Gerbo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-question.svg
Este artigo ou seção pode conter texto de natureza não enciclopédica. (desde março de 2014)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Fevereiro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nota: Talvez você estaja procurando o Gerbilo. Consulte-o.
Como ler uma caixa taxonómicaGerbil
Gerbo em cativeiro

Gerbo em cativeiro
Estado de conservação
Status iucn2.3 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Muridae
Subfamília: Gerbillinae
Género: Meriones
Subgénero: Pallasiomys
Espécie: M. unguiculatus
Nome binomial
Meriones unguiculatus
Milne-Edwards, 1867

O Gerbo ou esquilo-da-mongólia (Meriones unguiculatus) é um dos roedores que entrou para o mundo dos mascotes. Aparentemente este minúsculo animal é fisicamente similar ao hamster, com quem guarda um grande parentesco, necessitando no entanto de alguns cuidados muito diferentes de seus semelhantes. Se trata de um roedor com muito caráter que, quando se sente mimado e querido se comporta amistosamente, e relaciona-se bem com seu dono.

No princípio era utilizado como cobaia, mas devido à suas qualidades surpreendentes, acabou se tornando um dos roedores de estimação mais populares na América do Norte.

Sua origem é da Mongólia, lugar de clima seco e paisagens desérticas. Estes antecedentes marcam suas necessidades e costumes, muito diferentes do restante de sua espécie. Um exemplo clássico é seu local ideal para morar, já que as jaulas não são recomendadas como alojamento para este pequeno companheiro, devido ao fato de machucar o seu nariz com as grades e jogar toda a forragem para fora por sua tendência a escavar. Pode-se criá-lo em uma gaiola, mas o recomendável seria algo como um aquário ou terrário de vidro com um pouco de forragem que ele possa escavar e fazer seus "túneis".

Ele se alimenta de sementes e grãos de cereais, vegetais frescos e frutas.

Na década de 1930, dezenas de gerbos da Mongólia e Manchúria foram capturados e levados aos Estados Unidos e ao Japão. Os gerbos americanos foram vendidos à Inglaterra e ambos os países exportaram as crias para diversas regiões.

Manejo[editar | editar código-fonte]

Devem ser criados em pequenos grupos ou em pares, evitando-se criar um gerbo sem um companheiro. O ideal dois machos ou duas fêmeas, pois reproduzem-se continuamente. Não se deve dar banhos no gerbo, isso pode provocar problemas sérios de saúde, por exemplo, pneumonia. A limpeza da gaiola é feita retirando-se a forragem antiga e substituindo-a por nova. Pode-se passar um pano úmido e continue passando álcool (sem o animalzinho dentro da gaiola), ou lave com detergente, como lavaria uma bandeja. Evite dar tecidos, algodão e plásticos, pois ele pode ingerir e morrer por obstrução gástrica. Dê papelão e madeira para ele roer. Porém, nunca dê madeira de cedro ou pinus, que contêm gases tóxicos para os pequenos roedores e causam alergias e infecções respiratórias. Os dentes incisivos dos roedores crescem continuamente, portanto, roer é um hábito saudável. Ponha galhos ou cascas de árvores na caixa dele. Isso distrai o animal e desgasta os dentes. Os dentes só vão crescer sem parar se as mandíbulas estiverem fora de alinhamento, daí é uma condição patológica - nesse caso o dente necessitará ser aparado por um veterinário.

Ícone de esboço Este artigo sobre sobre roedores, integrado ao WikiProjeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.