Georges Bernanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Georges Bernanos (Paris, 20 de fevereiro de 1888Neuilly-sur-Seine, 5 de julho de 1948) foi um escritor e jornalista francês.

Bernanos participou intensamente da vida política francesa: foi soldado de trincheira na Primeira Guerra Mundial e repórter na Guerra Civil espanhola. Após a derrota da França para os alemães, em 1940, já exilado no Brasil, decide apoiar a ação da França livre através de uma série de artigos de jornal, onde se coloca contra o regime de Vichy e ao serviço da Resistência francesa.

Pensamento e obra[editar | editar código-fonte]

Católico, Bernanos está vinculado a uma visão trágica e pessimista do cristianismo, semelhante à de François Mauriac e Graham Greene, que é uma resposta de ao tema central da relação entre o homem e o mundo na literatura contemporânea.

Obteve sucesso literário principalmente por seus romances Sob o Sol de Satã, de 1926, e Diário de um Pároco de Aldeia, de 1938. Em suas obras, Georges Bernanos explora a batalha espiritual do bem contra o mal, especialmente por meio da personagem de um padre católico que luta para a salvação das almas de seus paroquianos.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Bernanos passou a infância em Fressin (Passo de Calais). Em 1917, casou-se com Jeanne Talbert d’Arc, descendente em linha direta de um irmão de Joana d'Arc. Georges e Jeanne tiveram seis filhos entre 1918 e 1933: Chantal, Yves, Claude, Michel, Dominique, Jean-Loup.

Em parte por razões financeiras, Bernanos se estabeleceu em Maiorca, quando a guerra civil espanhola eclodiu. Inicialmente apoiou Franco, mas logo em seguida ficou chocado com a selvajaria dos combates e, indignado com a cumplicidade do clero espanhol, mudou de posição.

Durante o período de 1938 a 1945, revoltado com o armistício franco-germânico, exilou-se no Brasil.

Mesmo após a Liberação de Paris, continuou sua vida nômade (mudou-se trinta vezes em sua vida). O general de Gaulle o convidou para retornar à França, propondo-lhe uma posição no governo. Apesar de uma profunda admiração por ele, o romancista recusa esta oferta. Recusou também, por três vezes, a Legião de Honra e um cadeira na Academia Francesa.

Exílio no Brasil[editar | editar código-fonte]

Em julho de 1938, dois meses antes do acordo de Munique, a vergonha que sentiu diante da fraqueza dos políticos franceses contra a Alemanha de Hitler levou Bernanos a decidir-se por um exílio na América do Sul. Inicialmente tencionava estabelecer-se no Paraguai, mas acabou ficando no Brasil, onde chegou acompanhado da mulher, dos filhos e de um sobrinho. Primeiro foi para Itaipava, no estado do Rio de Janeiro; depois residiu em Juiz de Fora, Vassouras, Pirapora e Barbacena, onde tentou a criação de gado. Sua casa em Barbacena, onde recebeu entre outros o escritor alemão Stefan Zweig, pouco antes deste se suicidar, foi depois transformada no "Museu George Bernanos".

No Brasil, Bernanos escreveu Les enfants humiliés, Lettre aux Anglais, Le Chemin de la Croix-des-Ames e La France contre les Robots e terminou sua obra Monsieur Ouine, que publicou na França, em 1946.

No Brasil, Georges Bernanos angariou muitas amizades e influenciou uma série de escritores. Conviveu com Jorge de Lima, Alceu Amoroso Lima, Henrique Hargreaves, Virgílio de Mello Franco, Augusto Frederico Schmidt, Álvaro Lins, Geraldo França de Lima e Hélio Pelegrino, entre outros. Esta fase brasileira foi muito bem retratada pelo escritor, pesquisador e especialista em Bernanos professor Hubert Jacques Sarrazin que publicou o livro "Bernanos no Brasil" em 1968 pela editora Vozes. [1]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sous le soleil de Satan (Sob o Sol de Satã), Paris, Plon, 1926, tradução de Jorge de Lima no mesmo ano, nova edição Paris, Le Castor Astral, 2008,
  • L'Imposture (A Impostura), Paris, Plon, 1927.
  • La Joie, La Revue universelle( A Alegria, A Revista universal), 1928 ; Paris, Plon, 1929 (obra premiada - Prix Fémina), 1929.
  • La Grande peur des bien-pensants (O Grande medo dos bem-pensantes), 1931.
  • Un crime (Um crime) Paris, Plon, 1935
  • Le journal d'un curé de campagne (Diário de um Pároco de Aldeia), La Revue hebdomadaire, 1935-1936 ; Paris, Plon, 1936, romance traduzido por Editora Paulus, 2a.Ed., 2000.
  • Nouvelle Histoire de Mouchette" (Nova História de Mouchette), Paris, Plon, 1937, romance traduzido por Pablo Simpson para a Editora É, São Paulo, 2011.
  • Les Grands Cimetières sous la lune ( Os Grandes Cimitérios sob a lua),1938.
  • Monsieur Ouine (O Senhor Ouine), Rio de Janeiro, 1943 ; Paris, Plon, 1946 ; reedição . Le Castor Astral, 2008.
  • Un mauvais rêve (Um sonho ruim), Paris, Plon, 1950.
  • Jeanne
  • Relapse et Sainte (Relapsa e Santa)
  • Le Chemin de la Croix-des-Ames (O Caminho da Cruz das Almas)
  • La France contre les Robots (A França contra os Robôs)
  • Les enfants humiliés (As Crianças humilhadas)
  • Une Nuit (Uma Noite)
  • Scandale de la Verité (Escândalo da Verdade)
  • Saint Dominique (São Domênico)
  • Nous Autres Français (Nós outros os Franceses)
  • Lettre aux Anglais (Carta aos Ingleses)
  • Dialogues des Carmélites (Diálogos das Carmelitas, adaptação de uma novela de Gertrud von Le Fort para o teatro, disponível em português, em edição da Agir, Tradução de Marina Telles de Menezes Rocha, 1960).

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Vídeos
I Ciclo Cultural Georges Bernanos - da Literatura ao Cinema
II Ciclo Cultural Georges Bernanos - da Literatura ao Cinema. Homenagem aos 110 anos de Robert Bresson.

Referências

  1. Adalberto de Queiroz (2009). Presença e permanência de Georges Bernanos (papeblog > Magazine Culture) (em potuguês) 21 de outubro de 2009. Página visitada em 14 de maio de 2012.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Georges Bernanos
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.