Georges Simenon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Georges Simenon (1963)

Georges Joseph Chistian Simenon (Liège, 13 de fevereiro de 1903Lausanne, 4 de setembro de 1989) foi um escritor belga de língua francesa.[1]

Foi um romancista de uma fecundidade extraordinária: escreveu 192 romances, 158 novelas, alem de obras autobiográficas e numerosos artigos e reportagens sob seu nome e mais 176 romances, dezenas de novelas, contos e artigos sob 27 pseudônimos diferentes.

As tiragens acumuladas de seus livros atingem mais de 500 milhões de exemplares. É o autor belga, e o quarto autor de língua francesa mais traduzido em todo o mundo.

Seu personagem mais famoso é o Comissário Maigret, personagem de 75 novelas e 28 contos.

Biografia[2] [editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Simenon nasceu na rua Leopold, em Liège, primeiro filho de Desire Simenon, empregado em um escritório de seguros e Henriette. Em 1905 a família mudou para a rua Pasteur, hoje chamada Rua Georges Simenon. A família é originaria do ‘’Limburgo belga’’, uma região de terras baixas próximo a Meuse, um corredor de passagem entre a Flandres, a Valônia e os Países Baixos.

Georges começou a aprendeu a ler aos três anos na escola Sainte-Julienne. A partir de 1908, começa o primário no Instituto Santo André, onde foi pelos seis anos seguintes um dos três melhores alunos. Nesta época sua mãe começa a alugar quartos para estudantes ou estagiários de várias origens, o que foi para o menino uma extraordinária abertura para o mundo. A partir de 1914, vai estudar com os jesuítas no Colégio São Luís. No ano seguinte, com doze anos, teve sua primeira experiência sexual, com uma menina de quinze, que seria o contraponto à castidade pregada pelos padres, como revelou em uma autobiografia. Passa então ao colégio Saint-Servais, onde completa o colegial e se desilude com as classes sociais por causa do convívio com colegas mais abastados. Em 1918, a pretexto dos problemas cardíacos do pai, decide parar com os estudos, sem fazer nem os exames finais, arrumando pequenos empregos sem qualificação como aprendiz de confeiteiro. Em janeiro de 1919, em conflito aberto com sua mãe, começa como repórter no jornal "La Gazette de Liége", período extraordinário para o jovem de dezesseis anos, que escreve mais de 150 artigos com o pseudônimo de "G. Sim.". Se interessa particularmente pelos inquéritos policiais, e assiste conferencias sobre policia cientifica feitos pelo criminalista francês Edmund Locard. Nesse ano redige ainda seu primeiro romance, "Au pont dês Arches", publicado em 1921 com seu nome de jornalista. A partir de 1919, publica também o primeiro de cerca de 800 esquetes (sketches) humorísticos, sob o nome de Monsieur Le Coq . Nessa época aprofunda seu conhecimento do meio boêmio, das prostitutas, dos bêbados, anarquistas, artistas e mesmo futuros assassinos. Freqüenta também um grupo de artistas chamados "La Caque", onde encontrara uma estudante de Belas-Artes, Regine Renchon, com quem se casa em 1923.

Em Paris[editar | editar código-fonte]

Com a morte de seu pai, parte para se instalar em Paris com Regine, descobrindo a grande capital que aprende a amar com suas desordens, seus delírios. Parte para a descoberta de seus bistrôs (pequenos bares e restaurantes), brasseries e restaurantes, encontrando suas personagens na população parisiense, artesãos, serviçais, pobres das ruas. Começa a escrever com diversos pseudônimos e sua criatividade lhe assegura um rápido sucesso financeiro. Em 1928 faz uma longa viagem de barco, para suas reportagens, descobrindo a água e a navegação, que aparecem sempre em sua obra. Decide em 1929 fazer uma viagem pela França, explorando os canais em um barco que mandou construir, o ‘’Ostrogoth’’, no qual viverá ate 1931.

Em 1930, numa série de novelas escritas para ‘’Detective’’, coleção encomendada por Joseph Kessel, aparece pela primeira vez o personagem ‘’Comissário Maigret’’. Em 1932 parte para uma série de viagens e reportagens na África, na Europa, Rússia e Turquia. Depois de um longo cruzeiro pelo Mediterrâneo, embarca para uma volta ao mundo entre 1934 e 1935. Nas suas escalas, produz reportagens, encontra numerosos personagens e faz muitas fotos. Não se furta também de descobrir o prazer com mulheres de todas as latitudes.

La Rochelle[editar | editar código-fonte]

Na obra de Simenon, trinta e quatro romances ou novelas se passam em La Rochelle, que descobriu em 1927 passando suas férias na ilha de Aix, seguindo sua paixão por Josephine Baker. Naquele ano descobriu também uma paixão por navegação e por La Rochelle, onde no ‘’Café de la Paix’’, que aparece em obras suas e se tornaria seu quartel general, pediu uma garrafa de Champagne ao ouvir a declaração de guerra alemã em 1939; ante ao espanto dos presentes, disse: "ao menos não será bebida pelos alemães". Passa a morar lá , onde nasce seu filho Marc, em 1939.

Durante toda a guerra entre 1940 a 1945, continua vivendo em sua vila de Vendée, mas este período é mal conhecido e sujeito a múltiplas versões. Algumas pessoas acham que durante esse período crucial em sua vida e sua obra, o escritor se tornou um colaborador dos alemães, enquanto outros acham que foi somente oportunista ao aceitar escrever em jornais controlados pelos invasores. Mas com certeza Simenon nunca denunciou ninguém nem nunca se engajou. Algumas denuncias de conterrâneos foram atribuídas ao seu estilo opulento de vida, quando as pessoas sofriam com racionamentos e cupons de alimentação, de outro lado a Gestapo o investigou por achar seu nome parecido com antropônimos israelitas. Desse período com certeza sobraram seus escritos, vinte romances, onde o que se sobressai é a região de Vendée, descrita como uma região luminosa, impressionista, onde o mar reencontra a terra. A visão ambígua que Simenon tinha da região e da burguesia local ofuscava seus habitantes. Agradecidos mas relutantes, homenagearam o autor em 1989 dando seu nome ao cais da cidade. Também trocou uma longa correspondência com André Gide nessa época.

Depois da guerra[editar | editar código-fonte]

Foto tirada em 1963, por Erling Mandelmann

Em 1945, após o termino da guerra, vai viver no estado de Connecticut, nos Estados Unidos da América, percorrendo nos dez anos seguintes todo esse continente, para saciar sua curiosidade e seu apetite de viver. Durante esses anos americanos, visita sempre Nova Iorque, Flórida, Arizona e a Califórnia e toda a costa Leste, milha a milha, os motéis, as estradas e as paisagens grandiosas. Vai descobrir ainda outra faceta do trabalho policial e da Justiça. Vai conhecer ainda sua segunda esposa, a canadense Denise Quimet, 17 anos mais jovem, com a qual vai viver uma paixão intensa de sexo, ciúmes, disputas e álcool.

Em 1952 é nomeado para a academia belga. Volta definitivamente para a Europa em 1955, onde após um movimentado período na Côte d'Azur freqüentando o ‘’jet-set’’, se instala em Epalinges, ao norte de Lausanne, Suíça, mandando construir uma grande mansão. Em 1960 preside o festival de cinema de Cannes, que aquele ano premiou com a palma de ouro La dolce vita de Fellini.

Em 1972 Simenon renuncia ao romance, mas não havia acabado de explorar os meandros do homem, a começar por ele mesmo, em uma longa autobiografia com 21 volumes ditada em um pequeno gravador.

Análise da obra[editar | editar código-fonte]

Diferente de muitos autores de hoje, que tentam construir uma intriga o mais complexa possível, como um jogo de ecos, Simenon propunha uma intriga simples mas com personagens fortes, um herói humano, obrigado a ir ao fundo de sua lógica. A mensagem de Simenon é complexa e ambígua: nem culpados nem inocentes, mas culpas que se engendram e se destroem em uma cadeia sem fim. Os romances colocam o leitor em um mundo rico de formas, cores, sentimentos, sensações, onde se entra desde a primeira frase. Seus melhores romances são baseados nas intrigas nas pequenas vilas de província, evoluindo a sombra de personagens de aparência respeitável mas que urdem empresas tenebrosas, numa atmosfera própria, do qual os do Comissário Maigret são certamente os melhores

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Commissário Maigret
  • Pietr-le-Letton (1931)
  • Le charretier de la Providence (1931)
  • M. Gallet décédé (1931)
  • Le pendu de Saint-Pholien (1931) - Brasil - O Enforcado (LP&M)
  • La tête d’un homme (L’homme de la Tour Eiffel) (1931)
  • Le chien jaune (1931)
  • La nuit du carrefour (1931)
  • Un crime en Hollande (1931)
  • Au rendez-vous des Terre-Neuves (1931)
  • La danseuse du Gai-Moulin (1931)
  • La guinguette à deux sous (1932)
  • L’ombre chinoise (1932)
  • L’affaire Saint-Fiacre (1932)
  • Chez les Flamands (1932)
  • Le port des brumes (1932)
  • Le fou de Bergerac (1932)
  • L’écluse no. 1 (1933)
  • Maigret (1934)
  • Liberty Bar (1937)
  • Une erreur de Maigret (1938)
  • L’amoureux de Madame Maigret (1938)
  • Stan le tueur (1938)
  • L’Auberge aux noyés (1938)
  • La péniche aux deux pendus (1938)
  • L’affaire du Boulevard Beaumarchais (1938)
  • La fenêtre ouverte (1938)
  • Monsieur Lundi (1938)
  • Jeumont, 51 minutes d’arrêt (1938)
  • Les larmes de bougie (1938)
  • Rue Pigalle (1938)
  • La vieille dame de Bayeux (1938)
  • L’Étoile du Nord (1938)
  • Tempête sur la Manche (1938)
  • Mademoiselle Berthe et son amant (1938)
  • L’improbable Monsieur Owen (1938)
  • Ceux du Grand Café (1938)
  • Le notaire du Châteauneuf (1938)
  • L’Homme dans la rue (1939)
  • Vente à la bougie (1939)
  • La maison du juge (1940)
  • Les caves du Majestic (1942)
  • Cécile est morte (1942)
  • Menaces de mort (1942)
  • Signé Picpus (1944)
  • Félicie est là (1944)
  • L’Inspecteur Cadavre (1944)
  • La pipe de Maigret (1945)
  • Maigret se fâche (août 1945
  • Le témoinage de l’enfant de chœur (1946)
  • Maigret à New York (mars 1946)
  • Le client le plus obstiné du monde (1946)
  • Maigret et l’inspecteur malgracieux ( 1946)
  • On ne tue pas les pauvres types (1946)
  • Sous peine de mort (1946)
  • Les vacances de Maigret (1947)
  • Maigret et son mort (1948)
  • La première enquête de Maigret, 1913 (1948)
  • Mon ami Maigret (1949)
  • Maigret chez le coroner (1949)
  • L’amie de Mme Maigret (1949)
  • Un Noël de Maigret (1950)
  • Les mémoires de Maigret (1950)
  • Maigret et la vieille dame (1950)
  • Maigret au « Picratt's » (1950)
  • Maigret en meublé (1951)
  • Maigret et la grande perche (1951)
  • Maigret, Lognon et les gangsters (1951)
  • Le revolver de Maigret (1952)
  • Maigret et l’homme du banc (1953)
  • Maigret a peur (1953)
  • Maigret se trompe (1953)
  • Maigret à l’école (1953)
  • Maigret et la jeune morte (1954)
  • Maigret chez le ministre (1954)
  • Maigret et le corps sans tête (1955)
  • Maigret tend un piège (1955)
  • Un échec de Maigret (1955)
  • Maigret s’amuse (1956)
  • Maigret voyage (1957)
  • Les scrupules de Maigret (1957)
  • Maigret et les témoins récalcitrants (1958)
  • Une confidence de Maigret (1959)
  • Maigret aux assises (1959)
  • Maigret et les vieillards (1960)
  • Maigret et le voleur paresseux (1961)
  • Maigret et les braves gens (1961)
  • Maigret et le client du samedi (1962)
  • Maigret et le clochard (1962)
  • La colère de Maigret (1962)
  • Maigret et le fantôme (1963)
  • Maigret se défend (1964)
  • La patience de Maigret (1965)
  • Maigret et l’affaire Nahour (1966)
  • Le voleur de Maigret (1966)
  • Maigret à Vichy (1967)
  • Maigret hésite (1968)
  • L’ami d’enfance de Maigret (1968)
  • Maigret et le tueur (1969)
  • Maigret et le marchand de vin (1969)
  • La folle de Maigret (1970)
  • Maigret et l’homme tout seul (1971)
  • Maigret et l’indicateur (1971)
  • Maigret et Monsieur Charles (1972)
Outros romances
  • Le relais d’Alsace (1931)
  • Les fiançailles de M.Hire (1933)
  • Le coup de lune ((1933)
  • L’assassin (1935)
  • 45° à l’ombre (1936)
  • Le testament Donadieu (1937)
  • L’homme qui regardait passer les trains (1938)
  • La Marie du port (1938)
  • Le bourgmestre de Furnes (1938)
  • La veuve Couderc (1940)
  • La vérité sur Bebé Donge (1940)
  • Les rapports du gendarme (1941)
  • Le voyageur de la Toussaint (1941)
  • Pedigree (1943)
  • L’aîné des Ferchaux (1943)
  • La révolte du Canari (1944)
  • Le deuil de Fonsine (1945)
  • Madame Quatre et ses enfants (1945)
  • Le Cercle des Mahé (1945)
  • Trois chambres à Manhattan (1946)
  • Un certain monsieur Berquin (1946)
  • L’escale de Buenaventura (1946)
  • Les petits cochons sans queue (1946)
  • Le petit restaurant des Ternes (1947)
  • Le petit tailleur et le chapelier (1947)
  • La neige était sale (1948)
  • Le temps d’Anaïs (1950)
  • Les volets verts (1950)
  • Sept petites croix dans un carnet (1950)
  • La mort de Belle (1951)
  • Antoine et Julie (1952)
  • Le grand lot (1953)
  • Le grand Bob (1954)
  • Le passage de la ligne (1958)
  • Dimanche (1958)
  • La vieille (1959)
  • Betty (1960)
  • Le train (1961)
  • Les anneaux de Bicêtre (1962)
  • Le petit saint (1964)
  • La chambre bleue (1964)
  • Le train de Venise (1965)
  • La mort d’Auguste (1966)
  • Le riche homme (1970)
  • Quand j’étais vieux (1970)
  • Lettre à ma mère (1974
  • L’homme de Londres (1976)
Livros sobre Simenon e sua obra

Este artigo foi traduzido da Wikipédia em língua francesa, que continha a bibliografia a seguir:

  • Pierre Assouline : Simenon éd. Julliard, Paris, 1992.
  • Alain Bertrand : Georges Simenon, La Manufacture, 1998.
  • Jean-Christophe Camus, "Simenon avant Simenon. Les Années de journalisme (1919-1922)", Bruxelles, Didier-Hatier, 1989.
  • Jean-Christophe Camus, "Les Années parisiennes (1923-1931). Simenon avant Simenon", Bruxelles, Didier Hatier, 1990.
  • Michel Carly : Simenon et les secrets de La Rochelle, préface de Denys de La Patellière, éd. Omnibus, 144 pages
  • Michel Carly : Simenon, les années secrètes (Vendée 1940-1945), éd. d'Orbestier, 2005 - 180 pages.
  • Patrick Chastenay et Philippe Chastenay : Simenon, album de famille « Les années Tigy », éd. Presses de la Cité, Paris, 125 pages
  • Centre d’études Georges Simenon : Simenon, l’homme, l’univers, la création éd. Complexe, Bruxelles, 1993 (réédition novembre 2002).
  • Stanley Eskin, Simenon, une biographie, Presses de la Cité, 1990, ISBN 2-258-03175-3 a critical biography, Mac Farland and Company, Inc., Publishers, Jefferson, N.C., USA. 1987.
  • Claude Gauteur, D'après Simenon. Simenon et le Cinéma, Carnets Omnibus, 2001, 250p.
  • Claudine Gothot-Mersch : Lire Simenon : réalité, fiction, écriture, éd. Nathan/Labor, Bruxelles, 1980.
  • Michel Lemoine : L’Autre Univers de Simenon éd. CLPCF, Liège, 1991.
  • Patrick Marnham : L'Homme qui n'était pas Maigret - Un portrait de Georges Simenon éd. Presses de la Cité, Paris, 2003
  • Paris chez Simenon, éd. Encrage, collection travaux no 37.
  • Anne Richter : Simenon sous le masque, préface d'Eric-Emmanuel Schmitt, éd. Racine, 2007
  • Denis Tillinac : Le Mystère Simenon

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências