Winston Churchill),[8] que culminou com a publicação em 1944, do livro Axis Rule in Occupied Europe ("O Poder do Eixo na Europa ocupada),[9] trabalho em que usou pela primeira vez o termo genocídio.[10] [11] Segundo historiador francês Bernard Bruneteau, Lemkin viu no surgimento do crime de genocídio como "o ponto de partida para um novo direito internacional".[11]

Com genocídio dos judeus (Holocausto) pelo regime nazi, Lemkin fez campanha pela criação de leis internacionais, que definissem e punissem tal crime. Esta pretensão tornou-se realidade em 1951, com a Convenção para a prevenção e repressão do crime de genocídio.[1]

No livro Axis Rule in Occupied Europe, estão listadas todas as políticas nazistas que visavamm a destruição dos povos judeu e polonês e das suas características nacionais, religiosas e étnicas. Para Lemkin, como salientado pelo professor Bruneteau "o genocídio ia além da eliminação física em massa, o que na sua opinião era um caso extremo e excepcional; foi sim uma multiplicidade de ações destinadas a destruir as bases de sobrevivência de um grupo enquanto grupo. Foi a síntese dos vários atos de perseguição e destruição". Então Lemkin propôs uma resposta abrangente à noção de genocídio, que incluiu atos que mais tarde viriam a ser definidos como etnocídio. "De certa forma, a morte era o resultado, não o meio, o fim pretendido. Neste ato de genocídio perpetrado pelo Terceiro Reich, Lemkin viu, além disso, a síntese e cumprimento de todas as atrocidades do passado, tanto na Idade Antiga e na Idade Média procurou destruir fisicamente alguns grupos, tais como aqueles na Idade Moderna, tentando aniquilá-los culturalmente. A Europa nazista, continuadora destas práticas antigas, hierarquizava grupos visando sua aniquilação física imediata (judeus e ciganos) ou a sua extinção sociocultural (no caso dos povos eslavos). Nota-se, então, que Lemkin não queria nomear um novo fenômeno, mas sim denominar uma prática secular da humanidade designando-a como um crime sob a lei internacional."[11]

Após o fim da II Guerra Mundial, Lemkin dedicou todos os seus esforços para o reconhecimento internacional do crime de genocídio. Em Abril de 1946, ele publicou um artigo no jornal americano Scholar que teve muito impacto, mas o termo genocídio, ainda que usado pela acusação no julgamento de Nuremberg, os juízes não o aplicaram na sentença de condenação dos líderes nazistas, mas sim "crime contra a humanidade", estabelecido na Carta de Londres.[11]

O acordo ou carta de Londres (8 de Agosto de 1945) estabeleceu o estatuto do Tribunal de Nuremberg e definiu crime contra a humanidade como "assassinato, extermínio, escravidão, deportação e outros atos desumanos cometidos contra qualquer população civil, ou a perseguição por motivos religiosos, raciais ou políticos, quando tais atos ou perseguições feitos em conexão com qualquer crime contra a paz ou qualquer crime de guerra". Por outro lado, a Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra e dos Crimes Contra a Humanidade (1968) [12] define o genocídio como crime contra humanidade.[13]

No entanto, no final de 1946, a Assembleia Geral da ONU, recém criada, aprovou a Resolução 96, em que o termo "genocídio" apareceu pela primeira vez num documento internacional. A resolução definiu-o como "uma negação do direito à vida de grupos humanos", independentemente que "estes grupos raciais, religiosos, políticos ou outros tenham sido destruídos no todo ou em parte"; e, portanto, como um crime nos termos da lei em qualquer lugar. Assim, a resolução não fez distinção entre "crime contra a humanidade", aplicado em Nuremberg, e genocídio, deixando o último de certa forma incluído na primero.[11]

A separação entre os dois tipos de alegações veio dois anos depois, e diferenciação se manteve até hoje, quando em 16 de Dezembro de 1948, a Assembléia Geral da ONU adotou a Convenção sobre Genocídio que seria ratificada por cada um dos Estados-Membros. Da aprovação da Convenção sobre Genocídio, surgiu o Tribunal Internacional de Justiça, "de acordo com a idéia lemkiana que o ataque a um grupo equivale a atacar toda a humanidade".[10]

A pressão da União Soviética fez com que, a referência a grupos políticos e sociais, fosse excluída da definição de genocídio na Convenção de 1948, incluída na resolução de 1946, salvaguardando assim a política externa stanilista durante a guerra e pós-guerra. Em algumas áreas o termo "genocídio" começou a ser empregado para descrever a anexação dos Estados Bálticos pela União Soviética (ver: ocupações soviéticas). Assim, o artigo II da Convenção considerou genocídio todo ato "cometido com a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso" (mas não "grupos políticos e sociais", como declarou em Resolução 1946).[11]

A definição de genocídio consagrada na Convenção de 1948 foi acolhida no artigo 4º do Estatuto do Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia, de 1993, no artigo 2º do Estatuto do Tribunal Penal Internacional para o Ruanda de 1994, e no artigo 6º Estatuto de Roma de 1998, que criou o Tribunal Penal Internacional.

Definição de genocídio no Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil a Lei Nº 2.889, de 1 de outubro de 1956,[14] define o crime de genocídio e determina suas penas. É considerado crime de genocídio:

Art. 1º Quem, com a intenção de destruir, no todo ou em parte, grupo nacional, étnico, racial ou religioso, como tal:
A) Matar membros do grupo;
B) Causar lesão grave à integridade física ou mental de membros do grupo;
C) Submeter intencionalmente o grupo a condições de existência capazes de ocasionar-lhe a destruição física total ou parcial;
D) Adotar medidas destinadas a impedir os
nascimentos no seio do grupo;
E) Efetuar a transferência forçada de
crianças do grupo para outro grupo;

O Código Penal brasileiro em seu Art. 7º sujeita à lei brasileira o crime de genocídio se cometido no estrangeiro, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil. O agente é punido segundo a lei brasileira, ainda que absolvido (ou condenado) no estrangeiro.

Outras definições e críticas contra a Convenção da ONU[editar | editar código-fonte]

Rudolph Joseph Rummel, criador do conceito de democídio.

William Schabas sugeriu que um órgão permanente, tal como recomendado por relatório da whitaker report, (subcomissão de Promoção e Proteção dos Direitos Humanos) para monitorar a implementação da convenção sobre genocídio, que obrigue os Estados a emitirem relatórios sobre a sua conformidade com a convenção (tais como foram incorporados no protocolo Facultativo à Convençao contra a Tortura e outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos, ou Degradantes), tornaria a convenção mais efetiva.[15]

Escrevendo em 1998, Kurt Jonassohn e Karin Björnson afirmaram que a convenção contra o genocídio era um instrumento legal resultante de um acordo diplomático. Como tal, o texto do tratado não se destina a ser uma definição adequada como ferramenta de pesquisa, e, embora seja utilizado para este fim, já que tem uma credibilidade legal internacional que os outros não têm, outras definições também foram formuladas. Jonassohn e Björnson alegam que nenhuma dessas definições alternativas ganharam apoio generalizado por várias razões.[16]

Jonassohn e Björnson postularam que, a razão principal pela qual nenhuma definição geral de genocídio é aceita, é porque os acadêmicos têm ajustado o seu foco para enfatizar diferentes períodos e usam o expediente de usar definições ligeiramente diferentes para ajudá-los a interpretar os acontecimentos de cada período histórico. Por exemplo Frank Chalk e Kurt Jonassohn estudaram toda a história humana, enquanto Leo Kuper e Rudolph Joseph Rummel em seus trabalhos mais recentes se concentraram no século XX, e Helen Fein, Barbara Harff e Ted Gurr tem olhado para eventos pós-guerra. Jonassohn e Björnson são críticos de alguns desses estudos, argumentando que eles são muito expansivos, e concluem que a disciplina acadêmica de estudos de genocídio é muito recente para ter um cânone de trabalho sobre a qual construir um paradigma acadêmico.[16]

A exclusão de grupos políticos e sociais como alvos de genocídio na definição legal da Convenção tem sido criticada por alguns historiadores e sociólogos, por exemplo M. Hassan Kakar em seu livro The Soviet Invasion and the Afghan Response, 1979–1982 [17] argumenta que a definição internacional de genocídio é muito restrita,[18] e que deve incluir grupos políticos, sociais ou quaisquer grupos assim definidos por parte dos agressores e cita Chalk e Jonassohn: "Genocídio é uma forma de assassinato em massa onde o Estado ou outra autoridade tem a intenção de destruir um grupo, onde este grupo e seus membros são definidos pelo agressor".[19] Embora existam várias definições do termo, Adam Jones afirma que a maioria dos estudiosos do genocídio consideram que "a intenção de destruir" é uma exigência para qualquer ato rotulado como genocídio, e que há um crescente consenso sobre a inclusão do critério de destruição física.[20]

Barbara Harff e Ted Gurr definem genocídio como "a promoção e execução de políticas por parte de um Estado ou seus agentes que resultam na morte de uma parte substancial de um grupo... (quando) os grupos de vítimas são definidas (pelo(s) agressor(es)) principalmente em termos de sua características em comum, ou seja, etnia, religião ou nacionalidade."[21] Harff e Gurr também diferenciam entre genocídios e politicídios pelas características pelas quais os membros de um grupo são identificados pelo Estado. Em genocídios, os grupos de vítimas são definidas principalmente em termos de suas características comuns, ou seja, etnia, religião ou nacionalidade. Em politicídios os grupos de vítimas são definidas principalmente em termos de sua posição hierárquica ou oposição política em relação ao regime e aos grupos dominantes.[22] [23] Daniel D. Polsby e Don B. Kates Jr. declaram que "...nós seguimos a definição de Barbara Harff entre genocídios e pogroms, que ela descreve como "explosões de curta duração por grupos, que, embora muitas vezes tolerados pelas autoridades, raramente persistem." No entanto, Harff argumenta, "Se a violência persistir por tempo suficiente, a distinção entre tolerância e cumplicidade entra em colapso."[24] [25]

O professor de ciências políticas da Universidade do Havaí, Rudolph Joseph Rummel, criou o termo democídio para definir "o assassinato de qualquer pessoa ou pessoas por um governo, incluindo genocídio, politicídio e assassinato em massa." [26] Por décadas, Rummel pesquisa os assassinatos em massa cometidos ao longo da história do mundo e mantém estas informações, com estatísticas sempre atualizadas, disponíveis ao público.[27] Segundo Rummel, genocídio tem 3 significados diferentes:

  1. O significado comum é assassinato por parte do governo de pessoas devido à sua associação nacional, étnica, racial ou religiosa enquanto grupo.
  2. O significado legal de genocídio se refere ao tratado internacional, a Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio. Isso também inclui ações para eliminar o grupo que não envolvem assassinato, tais como a impedir nascimentos ou a transferência forçada de crianças de um grupo para outro.
  3. Um sentido generalizado de genocídio é semelhante ao sentido comum, mas também inclui assassinatos de grupos sociais e opositores políticos do governo ou outra forma de assassinato intencional. Para evitar confusão sobre qual o significado se pretende, Rummel criou o termo democídio para definir este terceiro significado.[28]

Destacando o potencial para agentes estatais e não-estatais para cometerem genocídio no século XXI, por exemplo, em estados falidos ou quando agentes não-estatais adquirem armas de destruição em massa, Adrian Gallagher definiu o genocídio como: "Quando uma fonte de poder coletivo (normalmente m estado) utiliza intencionalmente a sua base de poder para implementar um processo de destruição, a fim de destruir um grupo (conforme definido pelo agressor), no todo ou em parte substancial, dependendo do tamanho relativo do grupo".[29] A definição defende a centralidade de intenções, a compreensão multidimensional de destruir, alarga a definição da identidade do grupo para além da definição de 1948 e, ainda argumenta que uma parte substancial de um grupo tem de ser destruída antes que isto possa ser classificado como genocídio (dependendo tamanho relativo do grupo).

A maior crítica da resposta da comunidade internacional para o genocídio em Ruanda, é que esta foi reativa e não proativa. A comunidade internacional tem desenvolvido mecanismos para perseguir os autores de genocídio, mas não desenvolveu a vontade e/ou os mecanismos para intervir num genocídio quando este ocorre. Os críticos apontam para o conflito de Darfur e alertam que, se alguém for considerado culpado de genocídio após o conflito, quer através de processos judiciais interpostos no Corte Penal Internacional ou no Tribunal Internacional de Justiça ad hoc, isto irá confirmar esta percepção.[carece de fontes?]

Fases do genocídio, causas e prevenção[editar | editar código-fonte]

Em 1996, Gregory Stanton presidente do Genocide Watch,[30] apresentou ao Departamento de Estado dos Estados Unidos, um documento denominado The 8 Stages of Genocide ("Os 8 Estágios do Genocídio") sugerindo que o genocídio ocorre em oito fases que são "previsíveis, mas não inevitáveis."[31] [32] Num artigo de 2006, para o Social Science Research Council, Dirk Moses critica a abordagem Stanton.[33]

O documento de Stanton foi apresentado ao Departamento de Estado, logo após o genocídio em Ruanda e grande parte de sua análise é baseada naquele acontecimento. As medidas preventivas sugeridas no documento, levando em consideração o público-alvo original, indicam que medidas os EUA poderiam adotar, direta ou indiretamente, usando sua influência sobre outros governos.

Fase: Características: Medidas preventivas:
1.
Classificação:
Os indivíduos são classificados como "nós e eles". "A principal medida preventiva neste estágio, é criar instituições que superem as divisões promovendo integração racial."
2.
Simbolização:
"Quando combinados com ódio, símbolos podem causar separação entre os diversos grupos..." "Para combater a simbolização, símbolos de ódio (e discursos de ódio) podem ser proibidos legalmente".
3.
Desumanização:
"Um grupo nega a humanidade do outro. O grupo alvo passa a ser comparado com animais, vermes, insetos, ou doenças." "Líderes locais e internacionais devem condenar o discurso de ódio, fazendo deste, culturalmente inaceitável. Líderes que incitam o genocídio devem ser banidos do convívio internacional e seus recursos financeiros no exterior devem ser congelados."
4.
Organização:
"O genocídio é organizado. Forças especiais ou milícias são armadas e treinadas." "A ONU deve impôr imbargo de armas sobre governos e cidadãos de países envolvidos em genocídios e, criar comissões para investigar violações."
5.
Polarização:
"Grupos de ódio transmitem propaganda polarizadora." "Garantir proteção para líderes moderados ou assistência a grupos de direitos humanos. Golpes de estado por extremistas devem ser combatidos por sanções internacionais".
6.
Preparação:
"Vítimas são identificadas e separadas de acordo com etnia e religião." "Neste estágio, estado de emergência de genocídio deve ser declarado."
7.
Execução:
"É "extermínio" para os assassinos pois acreditam que suas vítimas não são humanas". "Nesta fase, apenas a intervenção armada severa e rápida pode parar o genocídio. Áreas seguras reais ou corredores de evacuação de refugiados deve ser estabelecidas com proteção internacional fortemente armada."
8.
Negação:
"Os autores negam ter cometido os crimes." A resposta para a negação é a punição em tribunais nacionais e internacionais."

Em Abril de 2012, foi noticiado que Gregory Stanton adicionaria oficialmente dois novos estágios: "discriminação" e "perseguição", elevando para 10 o número de fases em sua teoria do genocídio.[34]

Outros autores concentram-se nas condições estruturais que conduzem ao genocídio e os processos psicológicos e sociais que geram condições para ele. Helen Fein[35] mostrou que o antissemitismo pré-existente e sistemas que mantiveram políticas antissemitas foram relacionados com o número de judeus mortos em diferentes países da Europa durante o Holocausto. Ervin Staub mostrou que a deterioração econômica e confusão política e desorganização foram pontos de partida de crescente discriminação e violência, em muitos casos de genocídios e assassinatos em massa. Eles apontam bodes expiatórios para grupo e ideologias que identificou estes grupos como inimigos. A história da desvalorização do grupo que se torna a vítima, a violência do passado contra o grupo que se torna o agressor levando a feridas psicológicas, culturas e sistemas políticos autoritários, e a passividade de testemunhas internas e externas (espectadores), tudo contribui para a probabilidade de que a violência resulte em genocídio.[36] Intensos conflitos não solucionados, que tornam-se insuportáveis e violentos também podem levar ao genocídio. As condições que levam ao genocídio fornecem indicações para a prevenção precoce, tais como humanizar um grupo desvalorizado, criando ideologias que abrangem todos os grupos, e ativar as respostas espectadoras. Há dados substanciais para indicar como isso pode ser feito, mas a informação só é transformada em ação lentamente.[37]

Genocídios ao longo da história[editar | editar código-fonte]

Prisioneiros de guerra soviéticos, nus, no campo de concentração de Mauthausen.
"...o assassinato de pelo menos 3,3 milhões de prisioneiros de guerra soviéticos, é um dos menos conhecidos de genocídios modernos; ainda não há, em língua inglesa, um livro completo sobre este tema." - Adam Jones.[38]

O preâmbulo da Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio afirma que "genocídio é um crime sob a lei internacional, contrária ao espírito e os objectivos das Nações Unidas e condenado pelo mundo civilizado", e que "em todos os períodos da história, o genocídio causou grande perdas à humanidade."

Em muitos casos em que as acusações de genocídio são feitas, "partisans" tem disputado ferozmente a interpretação e os detalhes do evento. Isso muitas vezes leva à promoção de muitas diferentes versões do evento em questão.

Tentativas de revisionismo/negacionismo de desafiar ou negar acusações de genocídio são ilegais em alguns países. Por exemplo, vários países europeus proíbem o negacionismo do Holocausto, enquanto que, na Turquia, referir-se aos assassinatos em massa dos armênios, dos gregos e dos assírios como genocídios pode resultar em processo legal, nos termos do artigo 301, do código penal turco.[39]

Em 12 de Abril de 2015, durante missa na Basílica de São Pedro, que contou com a presença do patriarca da Igreja Ortodoxa Armênia, Karekin II, o Papa Francisco usou o termo "genocídio" para referir-se ao assassinato em massa de armênios pelo Império Otomano.[40] O Papa descreveu aquele genocídio como a primeira de "três grandes tragédias sem precedentes" ocorridas no século XX.[41] As duas seguintes, segundo ele, teriam sido os genocídios resultantes do nazismo e do comunismo e aqueles ocorridos em Ruanda, Burundi e Bósnia.[41] O governo turco protestou e alegou que as mortes de armênios não foram resultado de um genocídio e que, na realidade, estes foram vítimas de uma "guerra civil." [42]

No século passado, nossa humanidade viveu três grandes tragédias sem precedentes. A primeira, considerada geralmente como o primeiro genocídio do século XX, afetou vosso povo armênio, primeira nação cristã, junto com os sírios católicos e ortodoxos, os assírios, os caldeus e os gregos.
 
Papa Francisco[42] .

William Rubinstein argumenta que as origens dos genocídios do século XX podem ser rastreadas desde o colapso da estrutura da elite e dos sistemas convencionais de governo em partes da Europa após a I Guerra Mundial:

A "Era do totalitarismo" incluiu quase todos os exemplos famosos de genocídios na história moderna, encabeçados pelo Holocausto judeu, mas também compreendendo os assassinatos em massa e expurgos do mundo comunista, outros assassinatos em massa realizadas pela Alemanha nazista e seus aliados, e também o genocídio armênio de 1915. Todas estas matanças, argumenta-se aqui, tiveram uma origem comum, o colapso da estrutura da elite e dos sistemas normais de governo de grande parte da Europa central, oriental e do sul, como resultado da I Guerra Mundial, sem a qual certamente nem comunismo nem o fascismo teriam existido, exceto nas mentes dos agitadores desconhecidos e malucos.
 
William Rubinstein, Genocide: A History.[43] .

Sobre a relação entre, pensamento marxista e genocídios, o historiador George Watson afirmou:[44]

Eu não sei se muitas pessoas sabem, mas só o socialismo publicamente advogou genocídio nos séculos XIX e XX. É um fato bastante desconhecido e parece chocante se você mencionar. Eu lecionei aqui (Universidade de Cambridge) e em outras universidades e sempre houve um certo sentido de choque. Primeiro apareceu em Janeiro de 1849, no jornal de Karl Marx, Neue Rheinische Zeitung (Nova Gazeta Renana), Friedrich Engels escreveu:
"Quando a revolução socialista acontecer, a guerra de classes, haverão sociedades primitivas na Europa dois estágios atrás, porque nem sequer são capitalistas ainda."
Ele tinha em mente os
bascos, bretões, escoceses e sérvios. Chamava-os de Völkerabfälle ("'lixo racial"). E eles teriam que ser exterminados porque estando dois estágios atrás na luta histórica, seria impossível trazê-los ao nível dos revolucionários. Marx foi o predecessor do modelo político do genocídio. Eu não conheço nenhum pensador europeu num período anterior a Marx e Engels tenha publicamente advogado um extermínio racial. Eu não consigo achar mais nada antigo, então presumo que começou com eles."
 
George Watson.

Idade moderna[editar | editar código-fonte]

Idade contemporânea[editar | editar código-fonte]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Hererós acorrentados durante a revolta de 1904.
Hererós acorrentados durante a revolta de 1904.
Mulher armênia exposta para venda como escrava.
Mulher armênia exposta para venda como escrava.
Exumação dos corpos de vítimas do Massacre de Srebrenica.
Exumação dos corpos de vítimas do Massacre de Srebrenica.

Julgamentos de casos de genocídios[editar | editar código-fonte]

Tribunais nacionais[editar | editar código-fonte]

Guatemala[editar | editar código-fonte]

Em 10 de Maio de 2013, os tribunais guatemaltecos condenaram a 80 anos de prisão o ex-chefe de Estado José Efraín Ríos Montt para o crime de genocídio, depois que ele foi considerado culpado do delito e de cometem crimes contra a humanidade contra a população da etnia ixil na Guatemala entre outros grupos.[49] [50] [51]

Durante o governo de Ríos Montt (1982-1983), transcorreu um dos momentos mais violentos do conflito armado interno na Guatemala (1960-1996), a política de contra-insurgência implementada pelo Estado, assistiu ao ataque sistemático contra civis indígenas, pelo fato de estes poderiam ser uma fonte de apoio aos movimentos de guerrilha na região. Em 28 de Janeiro de 2013, o desembargador Miguel Angel Galvez iniciou o processo contra José Efraín Ríos Montt e José Mauricio Rodríguez Sánchez, por acusações de genocídio e crimes contra a humanidade. Em 19 de Março de 2013, um juiz abriu formalmente um processo contra o ex-ditador octogenário, acusando-o de genocídio contra os índios durante seu regime (1982-1983), o crime pelo qual pode ser condenado a meio século de prisão.

Um tribunal de instância menor, condenou-o a um total de 80 anos de prisão comutáveis, 50 anos para o crime de genocídio e 30 anos para os crimes contra os direitos humanos.[52]

Destaca-se a importância da sentença por tornar Rios Montt o primeiro líder latino-americano a ser condenado por esse crime e, por ser o primeiro caso em que tal condenação deu-se num tribunal do próprio país em que o crime de genocídio foi cometido.[50]

É necessário salientar a polêmica, porque de acordo com as opiniões de vários juristas, durante o processo foi violada de diferentes maneiras a presunção de inocência do acusado, e terr ocorrido outras irregularidades. Além disso, entre os diversos intelectuais da sociedade civil, que expressam sua rejeição aos crimes cometidos por militares e guerrilheiros, questiona-se se realmente foi praticado um genocídio ou crimes de guerra.[53]

Em 20 de Maio de 2013, o Tribunal de Justiça Constitucional da República da Guatemala, com o voto favorável de três dos cinco juízes, anulou a decisão depois de analisar uma objeção levantada pela defesa, alegando que o ex-ditador foi deixado sem defesa porque em 19 de abril seu advogado foi brevemente expulso da corte depois de acusar o tribunal de parcialidade. Permanece, portanto, nula a sentença de 80 anos de prisão para ex-ditador Efrain Rios Montt por genocídio e crimes contra a humanidade, a morte de cerca de 2.000 índios Ixil entre 1982 e 1983. Durante a ditadura morreram ou desapareceram 250 mil pessoas, a maioria indígenas e civis e, milhares de mulheres foram vítimas de violência sexual. De acordo com o estabelecido a própria ONU, 93% desses crimes foram perpetrados por militares e paramilitares.[54] O general enfrentará um novo julgamento.[55]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, 22 garimpeiros foram condenados por crime de genocídio contra o povo Yanomami de Roraima, no episódio conhecido como Massacre de Haximu onde uma aldeia na fronteira com a Venezuela, localizada no interior da Terra Indígena Yanomami, foi atacada por um grupo de garimpeiros de ouro brasileiros resultando em 12 mortes de indígenas alvejados por tiros de espingarda e golpes de facão. Quatro dos acusados foram localizados, presos e condenados por genocídio, contrabando e garimpo ilegal. Após recursos que tentaram caracterizar as mortes como homicídio, o crime de genocídio foi confirmado pelo Supremo Tribunal Federal em decisão de 9 de Agosto de 2006.

Tribunais internacionais[editar | editar código-fonte]

Tribunais ad hoc[editar | editar código-fonte]

Nuremberg[editar | editar código-fonte]

Por causa da aceitação universal das leis internacionais, definindo e proibindo o genocídio alcançado em 1948, com a promulgação da Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio, os criminosos que foram perseguidos após a guerra nos tribunais internacionais, por participação no Holocausto foram considerados culpados de crimes contra a humanidade e outros crimes mais específicos como o homicídio. No entanto, o Holocausto é universalmente reconhecido como tendo sido um genocídio e o termo, criado no ano anterior por Raphael Lemkin,[56] apareceu na acusação dos 24 líderes nazistas, que afirmou que todos os réus "conduziram deliberado e sistemático genocídio, ou seja, o extermínio de grupos raciais e nacionais..."[57]

Camboja[editar | editar código-fonte]
O museu Tuol Sleng contém milhares de fotos que o Khmer Vermelho fez de suas vítimas.
Crânios em exposição no memorial Choeung Ek.
Nuon Chea, perante o do tribunal do Khmer Vermelho (5 de Dezembro de 2011).

O Khmer Vermelho, liderado por Pol Pot, Ta Mok e outros, organizou o assassinato em massa de grupos ideologicamente suspeitos. O número total de vítimas é estimado em cerca de 1,7 milhões de cambojanos entre 1975-1979, incluindo as mortes por trabalho escravo.[58]

Em 6 de Junho de 2003, o governo cambojano e as Nações Unidas chegaram a um acordo para a criação das ECCC (Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia ou Tribunal do Khmer Vermelho), que iria concentrar-se exclusivamente em crimes cometidos pelas mais altas autoridades durante o período do regime do Khmer Vermelho (1975-1979).[59] Os juízes foram empossados no início de Julho de 2006.[60] [61] [62]

As acusações de genocídio relacionadas com assassinatos de minorias vietnamitas e Cham no Camboja, que é estimado para tornar-se dezenas de milhares de assassinatos e possivelmente mais.[63] [64]

Os juízes que investigam foram apresentados com os nomes de cinco possíveis suspeitos pelo Ministério Público em 18 de Julho de 2007.[60] [65]

  • Kang Kek Iew: foi formalmente acusado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade e detido pelo Tribunal em 31 de Julho de 2007. Ele foi indiciado sob a acusação de crimes de guerra e crimes contra a humanidade em 12 de Agosto de 2008.[66] Seu recurso contra sua condenação por crimes de guerra e crimes contra a humanidade foi indeferido em 3 de Fevereiro de 2012, e ele está cumprindo uma sentença de prisão perpétua.[67]
  • Nuon Chea: ideólogo do grupo e ex-primeiro-ministro, foi indiciado por acusações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e de vários outros crimes contra a lei cambojana em 15 de Setembro de 2010. Ele foi transferido para a custódia do ECCC em 19 de Setembro de 2007. O seu julgamento, que é em curso, iniciado em 27 de Junho de 2011.[68] [69]
  • Khieu Samphan: ex-chefe de Estado, que foi indiciado por acusações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e de vários outros crimes sob a lei cambojana em 15 de setembro de 2010. Foi transferido para a custódia do ECCC em 19 de Setembro de 2007. O seu julgamento, que está em curso, iniciado em 27 de Junho de 2011.[68] [69]
  • Ieng Sary: um ex-chefe de Estado, que foi indiciado por acusações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e de vários outros crimes contra a lei cambojana em 15 de Setembro de 2010. Ele foi transferido para a custódia do ECCC em 19 de Setembro de 2007. O seu julgamento, que está em curso, iniciado em 27 de Junho de 2011.[68] [69]
  • Ieng Thirith: um ex-ministro dos Assuntos Sociais e esposa de Ieng Sary, que foi indiciado por acusações de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e de vários outros crimes contra a lei cambojana em 15 de Setembro de 2010. Ele foi transferido para a custódia do ECCC em 12 de Novembro 2007. As ações contra ela foram suspensas na pendência de uma avaliação de saúde.[69] [70]

Houve discordância entre alguns dos juristas internacionais e pelo governo cambojano sobre se todas as outras pessoas devem ser julgados pelo Tribunal.[65]

Iugoslávia[editar | editar código-fonte]
Menino diante das sepulturas, em 2006, durante o funeral das vítimas do genocídio.

Genocídio na Bósnia é o termo usado para se referir tanto ao genocídio cometido por forças sérvias em Srebrenica, em 1995,[71] ou a limpeza étnica que teve lugar durante a Guerra da Bósnia 1992-1995.[72]

Em 2001, o Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (ICTY) julgou que o massacre de Srebrenica 1995 foi um ato de genocídio.[73]

Em 26 de Fevereiro de 2007, o Tribunal Internacional de Justiça (CIJ), no caso do genocídio bósnio acolheu a decisão do ICTY de que o massacres de Srebrenica e Žepa constituíram genocídio, mas descobriu que o governo sérvio não havia participado de um genocídio mais amplo sobre o território da Bósnia e Herzegovina durante a guerra, como o governo bósnio tinha reivindicado.[74]

Em 12 de Julho de 2007, Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, quando negou provimento ao recurso por Nikola Jorgić contra a sua condenação por genocídio por um tribunal alemão (Jorgic v. Alemanha) observou que a interpretação dos tribunais alemães mais ampla de genocídio desde então tem sido rejeitada por tribunais internacionais, considerando semelhantes casos.[75] [76] [77] Aquele tribunal também observou que, no século XXI "entre os estudiosos, a maioria é da opinião que a limpeza étnica, na forma em que foi levada a cabo pelas forças sérvias da Bósnia e Herzegovina, a fim de expulsar os muçulmanos e croatas de suas casas, não constitui genocídio. No entanto, há também um número considerável de estudiosos que têm sugerido que esses atos tratam-se de genocídio, e o ICTY encontrou no caso Momcilo Krajisnik que o reu actus, de genocídio foi recebido em Prijedor "Com que se refere à acusação de genocídio, a Câmara constatou que, apesar da evidência de atos perpetrados nos municípios que constituíam o actus reus de genocídio".[78]

Cerca de 30 pessoas foram indiciadas por participação e/ou cumplicidade em genocídio ou cumplicidade durante o início dos anos 1990 na Bósnia. Até o momento, depois de várias delações premiadas, algumas condenações foram conseguidas com sucesso nas apelações de dois homens, Vujadin Popović e Ljubiša Beara, foram considerados culpados de cometer genocídio. Zdravko Tolimir foi considerado culpado de cometer genocídio e conspiração para cometer genocídio, e dois outros, Radislav Krstić e Drago Nikolić, foram considerados culpados de cumplicidade genocídio. Três outros foram considerados culpados de participar de genocídios na Bósnia por tribunais alemães, um dos quais Nikola Jorgic que perdeu um recurso contra a sua condenação no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Outros oito homens, ex-membros das forças de segurança sérvias e bósnias foram considerados culpados de genocídio pelo Tribunal da Bósnia e Herzegovina.

Slobodan Milošević, como o ex-presidente da Sérvia e da Iugoslávia, era a figura política de maior importância a ser julgado no Tribunal. Morreu em 11 de Março de 2006, durante seu julgamento em que foi acusado de genocídio ou cumplicidade em genocídio nos territórios da Bósnia e Herzegovina, por isso, nenhum veredicto foi emitido. Em 1995, o ICTY emitiu um mandado de prisão contra os sérvios da Bósnia Radovan Karadžić e Ratko Mladić por diversas acusações, incluindo genocídio. Em 21 de julho de 2008, Karadzic foi preso em Belgrado, e ele está atualmente em Haia, em julgamento por genocídio, entre outros crimes.[79] Ratko Mladić foi preso em 26 de maio de 2011 pela polícia especial sérvia em Lazarevo, Sérvia.[80]

Ruanda[editar | editar código-fonte]
Vítimas do genocídio em Ruanda.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda (ICTR) é um tribunal sob os auspícios da Organização das Nações Unidas para a repressão de crimes praticados em Ruanda durante o genocídio que ocorreu lá durante Abril de 1994, com início em 6 daquele mês. O ICTR foi criado em 8 de Novembro de 1994 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, a fim de julgar as pessoas responsáveis pelos atos de genocídio e outras violações graves do direito internacional realizada no território do Ruanda, ou por cidadãos ruandeses em estados vizinhos, entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro de 1994.

Até agora, o ICTR finalizou dezenove julgamentos condenado vinte e sete acusados. Em 14 de Dezembro de 2009 mais dois acusados foram condenados por seus crimes. Outros vinte e cinco ainda estão em julgamento. Vinte e um aguardam julgamento em prisão, mais dois adicionados em 14 de dezembro de 2009. Dez ainda estão foragidos.[81] O primeiro julgamento, de Jean-Paul Akayesu, começou em 1997. Em Outubro de 1998, Akayesu foi condenado à prisão perpétua. Jean Kambanda, primeiro-ministro interino, declarou-se culpado.

Corte Penal Internacional[editar | editar código-fonte]

Desde 2002, a Corte Penal Internacional (ICC) pode exercer a sua jurisdição, se os tribunais nacionais não queiram ou não possam investigar e processar atos de genocídio, sendo, portanto, um "tribunal de última instância", deixando a responsabilidade primária de exercer jurisdição sobre supostos criminosos aos Estados. Devido às preocupações estadounidenses quanto ao ICC, os Estados Unidos preferem continuar a utilizar tribunais internacionais especialmente convocados para tais investigações e possíveis processos judiciais.[82]

Sudão[editar | editar código-fonte]
Mãe e seu bebê doente num campo de refugiados em Darfur do Norte.

Tem havido muito debate sobre a qualificação da situação em Darfur como genocídio.[83] O conflito no Darfur, Sudão, que começou em 2003, foi declarado um "genocídio" pelo secretário de Estado dos Estados Unidos Colin Powell em 9 de Setembro de 2004, em depoimento na Comissão de Relações Exteriores do Senado.[84] Desde aquela época, porém, nenhum outro membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas seguiu o exemplo. De fato, em janeiro de 2005, uma Comissão Internacional de Inquérito sobre o Darfur, autorizada pela Resolução do Conselho de Segurança da ONU 1564, de 2004, emitiu um relatório ao Secretário-Geral afirmando que "o Governo do Sudão não tem perseguido uma política de genocídio".[85] No entanto, a Comissão advertiu que "A conclusão que nenhuma política genocida foi perseguida e executada em Darfur pelas autoridades governamentais, diretamente ou através das milícias sob seu controle, não devem ser tomadas de forma alguma como atenuantes da gravidade dos crimes perpetrados naquela região. Delitos internacionais, como crimes contra a humanidade e crimes de guerra cometidos em Darfur não podem ser considerados menos graves e hediondos que um genocídio."[85]

Em Março de 2005, o Conselho de Segurança a refere-se formalmente a situação em Darfur para o Procurador da Corte Penal Internacional (ICC), tendo em conta o relatório da Comissão, mas sem mencionar quaisquer crimes específicos.[86] Dois membros permanentes do Conselho de Segurança, Estados Unidos e China, abstiveram-se na votação da resolução.[87] A partir de seu quarto relatório ao Conselho de Segurança, o Procurador tem encontrado "motivos razoáveis para crer que os indivíduos identificados (na resolução do Conselho de Segurança da ONU 1593) cometeram crimes contra a humanidade e crimes de guerra", mas não encontrou provas suficientes para processar por genocídio.[88]

Em Abril de 2007, os juízes da ICC emitiram mandados de prisão contra o ex-ministro de Estado do Interior, Ahmed Haroun, e o líder da milícia Janjawid, Ali Kushayb, por crimes contra a humanidade e crimes de guerra.[89]

Em 14 de Julho de 2008, os procuradores da ICC, apresentaram dez acusações de crimes de guerra contra o presidente do Sudão, Omar al-Bashir: três acusações de genocídio, cinco de crimes contra a humanidade e dois de assassinato. Procuradores do TPI afirmou que al-Bashir "planejou e implementou um plano para destruir "em parte substancial" três grupos tribais em Darfur por causa de sua etnia.

Em 4 de Março de 2009, a ICC emitiu um mandado de prisão para Omar al-Bashir, presidente do Sudão após sua Câmara de instrução primária concluir que a sua posição como chefe de Estado não lhe concede imunidade contra a acusação perante a ICC. O mandado foi por crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Ele não incluiu o crime de genocídio, porque a maioria da Câmara não considerou que o Ministério Público tinha fornecido provas suficientes para incluir essa acusação.[90]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Death by Government. de Rudolph Joseph Rummel. Transaction Publishers, 1997, ISBN 9781560009276 (adicionado em 13/04/2015).
  • Genocide: A History de William Rubinstein. Pearson Longman, 2004, ISBN 9780582506015 (adicionado em 13/04/2015).
  • Genocide in the Middle East: the Ottoman Empire, Iraq, and Sudan. Hannibal Travis, Carolina Academic Press, 2010, (em inglês) ISBN 9781594604362 (adicionado em 13/04/2015).
  • A marca dos genocídios. Michael Stivelman & Raquel Stivelman, Imago, 2001, ISBN 9788531207761 (adicionado em 13/04/2015).
  • Holocausto brasileiro. Daniela Arbex, Geração Editorial, 2013. ISBN 9788581301570 (adicionado em 13/04/2015).
  • Conflitos armados, massacres e genocídios. Rodrigo Medina Zagni & Andre Borelli. Ed. Fino Traço, 2013. ISBN 9788580541168 (adicionado em 13/04/2015).
  • Genocídio e o Tribunal Penal Internacional Para Ruanda. Luiz Augusto Modolo de Paula, Appris, 2014. ISBN 9788581924793 (adicionado em 13/04/2015).

Referências

  1. a b Procuradoria Geral do Estado de São Paulo - CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E A REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO (1948). Acessado em 13/04/2015.
  2. Dicionário Aurélio - Acessado em 13/04/2015.
  3. Juridicas - EL CRIMEN DE GENOCIDIO EN DERECHO INTERNACIONAL. Alonso GÓMEZ-ROBLEDO VERDUZCO, (em espanhol) Acessado em 13/04/2015.
  4. a b The Specter of Genocide: Mass Murder in Historical Perspective. Robert Gellately, Ben Kiernan. Cambridge University Press, pág. 267, 2003. ISBN 9780521527507 (em inglês) Adicionado em 13/04/2015.
  5. a b c The Roots of Evil: The Origins of Genocide and Other Group Violence. Ervin Staub, Cambridge University Press, pág. 08, 1989. ISBN 9780521422147 (em inglês) Adicionado em 13/04/2015.
  6. a b Prevent Genocide - from Raphael Lemkin's Axis Rule in Occupied Europe: Laws of Occupation - Analysis of Government - Proposals for Redress, (Washington, D.C.: Carnegie Endowment for International Peace, 1944), p. 79-95. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  7. Social Science Research Network - Origen y Evolución Del Concepto Del Genocidio (Origin and Evolution of the Concept of Genocide). (em espanhol) e (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  8. USHMM - Enciclopédia do Holocausto. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  9. Axis Rule in Occupied Europe. Raphael Lemkin, The Lawbook Exchange, 2008, (em inglês) ISBN 9781584779018 Adicionado em 13/04/2015.
  10. a b El País - Rafael Lemkin: la soledad del justo. Antonio Elorza, 14 de Fevereiro de 2014, (em espanhol) Acessado em 13/04/2015.
  11. a b c d e f O Século dos Genocídios. Violências, Massacres e Processos Genocidários da Arménia a Ruanda. Bernard Bruneteau. Instituto Piaget, 2008, (em inglês). ISBN 9789727719273 Adicionado em 13/04/2015.
  12. USP (Biblioteca Virtual de Direitos Humanos). Convenção sobre a Imprescritibilidade dos Crimes de Guerra e dos Crimes Contra a Humanidade - 1968. Acessado em 13/04/2015.
  13. Official Documents System of the United Nations - (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  14. Planalto.gov - Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. LEI Nº 2.889, DE 1 DE OUTUBRO DE 1956. Define e pune o crime de genocídio. Adicionado em 13/04/2015.
  15. War crimes and human rights: essays on the death penalty, justice and accountability. William Schabas, Cameron May, 2008, (em inglês). ISBN 9781905017638 (Link) pág. 791. (em inglês) Adicionado em 13/04/2015.
  16. a b Genocide and Gross Human Rights Violations in Comparative Perspective: In Comparative Perspective. Kurt Jonassohn & Karin Solveig Björnson, Transaction Publishers, 1998, (em inglês). ISBN 9780765804174 (Link) págs. 133–135. Adicionado em 13/04/2015.
  17. Afghanistan: The Soviet Invasion and the Afghan Response, 1979–1982. M. Hassan Kakar, University of California press 1995. The Regents of the University of California. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  18. 4. The Story of Genocide in Afghanistan: 13. Genocide Throughout the Country. M. Hassan Kakar. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  19. The History and Sociology of Genocide: Analyses and Case Studies. Frank Chalk, Kurt Jonassohn. Yale University Press, 1990, (em inglês). ISBN 9780300044461 Adicionado em 13/04/2015.
  20. Jones, Adam. Genocide: A Comprehensive Introduction, Routledge/Taylor & Francis Publishers, 2006, (em inglês). ISBN 9780415353854 Chapter 1: The Origins of Genocide págs. 20–21. Adicionado em 13/04/2015.
  21. What is Genocide? McGill Faculty of Law (McGill University) source cites Barbara Harff and Ted Gurr Toward empirical theory of genocides and politicides, International Studies Quarterly, 37:3, 1988. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  22. Origins and Evolution of the Concept in the Science Encyclopedia by Net Industries. states "Politicide, as [Barbara] Harff and [Ted R.] Gurr define it, refers to the killing of groups of people who are targeted not because of shared ethnic or communal traits, but because of 'their hierarchical position or political opposition to the regime and dominant groups' (p. 360)". But does not give the book title to go with the page number. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  23. Staff. There are NO Statutes of Limitations on the Crimes of Genocide! On the website of the American Patriot Friends Network. Cites Barbara Harff and Ted Gurr "Toward empirical theory of genocides and politicides," International Studies Quarterly 37, 3 [1988]. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  24. Polsby, Daniel D.. (3 de Novembro de 1997). "OF HOLOCAUSTS AND GUN CONTROL". Washington University Law Quarterly 75 (Fall): 1237. (cites Harff 1992, see other note) (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  25. Harff, Barbara. (1992). "Recognizing Genocides and Politicides". Genocide Watch 27: 37, 38. New Haven, CT: Yale University Press. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  26. Hawaii.edu - DEATH BY GOVERNMENT. Chapter 2. Definition of Democide. By R.J. Rummel. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  27. Hawaii.edu - DEMOCIDE: MURDER BY GOVERNMENT. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  28. Hawaii.edu Domocide versus genocide; which is what?] (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  29. Adrian Gallagher, Genocide and Its Threat to Contemporary International Order (Palgrave Macmillan, 2013) pág. 37. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  30. Genocide Watch - (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  31. Gregory Stanton. The 8 Stages of Genocide, Genocide Watch, 1996. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  32. The FBI has found somewhat similar stages for hate groups (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  33. Social Science Research Council - Why the Discipline of "Genocide Studies" Has Trouble Explaining How Genocides End? By Dirk Moses, 22 de Dezembro de 2006, (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  34. Auschwitz Institute - (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  35. Fein, H. (1979). Accounting for genocide: Victims and survivors of the Holocaust. (Link). (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  36. The roots of evil: The origins of genocide and other group violence. Staub, E. New York: Cambridge University Press, 1989, (em inglês) ISBN 9780521422147 Adicionado em 13/04/2015.
  37. Overcoming Evil: Genocide, Violent Conflict, and Terrorism. Ervin Staub, Oxford University Press, 2011, (em inglês) ISBN 9780195382044 Adicionado em 13/04/2015.
  38. Adam Jones, Genocide: A Comprehensive Introduction (2ª ed. 2010), pág. 271. ISBN 9780415486187 – Next to the Jews in Europe," wrote Alexander Werth', "the biggest single German crime was undoubtedly the extermination by hunger, exposure and in other ways of... Russian war prisoners." Yet the murder of at least 3.3 million Soviet POWs is one of the least-known of modern genocides; there is still no full-length book on the subject in English. It also stands as one of the most intensive genocides of all time: "a holocaust that devoured millions," as Catherine Merridale acknowledges. The large majority of POWs, some 2.8 million, were killed in just eight months of 1941–42, a rate of slaughter matched (to my knowledge) only by the 1994 Rwanda genocide." (em inglês) Adicionado em 13/04/2015.
  39. Pair guilty of 'insulting Turkey', BBC News, 11 Outubro de 2007. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  40. CNN - Pope Francis uses 'genocide' to refer to mass killings of Armenians by Turks. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  41. a b G1 Turquia chama embaixador no Vaticano após sermão do papa Turquia chama embaixador no Vaticano após sermão do papa. 12/04/2015. Acessado em 13/04/2015.
  42. a b G1 - Papa chama mortes de armênios de genocídio e Turquia convoca núncio. 12/04/2015. Acessado em 13/04/2015.
  43. Genocide: A History. William Rubinstein, Pearson Longman, 2004, (em inglês) ISBN 9780582506015 Acessado em Acessado em 13/04/2015.
  44. World News - Documentário The Soviet Story. Direção: Edvīns Šnore, 2008, (em inglês) legendado (em português). Acessado em 13/04/2015.
  45. Hawaii.edu - STATISTICS OF DEMOCIDE. Chapter 7.Statistics Of Poland's Democide: Estimates, Calculations, And Sources* By R.J. Rummel. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  46. a b Genocide Watch - South Africa. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  47. Genocide Watch - Atenção: Imagens chocantes. (em inglês) Acessado em 13/04/2013.
  48. World News - Vídeo: "Jacob Zuma Sings Kill The Boer". Em 8 de Janeiro de 2012, durante a comemoração do centenário do Congresso Nacional Africano, o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, cantou uma canção que incita a violência contra a minoria branca do país. Acessado em 13/04/2013.
  49. El Pais Condenado a 80 años de prisión el exdictador de Guatemala Ríos Montt, El País, 11/5/2013. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013.
  50. a b Editorial: Un veredicto histórico. La condena por genocidio del expresidente Ríos Montt pone fin a la impunidad en Guatemala., El País, 12/5/2013. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013.
  51. Las mujeres imprescindibles en la lucha por la memoria, Guatemala., Peridismo Humano, 16/5/2013. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013.
  52. Emisorasunidas (AUDIO Y VIDEO) Condenan a 80 años de cárcel a Ríos Montt. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013.
  53. Prensalibre (em espanhol) Acessado em 13/04/2013.
  54. El Diario Anulan la condena contra el exdictador de Guatemala Ríos Montt, 21/5/2013. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013
  55. Publico.es El Constitucional de Guatemala anula la condena al dictador Ríos Montt, 21/5/2013. (em espanhol) Acessado em 13/04/2013
  56. Oxford English Dictionary: 1944 R. Lemkin Axis Rule in Occupied Europe ix. 79 "By 'genocide' we mean the destruction of a nation or of an ethnic group." (em inglês) Adicionado em 13/04/2013
  57. Oxford English Dictionary "Genocide" citing Sunday Times 21 October 1945. (em inglês) Adicionado em 13/04/2013
  58. Cambodian Genocide Program, Yale University's MacMillan Center for International and Area Studies. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  59. Unakrt-online.org (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  60. a b Doyle, Kevin. "Putting the Khmer Rouge on Trial", Time, 26 de Julho de 2007. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  61. MacKinnon, Ian "Crisis talks to save Khmer Rouge trial", The Guardian, 7 de Março de 2007. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  62. The Khmer Rouge Trial Task Force, Royal Cambodian Government. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  63. Case 002 The Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  64. Former Khmer Rouge leaders begin genocide trial BBC. 30 de Julho de 2014. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  65. a b Buncombe, Andrew. "Judge quits Cambodia genocide tribunal", 11 de Outubro 2011. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  66. Ker Munthit. "Cambodian tribunal indicts Khmer Rouge jailer", 12 de Agosto de 2008. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  67. Kaing Guek Eav alias Duch Sentenced to Life Imprisonment by the Supreme Court Chamber Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia (3 de Fevereiro de 2012). (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  68. a b c Case 002 Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  69. a b c d 002/19-09-2007: Closing Order (PDF) Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia (15 de Setembro de 2010). (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  70. 002/19-09-2007: Decision on immediate appeal against Trial Chamber's order to release the accused Ieng Thirith (PDF) Extraordinary Chambers in the Courts of Cambodia (13 de Dezembro de 2011). (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  71. Staff. Bosnian genocide suspect extradited, BBC, 2 de Abril de 2002. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  72. European Court of Human Rights. Jorgic v. Germany Judgment, 12 de Julho de 2007. § 47 (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  73. Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia em Prosecutor v. Radislav Krstic – Trial Chamber I – Judgment – IT-98-33 (2001) ICTY8 (2 August 2001) that genocide had been committed. (see paragraph 560 for name of group in English on whom the genocide was committed. It was upheld in Prosecutor v. Radislav Krstic – Appeals Chamber – Judgment – IT-98-33 (2004) ICTY 7 (19 de Abril de 2004) (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  74. "Courte: Serbia failed to prevent genocide, UN court rules", The San Francisco Chronicle, 26 de Fevereiro de 2007. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  75. ECHR Jorgic v. Germany. § 42 citing Prosecutor v. Krstic, IT-98-33-T, judgment of 2 August 2001, §§ 580 (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  76. ECHR Jorgic v. Germany Judgment, 12 July 2007. § 44 citing Prosecutor v. Kupreskic and Others (IT-95-16-T, judgment of 14 January 2000), § 751. In 14 January 2000, the ICTY ruled in the Prosecutor v. Kupreskic and Others case that the killing of 116 Muslims in order to expel the Muslim population from a village amounted to persecution, not genocide. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  77. ICJ press release 2007/8 26 de Fevereiro de 2007. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  78. Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia. NOT AN OFFICIAL DOCUMENT. CASE INFORMATION SHEET. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  79. Staff. "Q&A: Karadzic on trial", BBC News, 5 de Novembro de 2009. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  80. Staff. "Q&A: Ratko Mladic arrested: Bosnia war crimes suspect held", BBC News, 26 de Maio de 2011. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  81. Tribunal Penal Internacional para Ruanda. www.ictr.org (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  82. AMICC - (American Non-Governmental Organizations Coalition for the International Criminal Court). (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  83. Jafari, Jamal and Paul Williams (2005) "Word Games: The UN and Genocide in Darfur" JURIST. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  84. POWELL DECLARES KILLING IN DARFUR 'GENOCIDE', The NewsHour with Jim Lehrer, 9 de Setembro de 2004. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  85. a b Report of the International Commission of Inquiry on Darfur to the United Nations Secretary-GeneralPDF (1.14 MB), 25 de Janeiro de 2005. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  86. Security Council Resolution 1593 (2005)PDF (24.8 KB) (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  87. SECURITY COUNCIL REFERS SITUATION IN DARFUR, SUDAN, TO PROSECUTOR OF INTERNATIONAL CRIMINAL COURT, UN Press Release SC/8351, 31 de Março de 2005. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  88. Fourth Report of the Prosecutor of the International Criminal Court, to the Security Council pursuant to UNSC 1593 (2005)PDF (597 KB), Office of the Prosecutor of the International Criminal Court, 14 de Dezembro de 2006. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  89. Statement by Mr. Luis Moreno Ocampo, Prosecutor of the International Criminal Court, to the United Nations Security Council pursuant to UNSCR 1593 (2005), International Criminal Court, 5 de Junho de 2008. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.
  90. ICC issues a warrant of arrest for Omar Al Bashir, President of Sudan (ICC-CPI-20090304-PR394), ICC press release, 4 de Março de 2009. (em inglês) Acessado em 13/04/2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Youtube (em português) - O genocídio silencioso dos brancos sul-africanos (Atenção: Imagens chocantes). Acessado em 12/12/2011.
  • Genocide Watch (em inglês) - The International Alliance to End Genocide. Acessado em 13/04/2015..
  • Hawaii.edu (em inglês) - Freedom, Democracy, Peace; Power, Democide and War. Acessado em 13/04/2015.
  • Preventgenocide Axis Rule in Occupied Europe: Laws of Occupation - Analysis of Government - Proposals for Redress, (Washington, D.C.: Carnegie Endowment for International Peace, 1944), p. 79 - 95. (em inglês) Adicionado em 13/04/2015