George Molnar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

George Molnar (14 de maio de 1934[1] – 1999) foi um filósofo nascido na Hungria cuja principal área de interesse foi a metafísica. Molnar passou parte da infância e a adolescência na Austrália. Ao final dos anos 1960s, Molnar se focou nas práticas da extrema esquerda.[2] Nesse período, o departamento de filosofia da Universidade de Sydney se dividiu, e Molnar ficou no então criado departamento de filosofia geral, focado no marxismo, no feminismo e na revolução.[3] Não contente com isso, algum tempo depois Molnar considerou moralmente errado investir dinheiro público em uma instituição como a Universidade de Sydney, e por isso resignou do seu cargo de professor e foi para a Inglaterra, onde ficou entre 1976 e 1982, e viveu em uma comuna em Leeds.[4] De volta a Sydney, na Austrália, Molnar se tornou um servidor público em uma autarquia dedicada aos veteranos da Guerra do Vietnã.[5] Por volta de 1996 ele voltou a manter contato com os filósofos da Austrália.[6] Como filósofo, Molnar publicou dois artigos nos anos 1960s e dois artigos nos anos 1990s. Seu livro Powers: A Study in Metaphysics foi publicado postumamente em 2003.

Molnar foi um apostador, e chegou a abandonar a faculdade para tentar a vida como jogador profissional.[7] Seus outros interesses incluiam a filatelia e a história da Austrália colonial (particularmente as ferrovias). Também foi taxista, condutor de bonde, advogado de sindicato e servidor público.[8]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Os pais de Molnar eram judeus de classe média de Budapeste. A família foi separada antes da Segunda Guerra Mundial, e George cuidou da sua mãe durante as perseguições anteriores à guerra, o Cerco de Budapeste e a peregrinação através de diversos campos de refugiados, até que em 1951 a família se reuniu na Austrália.[8]

A família de Molnar escapou de Budapeste com a ajuda do diplomata sueco Raoul Wallenberg, que usou documentos falsos e a neutralidade da Suécia para ajudar centenas de judeus a se salvar do nazismo.[9]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1953, Molnar iniciou os estudos de economia na Universidade de Sydney, mas no último ano de graduação mudou para a área de filosofia, então liderada na universidade pelos filósofos John Anderson (metafísico realista com quem Molnar estudou em 1956)[10] e John Mackie.[11] Posteriormente, Anderson o indicou para o cargo de bolsista sênior.[12]

Inicialmente, Molnar lecionou filosofia política na universidade. No entanto, com a chegada em 1966 do filósofo estadunidense C. B. Martin à Universidade de Sydney (anteriormente Martin estava na Universidade de Adelaide, cujo departamento de filosofia era liderado pelo filósofo J. J. C. Smart), Molnar se voltou para a metafísica (isto é, ao estudo do ser enquanto ser), principalmente às discussões da causalidade e das capacidades (ou poderes, no vocabulário de Molnar), tema que se tornou o foco central da sua pesquisa.[13]

Em 1976, Molnar resigna ao cargo de professor, por considerar moralmente errado o investimento do dinheiro público na Universidade de Sydney. Por volta de 1996 ele volta à universidade, publica artigos de metafísica e deixa quase pronto o livro Powers: a study in metaphysics, que é editado por Stephen Mumford.

Atividade política[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1950s e 1960s Molnar foi um membro importante da Libertarian Society da Universidade de Sydney, e esteve associado ao Sydney Push.[14]

Molnar fazia parte da ala intelectual do movimento Sydney Push, defensor do antiautoritarismo e da liberdade sexual.[15]

Nos anos 1970s, Molnar foi um participante ativo dos protestos promovidos no departamento de filosofia.[16] Ele resignou ao cargo na Universidade de Sydney em 1976 e se mudou para a Inglaterra, onde participou do grupo esquerdista Big Flame. Na Inglaterra, suas causas eram o desarmamento nuclear, a revolução e os direitos das mulheres, das crianças e dos homoafetivos.[17]


Referências

  1. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 125 do ebook.
  2. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 29 do ebook.
  3. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 31 do ebook.
  4. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 36 do ebook.
  5. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 36 do ebook.
  6. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 38 do ebook.
  7. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 128 do ebook.
  8. a b Cf. Varga S. Twice the man, Sydney Morning Herald 9 de agosto de 2003.
  9. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posições 125-127 do ebook.
  10. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 127 do ebook.
  11. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 26 do ebook.
  12. Cole C. A difficult legacy Artigo sobre Anderson na Sydney Alumni Magazine (SAM), inverno de 2009, p. 34 (fol. 32)
  13. Cf. ARMSTRONG, D. M. "Foreword." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posições 23-28 do ebook.
  14. Baker A. J. Sydney Libertarianism and the Push
  15. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 132 do ebook.
  16. Cf. Franklin J. The Sydney Philosophy Disturbances in Quadrant v.43 (4) (Apr, 1999), pp 16-21
  17. Cf. MUMFORD, Stephen. "Introduction: George Molnar and Powers." In: MOLNAR, George. Powers: a study in metaphysics, edited with an Introduction by Stephen Mumford and a Foreword by D. M. Armstrong. Oxford: Oxford University Press, 2003, ISBN 019925978x. Posição 134 do ebook.

en:George Molnar (philosopher)