Gerontofilia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Gerontofilia (grego:Geron, que significa velho; e philie, amor) é uma parafilia que consiste na atração sexual por pessoas idosas. Algumas mulheres jovens, geralmente adolescentes, apaixonam-se facilmente por homens mais velhos. A atração dos jovens para mulheres mais velhas é frequentemente causada pela falta de confiança nas suas capacidades sexuais. A gerontofilia é normalmente associada a um transtorno mental na infância. Nas origens de gerontofilia está a perceção pela criança de um adulto como o seu ídolo, modelo de referência ou herói. Muitas vezes, as crianças tentam compensar por conta própria a falta de atenção, ausência de relações com os pais e a falta de cuidado por parte dos adultos. Este aspeto é por vezes especialmente notável em adolescentes. Gerontofilia é baseada em distúrbios de comunicação e é muitas vezes combinada com tendências masoquistas, desejo de ter uma relação humilhadora e a necessidade de subordinação sem direito à vontade própria. Os gerontófilos preferem como parceiros pessoas idosas, ou, pelo menos, pessoas significativamente mais velhas. A psicanálise considera a gerontofilia manifestação do complexo de Édipo – atração reprimida pelo pai ou pela mãe. A psicoterapia e os métodos de psicanálise ajudam a lidar com este tipo de atração.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kaul A, Duffy S, « Gerontophilia--a case report », Med Sci Law, April 1991, 31(2), p. 110-114.
  • Michel Bozon, « Les significations sociales des actes sexuels », Actes de la recherche en sciences sociales, 1999, Volume 128, Numéro 128, pp. 3-23.
  • Hadrian N Ball « Sexual offending on elderly women: A review », Journal of Forensic Psychiatry and Psychology, Routledge, part of the Taylor & Francis Group, Volume 16, Number 1, March 2005, p. 127-138.