Germano II de Constantinopla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Germano II de Constantinopla
Nascimento século XII
Anáplo
Morte junho de 1240
Nacionalidade Império Bizantino
Ocupação Patriarca ecumênico
Título
Religião Ortodoxia Oriental

Germano II de Constantinopla (em grego: Γερμανός Β΄ Ναύπλιος), dito Náuplio (em latim: Nauplius), foi o patriarca grego ortodoxo de Constantinopla, exilado no Império de Niceia, entre 1223 e a sua morte em junho de 1240. Nasceu em Anáplo. Serviu como diácono em Santa Sofia até 1204, e quando da tomada de Constantinopla durante a Quarta Cruzada, partiu para um mosteiro. Em 1223, foi selecionado por João III Vatatzes (r. 1221–1257) como patriarca ecumênico em exílio, assumindo o trono em 4 de janeiro de 1223. Durante seu reinado, entrou em conflito com o prelado da Igreja do Épiro acerca de sua independência, bem como a independência política do Épiro sob o auto-declarado imperador Teodoro Comneno Ducas (r. 1216–1230). Reconheceu a Igreja da Bulgária como um patriarcado júnior por 1235 e abriu diálogo com a Sé de Roma para uma possível união das Igrejas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iluminura do imperador de Niceia João III Vatatzes (r. 1221–1257)

Germano nasceu em Anáplo na segunda metade do século XII e, durante a Quarta Cruzada de 1204, servia como diácono em Santa Sofia. Logo depois do saque de Constantinopla, retirou-se para um mosteiro em Paleocastro. Em 1223, foi selecionado pelo imperador de Niceia, João III Vatatzes (r. 1221–1257), para preencher o posto de patriarca ecumênico, que tinha sido realocado para lá após a conquista de Constantinopla pelos venezianos e a criação do Patriarcado Latino de Constantinopla. Germano assumiu o trono em 4 de janeiro de 1223 e rapidamente se mostrou um valioso aliado de Vatatzes.[1]

Durante todo o seu patriarcado, Germano lutou para restabelecer a sua autoridade como líder do então espatifado mundo ortodoxo, ao mesmo tempo em que apoiava Vatatzes em sua luta para reconquistar a sua herança imperial perdida. Assim, Germano se chocou com os prelados do Despotado de Épiro por conta da da defesa deles aos governantes de Épiro e, especialmente, com o arcebispo de Ácrida, Demétrio Comateno, que tinha presidido a coroação de Teodoro Comneno Ducas (r. 1216–1230) como imperador em Tessalônica, em direto confronto com a posição de Niceia. Após a derrota de Épiro na Batalha de Klokotnitsa em 1230, porém, os bispos dali foram gradualmente conquistados pelo grupo de Germano. Em 1232, o cisma estava superado, com a Igreja de Épiro reconhecendo sua autoridade, ao que se seguiu uma viagem pela região por Germano em 1238.[1] [2]

Por outro lado, Germano estava propenso a se curvar às realidades políticas na questão da Igreja da Bulgária, reconhecendo-a como um patriarcado júnior em 1235. Isso foi, em parte, o resultado de uma necessidade política, como condição para a aliança entre Vatatzes e o Segundo Império Búlgaro, do tsar João Asen II (r. 1218–1241), mas era também um movimento necessário para afastar a Igreja Búlgara de sua submissão pós-1204 à Igreja Católica. Movimento similar está por trás do reconhecimento por ele do estatuto autocéfalo da Igreja Sérvia.[3]

Mesmo sendo um feroz crítico dos "erros" que percebia na Igreja Católica e o autor de diversos tratados anticatólicos,[1] Germano foi, inicialmente, favorável a uma reaproximação com Roma. Em 1232, enviou um grupo de franciscanos, cuja postura e o desejo de reconciliação o haviam impressionado, como enviados ao papa. Germano propôs convocar um concílio ecumênico pleno para tentar a reconciliação das Igrejas.[4] Como resposta, uma delegação de franciscanos e dominicanos chegou em Niceia em 1234, mas com alçada limitada: eles não tinham autoridade para conduzir nenhum tipo de negociação, mas apenas para sondar o imperador e o patriarca. A delegação latina compareceu ao concílio realizado em Ninfeu, mas ele acabou se desfazendo em uma disputa entre os latinos e os gregos. Os enviados papais fugiram para Roma enquanto que os nicenos se juntaram ao ataque a Constantinopla em 1235.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Germano II de Constantinopla
(No exílio em Niceia)

(1223 - 1240)
Precedido por: Cruz ortodoxa.png
Lista dos patriarcas grego ortodoxos de Constantinopla
Sucedido por:
Manuel I 129.º Metódio II


Referências

  1. a b c Kazhdan 1991, p. 847
  2. Angold 1999, p. 551–552
  3. Angold 1999, p. 552
  4. Angold 1999, p. 553
  5. Angold 1999, p. 553-554

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Angold, Michael. In: Abulafia, David. The New Cambridge Medieval History: Volume V, c. 1198–c. 1300. [S.l.]: Cambridge University Press, 1999. Capítulo Byzantium in exile. 543–568 pp. ISBN 0-521-36289-X.
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Germano II (em grego) Site oficial do Ecumenical Patriarchate of Constantinople. Visitado em 04/09/2011.