Ghost in the Shell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ghost in the Shell
攻殻機動隊
Gênero Ação, Aventura, Mecha, Militar, Polícia, Ficção Científica
Mangá
Ghost in the Shell
Autor Masamune Shirow
Editora(s) JapãoKodansha
Data de publicação 1989
Volumes 8
Anime
Ghost in the Shell
Direção Kenji Kamiyama
Estúdio Production I.G
Exibição original 1 de Outubro de 2002– em exibição
Nº de episódios 52
Projeto Animangá  · Portal Animangá

Ghost in the Shell (em japonês 攻殻機動隊, Kōkaku Kidōtai) é um mangá de influências cyberpunk, criado por Masamune Shirow. Rendeu uma continuação, intitulada Ghost in the Shell 2: Man/Machine Interface, que foi lançada em 2002.

Com o passar dos anos, o mangá foi adaptado em: três filmes anime - Ghost in the Shell, Ghost in the Shell 2: Innocence, e Ghost in the Shell: Stand Alone Complex Solid State Society; duas séries de televisão animadas - Ghost in the Shell: Stand Alone Complex e Ghost in the Shell: Stand Alone Complex 2nd Gig. Todas essas incursões foram produzidas pela empresa Production I.G., assim como um jogo para PlayStation, um jogo para PlayStation 2 e outro para PlayStation Portable.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Ghost in the Shell se passa depois de 2029, marcado pelo surgimento de uma nova tecnologia que permite a fusão do cérebro à computação, à rede mundial.

O ambiente de Ghost in the Shell é cyberpunk ou pós-cyberpunk, porém o autor foca mais nas ramificações éticas, filosóficas e sociais da fusão em massa da humanidade com a tecnologia, o desenvolvimento da inteligência artificial e a onipresença da rede de computadores como uma oportunidade para reavaliar assuntos como a identidade pessoal, a singularidade da consciência e o aparecimento do trans-humanismo.

O filme, séries e mangá derivados cobrem histórias policiais nas investigações da Comissão Nacional Japonesa de Segurança Pública, Seção 9, especializada no combate a crimes perpetrados com uso da tecnologia.

A protagonista é Motoko Kusanagi, apelidada de Major. Apesar de em tese não haver uma diferença hierárquica entre os membros da equipe, Kusanagi tem a a função de líder tática da Seção 9. O apelido vem da sua época nas forças armadas. Ela tem capacidades sobrehumanas devido a seu corpo cyborg ser especializado para atividades táticas. Apenas o cérebro e um segmento do cordão espinhal são orgânicos.

Trabalhos lançados[editar | editar código-fonte]

Ghost in the Shell foi lançado nas mais diferentes mídias, com cada um dos trabalhos tendo um enredo separado e alternativo.

Mangá[editar | editar código-fonte]

Ghost in the Shell 2: Man/Machine Interface é a continuação oficial do primeiro mangá. Ghost in the Shell 1.5: Human Error Processor inclui uma série de histórias que seriam originalmente publicadas em Ghost in the Shell 2: Man/Machine Interface.

Filmes[editar | editar código-fonte]

Ghost in the Shell foi adaptado em diversos animes, com todos eles sendo produzidos pela empresa Production I.G.

A primeira adaptação da série para o cinema se deu em 1996, com Ghost in the Shell, dirigido por Mamoru Oshii.

O filme teve uma continuação intitulada Ghost in the Shell 2: Innocence lançado em 2004. Também dirigida por Oshii, ela teve como protagonista o personagem Batou.

Um terceiro filme, Ghost in the Shell: S.A.C. Solid State Society, foi lançado após a série de televisão. Dirigido por Kenji Kamiyama, ele não possui ligações com o trabalho de Oshii, seguindo o enredo estabelecido pela série de televisão.

A Kodansha e Production IG estão atualmente estudando a possibilidade de criar um filme com atores reais baseado na obra.[1]

Séries de televisão[editar | editar código-fonte]

A série também já foi adaptado para a televisão, no formato anime. Com o nome de Ghost in the Shell: Stand Alone Complex, a série chegou inclusive a ganhar uma segunda temporada, Ghost in the Shell: S.A.C. 2nd GIG. O sucesso obtido gerou um filme - Ghost in the Shell: S.A.C. Solid State Society - que estreou na emissora SKY Perfect em 1 de Setembro de 2006.

Toda a série Stand Alone Complex foi dirigida por Kenji Kamiyama, e possui um enredo alternativo, separado daquele elaborado por Mamoru Oshii nos filme e por Masamune Shirow nos mangás originais. A série se foca mais na carreira da personagem Motoko Kusanagi e Section 9, mas ainda possui elementos baseados no filme e no mangá.

Romances[editar | editar código-fonte]

A série rendeu dois romances:

Video games[editar | editar código-fonte]

Em 1997, um jogo homônimo para PlayStation foi lançado. Foi desenvolvido pela empresa Exact e lançado pela THQ.

Um segundo jogo, dessa vez baseado no universo da série de televisão, foi lançado em Novembro de 2004 para o console PlayStation 2. Intitulado de forma homônima ele foi desenvolvido pela Sony e pela Cavia, e lançado pela Bandai. Com um jogo de mesmo nome foi desenvolvido pela G-Artists e lançado em 2005 pela Bandai. Dessa vez, para o PlayStation Portable, mas funcionando como continuação do jogo para PS2. Possuía, entretanto, enredo, cenário e jogabilidade totalmente diferente de seu antecessor.

Lançamento no Brasil[editar | editar código-fonte]

O filme foi exibido no Brasil pela emissora de TV por Assinatura HBO. No exterior, adquirindo uma manobra comercial inovadora, o filme co-produção Japão/Reino Unido – estreou no Reino Unido poucos dias depois do Japão e poucos meses depois nos EUA.

O fato da Disney ter adquirido obras importantes do Studio Ghibli, mas não se ter esforçado muito para as lançar, também não ajuda, mas, recentemente, a Columbia e a DreamWorks demonstraram interesse em inverter a situação, providenciando a estréia de alguns filmes, sem insistirem na manipulação das versões originais e até dando algum espaço às versões faladas em japonês. [carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre mangá e anime é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.