Genserico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Março de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Genserico
Rei dos vândalos e Alanos
Münze Siliqua Vandalenkönig Geiserich.jpg
Governo
Reinado 428 a 477
Antecessor Gunderico
Sucessor Hunerico
Vida
Nascimento c. de 389
Morte 25 de janeiro de 477

Genserico ou Gizerico[1] (c. 389 - 25 de janeiro de 477), rei dos vândalos e alanos entre 428 e 477. Foi peça chave nos conflitos travados no século V pelo Império Romano do Ocidente, e durante os seus quase cinquenta anos de reinado elevou uma tribo germânica relativamente insignificante à categoria de potência mediterrânea. Filho ilegítimo do rei vândalo Godegisilo, supõe-se que nasceu nas imediações do lago Balaton (atual Hungria) por volta de 389.

Os historiadores retrataram-no como alguém pavoroso[2] , tanto por ser ariano como por se tornar dono de Roma e de Cartago, duas das mais célebres cidades do mundo desse tempo, cidades que ele teria supostamente destruído, o que é falso em grande parte.

Ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Foi escolhido rei em 428, com a morte do seu meio irmão Gunderico. Brilhante e muito versado na arte militar, buscou o modo de aumentar o poder e a prosperidade do seu povo, que residia na época na Hispania Bética e que havia sofrido os ataques dos mais numerosos visigodos. Assim, pouco depois de ascender ao trono, Genserico decidiu ceder a Hispania aos seus rivais, empregando para isso a poderosa frota criada no reinado do seu predecessor.

A invasão da África[editar | editar código-fonte]

Genserico saqueando Roma, por Karl Briullov, na Galeria Tretyakov.

Aproveitando as disputas com a metrópole de Bonifácio, governador romano da província da África Proconsular, 80.000 vândalos - 15.000 deles homens de armas - cruzaram o estreito de Gibraltar na primavera de 429, partindo de Tarifa e desembarcando em Ceuta.

Depois de várias vitórias sobre uns defensores romanos fracos e divididos, fixaram-se com controle de um território que compreendia o atual Marrocos e o norte de Argélia, pondo sob assédio a cidade de Hipona, que tomariam ao cabo de catorze meses de duros combates. No ano seguinte, o imperador Valentiniano III teve que reconhecer Genserico como soberano de todos estes territórios.

Em 435, Genserico chegou a um acordo com o Império Romano pelo qual o reino vândalo passou a ser federado de Roma com a concessão da Numídia. Não obstante, em 439 Genserico tomou a cidade de Cartago, capturando a frota imperial ali atracada. Com este movimento fez os vândalos donos do Mediterrâneo Ocidental, apoderando-se em seguida de bases marítimas de grande valor estratégico e comercial: as Ilhas Baleares, Córsega, Sicília e Sardenha. Roma, privada de uma das maiores zonas de produção cerealista do velho mundo, teve que comprar em seguida os grãos do norte da África para o sua própria provisão.

Os vândalos, sob Genserico, [Nota 1] derrubaram as muralhas de quase todas as cidades da África, para que os romanos não as tomassem de volta e usassem as muralhas como defesa;[3] apenas Cartago e algumas outras cidades permaneceram muradas.[4]

O saque de Roma[editar | editar código-fonte]

Em 455, o imperador romano Valentiniano III foi assassinado, sucedendo-o Petrônio Máximo. Genserico, considerando rompido o tratado de paz firmado com Valentiniano em 442, desembarcou na península Itálica e marchou sobre Roma, cuja população rebelou-se contra o novo imperador e o matou três dias antes que, em 22 de abril de 455, os vândalos tomassem sem resistência a cidade. O saque subsequente não produziu uma destruição notável, se bem que os vândalos fizeram provisão de grande quantidade de ouro, prata e objetos de valor. Genserico levou consigo Licínia Eudóxia como refém a Cartago, viúva de Valentiniano, e as suas duas filhas, Placídia e Eudócia, que contrairia depois matrimônio com seu filho e sucessor Hunerico.

A paz com o Império Bizantino[editar | editar código-fonte]

Em 468, o reino de Genserico teve que enfrentar ao último esforço militar conjunto das duas metades do Império Romano. Não obstante, o rei vândalo logra derrotar, frente ao cabo Bon, a uma poderosa frota dirigida pelo que logo seria o imperador bizantino Basilisco. No verão de 474, assinou a paz perpétua com Constantinopla, pela qual o Império Bizantino reconheceu a soberania vândala sobre as províncias norte-africanas (Cirenaica, África Proconsular e Mauritânia), Baleares, Sicília, Córsega e Sardenha.

Política interna e religião[editar | editar código-fonte]

Na sua política interna, Genserico tolerou o catolicismo, apesar de ter exigido a conversão à doutrina ariana dos seus conselheiros mais próximos e procedeu a numerosos confiscos de bens da Igreja Católica, que se converteria assim numa poderosa força opositora à monarquia vândala. Debilitou em forma sangrenta a nobreza tradicional vândalo-alana, substituindo-a por uma corte leal à sua própria família e aumentou a pressão fiscal sobre a população à custa das famílias ricas de origem romana e do clero católico.

Genserico morreu em 25 de janeiro de 477, sendo sucedido pelo seu filho Hunerico.

Notas e referências

Notas

  1. Procópio chama Genserico de "Gizerico"

Referências

  1. Procópio de Cesareia, Sobre os edifícios, Livro VI, 5.2
  2. "o terrível Genserico cujo nome merece ser colocado com os de Alarico e Átila, o Huno na história da destruição do Império Romano", Histoire de la décadence et la chute de l'Empire romain, Edward Gibbon, Bouquins T.1, p.984.
  3. Procópio de Cesareia, Sobre os edifícios, Livro VI, 5.3-4
  4. Procópio de Cesareia, Sobre os edifícios, Livro VI, 5.5
Precedido por
Gunderico
Rei dos vândalos
428477
Sucedido por
Hunerico